A China pretende pousar na Lua na década de 2030, mas eles precisam decidir agora se vale construir um enorme foguete como o americano Saturno V ou montar uma nave espacial na órbita da Terra.

O trabalho preliminar está em andamento orientado para um lançador super-pesado, mas o cronograma foi “afrouxado”. O poderoso foguete, se desenvolvido, poderia voar em 2028, como anteriormente programado, ou talvez dois anos depois, disse um gerente sênior do principal fabricante de lançadores espaciais do país, a China Academy of Launch Vehicle Technology (CALT).

A alternativa de usar uma série de lançamentos usando foguetes menores para colocar partes de uma nave para ser montada na órbita da Terra foi levantada e ainda parece ser uma opção.

Para o foguete super pesado, a carga útil para baixa órbita terrestre aumentou para 140 toneladas das 130 toneladas almejadas em estudos publicados em 2013. Mas este desempenho melhorado não deverá resultar em mais massa lançada para a Lua. Para isso, o objetivo ainda é de 50 toneladas, disse o gerente da CALT, Lu Yu, diretor do comitê de ciência e tecnologia da empresa estatal.

Estamos principalmente falando sobre um primeiro vôo por volta de 2028-30“, disse Lu. “O foguete é para missões espaciais e especialmente para a criação de uma base lunar para missões tripuladas“.

A CALT está trabalhando na tecnologia chave para o foguete Long March 9 em antecipação à aprovação para o desenvolvimento em grande escala. Este trabalho está focado no desenvolvimento de motores amplamente maiores que qualquer coisa que a China já construiu e na fabricação de uma estrutura do grande diâmetro que será necessário.

O primeiro estágio provavelmente terá um diâmetro de 10 m. Isso seria o dobro do diâmetro do primeiro estágio do Long March 5, o maior foguete da China até o momento. Dificuldades na fabricação de um estágio com 5 m atrasou o primeiro voo deste foguete, que só ocorreu em 2016.

Um conceito do Long March 9 foi apresentado, com 24 bocais de escape para o empuxo desejado. Os motores estão planejados, de modo que o projeto provavelmente possui 12 motores na decolagem: quatro no primeiro estágio e dois em cada um dos quatro impulsionadores. A codificação de cores do desenho implica que esses motores queimam querosene com oxigênio líquido.

O segundo estágio tem duas câmaras de impulso – talvez para dois motores – que aparentemente queimará hidrogênio com oxigênio líquido, uma escolha convencional. O terceiro estágio tem o mesmo arranjo.

Especialmente ausentes do projeto são propulsores de combustível sólido, que a China vem desenvolvendo para este projeto. Em estudos anteriores de alternativas de design, os engenheiros da CALT restringiram cada conceito a duas combinações de propelentes: um sería hidrogênio líquido e oxigênio líquido, e o outro, sólido ou querosene e oxigênio líquido. O último conceito está em conformidade com essa regra.

A outra alternativa é não construir o LM9 e, em vez disso, enviar os equipamentos necessários em três lançamentos por foguetes menores. Neste conceito, o primeiro lançamento seria executado por um foguete não identificado – grande, mas não tão grande como o LM9 – que iria diretamente para a órbita lunar. Em seguida, outro grande foguete colocaria seu próprio estágio superior, ainda com combustível, e um “veículo propulsor” na órbita baixa da Terra.

Um terceiro foguete, menor, aparentemente um LM7, lançaria a nave espacial tripulada consistindo em módulos de propulsão, orbital e retorno (ou reentrada). Os astronautas acoplariam com o veículo de propulsão e o estágio superior, e o último os enviaria para a Lua e depois seria descartado no trajeto. O veículo de propulsão colocaria a nave espacial na órbita lunar e depois seria descartado. Na órbita lunar, a tripulação se acoplaria com o modulo do primeiro lançamento.

O resto da missão seria convencional, como nas missões Apollo dos EUA.

No entanto, a ideia de chegar a lua “em partes” parece não ter agradado a liderança chinesa. Eles parecem ter planos ambiciosos. Isso parece evidente a partir do trabalho preliminar em um poderoso motor de impulso variável.

O motor geraria 8.164 kg de empuxo, em comparação com os 4.500 do motor de descida do módulo lunar usado no programa Apollo. O módulo lunar tinha uma massa de 15 toneladas.

O motor de propulsão variável usaria oxigênio líquido e um hidrocarboneto como o querosene. Esse mecanismo deve ser desenvolvido para a exploração espacial chinesa, mas os fundos ainda não foram alocados para o programa. Ainda assim, o conceito atende a um requisito preliminar de desenhos de programas lunares que se baseia na massa que eles querem pousar.

É necessário um motor com uma ampla faixa de impulso para controle preciso em pousos em corpos celestes. O motor do instituto é proposto para pousar em Marte, bem como na Lua.

A referência a uma base da Lua implica presença prolongada e, portanto, tamanho considerável. Além disso, o peso do lançamento do LM9 para a injeção translunar, 50 toneladas, é suficiente para enviar um objeto um pouco maior do que o módulo lunar dos EUA para a superfície da Lua. O módulo lunar da Apollo e os módulos de comando e serviço tinham uma massa combinada de 44 toneladas.

A série de seis sondas não tripuladas que a China começou a enviar para a Lua em 2007 usa um motor de propulsão variável de 7.500 kg que queima dimetilidrazina com tetróxido de nitrogênio.

As sondas Chang’e 5 e 6, maiores, terão dois destes motores. A Chang’e 5 deverá ser lançada ainda este ano.


FONTE: Aviation Week

7 COMENTÁRIOS

  1. Bom, como perdi o pouso americano na Lua, por alguns anos, vai ser bacana ver este ! Espero que nao atrase muito. Ou perco esse tambem!

  2. E pensar que nosso programa espacial começou junto com o deles ….

      • Cara, olha esse lançador do Irã. https://www.youtube.com/watch?v=yvo0xTqN63Q

        Isso é porte de lançador/ICBM e o diabo, não o dos coréia, o maior lançador do nhonho está longe de ser um IRBM quanto mais ICBM kkkk.
        Mas eu admiro o Irã, sério, com embargo e os caras conseguem fazer esse lançador, o Brasil é uma piada, nosso país precisa tomar uma surra pra aprender.

        • A liderança de países como o Irã e Coreia do Norte são atacadas com bombas contendo toneladas de explosivos. Na ilha de Vera Cruz, basta jogar umas malas contendo dólares que o país caiu rapidinho…

  3. Parabens aos chinese ,devem pisar na lua antes que o feito americano faça 100 anos !

Comments are closed.