Planos para treinar pilotos de caças F-15SG na Nova Zelândia foram abandonados. (Imagem ilustrativa)

Cingapura abandonou planos de abrir um centro de treinamento de pilotos na Nova Zelândia, com o Ministério da Defesa (MINDEF) anunciando no dia 7 de janeiro que ambas as nações concluíram mutuamente que a proposta não seguirá adiante.

O MINDEF divulgou pela primeira vez que considerava usar o espaço aéreo relativamente calmo da Nova Zelândia para treinar tripulações de caças Boeing F-15SG Eagle da Força Aérea da República de Cingapura (RSAF) no início de 2017.

Como um pequeno país com espaço aéreo limitado, Cingapura sempre precisará de espaço de treinamento no exterior para manter nossa prontidão operacional“, disse o MINDEF na época.

Um local na base da Força Aérea Real da Nova Zelândia (RNZAF) em Ohakea foi avaliado, e embora nenhuma razão tenha sido fornecida para o projeto ser abandonado houve relatos da mídia de que moradores locais se opuseram aos efeitos da base sendo usada para operações de caças.


FONTE: IHS Jane’s

34 COMENTÁRIOS

    • Mais um comentário tolo e desprovido de bom senso Xings. Singapura têm forças armadas mais modernas que a maioria dos países da região, atrás apenas do Japão e Coreia do Sul. Além disso é aliada dos EUA e se alguém a atacar a resposta será dura. Nem vale a pena citar a China com seu gigantesco exército de papel e suas tralhas voadoras de camelô. Num conflito de alta intensidade contra uma coalizão com os EUA e seus aliados a PLAAF será liquidada em no máximo duas semanas.

        • Sem noção é comparar nazistas e resistência francesa.

          O texto é claro, mas eu explico: Israel é maior, mas não é uma ilha.

          O fato do país ser pequeno atrapalha a defesa em profundidade. Mas é uma ilha, não pode ser atacado de forma tradicional por uma coluna blindada como Israel já foi..

          Singapura só poe ser invadida de três formas:
          1) Ataque aerotransportado
          2) Desembarque anfíbio
          3) Acesso por ponte através da Malásia

          Nos três casos, as forças invasoras ficam vulneráveis a forte aviação do país. Sem derrotar a força aérea, não é possível realizar nenhum dos três feitos.

          Também, como já disse aqui mil vezes, Cingapura tem acordo de defesa com a Malásia, Austrália e Reino Unido. Basta aguardar reforço.

        • Aula grátis de estratégia.

          A estratégia de Israel sempre foi levar a guerra ao território inimigo em razão do território diminuto. Por isso, ataca preventivamente.

          Cingapura tem território menor, mas é cercada pelo mar com pontes para o continente. Isso impede um ataque direto com cavalaria.

          Uma ilha é uma fortaleza natural e sempre foi um desafio em qualquer campanha.

          Os americanos demoraram 4 dias para tomar a indefesa ilha de Granada com imensa capacidade anfíbia e aerotransportada.

          Sugiro fortemente a leitura de algumas campanhas como a invasão de Creta, da Sicília e a campanha japonesa e americana no pacífico.

          • Para que usar cavalaria para atacar uma ilha?
            Singapura tem dois inimigos históricos apesar das boas relações hoje, Malásia a 500 metros e Indonésia a 40 km, por isso se torna praticamente impossível uma cidade estado enfrentar o inimigo.
            A artilharia inimiga destuiria a cidade, eles contam com a possibilidade de uma coalizão os libertar, mais de metade de sua força está estocada fora de Singapura para isso.

            • Vc disse: "mais de metade está estocada fora de Singapura". Vejamos:

              Total de 40 F15SG – 10 nos EUA
              Total de 60 F16 – 14 nos EUA
              Total de 17 AH-64 – 8 nos EUA
              Total de 32 AS332 – 12 na Austrália
              Total de 16 CH47 – 6 nos EUA

              São esquadrões de treinamento. Fora aeronaves específicas de treinamento (M346 e PC21), todas as demais são baseadas 100% em Cingapura.

  1. A defesa de Cingapura é praticamente impossível perante um ataque em massa sem anúncio prévio por um forte oponente, o que muda radicalmente em caso de aviso prévio ou ataques localizados de oponentes mais fracos. Considerando seus vizinhos, isso não devo ocorrer, são muito mais fracos militarmente.
    O que se esperaria em caso de invasão seria algo parecido como que ocorreu no Kuwait, uma ampla coalizão para liberar o país, mas no caso com grande atuação das próprias forças de Cingapura.

  2. Cingapura tem só dois aeroportos que podem operar os jatos de combate na sua cidade estado, por isso mesmo com seus treinamentos de decolagem e pouso em estradas seria impossível os caças operarem para fazer a defesa com suas bases fara de combate.
    O que seu exército pode é tornar uma invasão custosa demais ao inimigo.
    Quanto a ataques preventivos, isso é coisa do estado criminoso de Israel, não seria feito por Singapura.