Acordo de US$ 11 bilhões, a ser pago com ajuda militar dos EUA, substituiria helicópteros de transporte, aviões de reabastecimento e acrescentaria um esquadrão do furtivo F-15 ao arsenal da Força Aérea.

A Força Aérea Israelense (IAF) está planejando sua maior aquisição de todos os tempos num acordo avaliado em US$ 11 bilhões negociado com a fabricante de aviões Boeing.

O acordo parece incluir um esquadrão de jatos F-15 com recursos stealth aprimorados, um esquadrão de helicópteros de carga e aviões de reabastecimento aéreo, de acordo com um relatório do diário israelense Hayom.

A compra será financiada pelo dinheiro da ajuda militar dos EUA, que chega a cerca de US$ 3,8 bilhões por ano, na próxima década, quando os novos aviões e helicópteros forem entregues.

De acordo com oficiais militares, os helicópteros de carga Yas’ur de Israel (Sikorsky CH-53 Sea Stallion) e os aviões de reabastecimento são considerados ultrapassados e sua substituição tem sido uma prioridade para a Força Aérea.

Boeing F-15SE (Silent Eagle).

A Força Aérea defende a substituição dos antigos esquadrões pelas plataformas da Boeing. Os aviões de reabastecimento da Boeing são baseados no jato de passageiros 767, têm um histórico comprovado de confiabilidade e podem ser entregues rapidamente. As linhas de helicópteros da Boeing, especificamente o CH-47 Chinook e o V-22 Osprey, significam que um único acordo de aquisição pode oferecer um esquadrão de helicópteros com capacidades mais diversificadas.

O Chinook está entre os helicópteros militares de maior carga no mercado, enquanto o Osprey é um veículo de rotor inclinado que pode decolar e pousar como um helicóptero, mas voa como um avião.

Se o acordo for concluído e Israel voltar a comprar o F-15, isso marcará a primeira aquisição de um avião de caça da Boeing pela Força Aérea de Israel em duas décadas. Nos anos seguintes, Israel comprou 100 F-16 e outros 50 F-35 do principal concorrente da Boeing, a Lockheed Martin.

O F-15 considerado no acordo, a ser designado “IA” (Israel Advanced) é uma versão atualizada do antigo avião que incluiria certas capacidades furtivas, como tinta de absorção de radar e transporte interno de armas.

O acordo ainda não foi finalizado. Uma recomendação final da Força Aérea deverá ser entregue em breve ao chefe do Estado-Maior, Tenente-General Gadi Eisenkot, e ao Ministério da Defesa. Uma decisão final sobre uma compra tão pesada teria que ser aprovada pelo gabinete de segurança de dez membros.


FONTE: Times of Israel

 

 

Anúncios

51 COMENTÁRIOS

  1. Se confirmado, até que enfim a Boeing conseguiu emplacar, num produto antigo — mas não velho e sim de excelência comprovada –, suas propostas de novas tecnologias. Sem clientela firmemente interessada, o produto "iniciante" não existe.

    O povo militar que lida com propostas via nos SH avançados mais possibilidades de venda, por isso ele demandava mais esforços (embora eu não ouvisse/lesse sobre nenhum dos dois, Eagle+ e SH+, há tempos).

    Só os israelenses para salvar os engravatados de Fulton River… 😀

  2. O F-15 tem se mostrado "difícil de ser vencido", tanto no ar, como em vendas. A Boeing, depois que perdeu o JSF, tem feito de tudo pra sobreviver, e tem feito isso de forma bastante eficiente, seja oferecendo E/F/A-18 E/F/G à marinha, pra compensar a demora nas entregas dos F-35, seja em desenvolver o maior número de versões do "velho", mas ainda poderoso Eagle, e que atenda aos mais diversos clientes. E a Boeing não para por aí, tendo mostrado interesse em participar com a BAe/SAAB/Embraer no desenvolvimento do caça de 5ªG TEMPEST.

  3. Eu nunca entendi essa ajuda dos EUA para Israel. Os EUA da todo ano U$3,8 bi em equipamentos militares, seria uma doação? Ou é FMS?
    Alguém poderia me explicar?

      • Foi só falar nos círculos antissemitas que o primeiro apareceu! Contudo, dado o compromisso do cidadão em defender a teocracia fascista iraniana, era algo previsível.

    • Trata-se de ajuda militar com fins geopolíticos. Entretanto existe muita desinformação acerca da mesma, oriunda de círculos antissemitas quer de esquerda, quer de extrema-direita/libertários. Primeiramente tal montante representa apenas pouco menos de 20% do orçamento de defesa israelense (US$ 20 bilhões) ou seja, o grosso dos recursos que mantém as IDFs é proveniente do contribuinte Israelense. Outro aspecto é que essa ajuda militar deve ser gasta com equipamentos produzidos nos EUA ou, caso produzidos localmente, que tenham ao menos 30% de componentes importados dos EUA ou seja, os recursos acabam por representar investimento indireto do governo norte-americano na sua própria indústria de defesa.

      Por fim Israel não é o único país a receber tal ajuda. Os egípcios recebem US$ 1,5 bi anuais de ajuda militar e cumpre lembrar que a antiga URSS fazia o mesmo com seus aliados como Cuba e Síria.

      • Ué, Israel não estava mais interessado no F-35 do que no F-15?! Rsrs

        Eu te disse, meu amigo, eu te disse. Com um amigão desse me dando 3,5 bilhões de dólares todo ano, eu digo o que ele quiser. Rsrs

        Grande abraço!!!

      • Cumpre lembrar também que o nosso antigo governo fazia o mesmo com seus aliados bolivarianos, tudo bancado pelo contribuinte tupiniquim.

        • Bem lembrado! E enquanto o governo norte-americano tem retorno geopolítico e também econômico da ajuda militar enviada a Israel o governo brasileiro, especialmente o BNDES, tomou calote dos bolivarianos.

      • Cara. Tira essa ideia maluca da cabeça. De cada dólar que o contribuinte americano enterra em Israel, apenas uma pequena parte vai reverter de volta. Seja através de novos impostos diretos no produto (se tiver) ou indiretos (fornecedores, salários e. etc.). Se fosse assim, era só os EUA aumentarem a ajuda para US$ 2 trilhões e todos seriam felizes para sempre.

        • Cada dólar que o contribuinte americano gasta é um terrorista iraniano a menos.

          • Então, é melhor investir muito mais, porque, ao que consta, muitos outros milhares estão chegando lá na região.

            • É baratinho. São milhares de dólares.

              Se abrirem um Crowdfunding, eu coloco uma grana.

              Ver esses caras perderem de novo, não tem preço.

            • Achar que os fascistas irão marchar triunfantes em Telaviv é o mesmo que acreditar que o presidiário será presidente.

              Outra bola fora sua Xings!

              • Mais difícil de acreditar é que Israel vai conseguir sobreviver sem o Tio.

                • É assim mesmo amigo! Esse povo é adestrado, doutrinado e lobotomizado para odiar os EUA e Israel no DCE

                • Sabe aquele garotinho mimado que quando vai apanhar chama o tio para ajudar?
                  O tio é o Tio Sam.

                • Israel está surrando os prepostos da sua teocracia de estimação na Síria sem precisar dos EUA.

                  Outra bola fora sua Xings!

                • Deixa de ser troll.

                  No fim se acabaram as discussões sobre a aviação, fica só esse mimimi ideológico.

        • Não bastasse a apologia histérica à ditaduras totalitárias e regimes fascistas você pelo visto tem um déficit sério em compreensão e interpretação de texto Xings! Ou seja, você também se mostra um legítimo filhote da "pátria educadora". Em momento algum eu afirmei que toda a ajuda volta para os EUA mas sim que tal ajuda além de ter finalidade geopolítica ( e que diga-se de passagem se justifica) também representa investimento indireto nas indústrias de defesa.

          A verdade é que longe de "enterrar" dinheiro a verdade é que o contribuinte norte-americano INVESTE em Israel. E os frutos (tecnológicos, financeiros e geopolíticos) são conhecidos por todos.

          Outra bola fora para a sua coleção Xings!

        • A diferença fulcral meu caro Xings é que enquanto o governo norte-americano tem retorno da ajuda militar enviada a Israel o Brasil, especificamente o BNDES, tomou calote dos bolivarianos e não teve retorno financeiro e geopolítico algum. Pelo contrário.

          • Cara, não adianta insistir, doutrinação vermelha regada a vodka, acaba provocando embotamento no "camarada/cumpanhero".

        • Estou vendo bilhões irem pelo ralo pagando pessoas que recebem acima do teto 'constitucional' e recebendo auxílios imorais. Muito mais dinheiro desperdiçado que qualquer 'Orcrim'.
          Além disso, como o País inteiro está assistindo, este papo furou e só criança da creche 'Arco-Íris' acredita ainda nisso..

          • Realmente, e em 13 anos de governo o PT não fez nada para resolver isso.

            Mas agora que eles saíram, existem várias projetos tramitando para resolver isso.

    • O governo americano dá suporte a vários países amigos de formas diferentes.

      Os F16 portugueses saíram todos de graça, como pagamento da base de Lajes ou como excedente.

      Agora, os portugueses modernizam e vendem os aparelhos.

      O governo colombiano recebe treinamento, informações e recursos na luta contra o narcotráfico.

    • O FMS é compra governo a governo e ajuda a fortalecer países amigos e alavancar as vendas americanas.

    • A ajuda a Israel é privilegiada nos moldes expostos pelo Tireless.

      As vantagens?

      Sai bem mais barato do que manter tropas no OM. TB evita o desgaste político.

      Os terroristas se escondem em escolas, hospitais… usando civis como escudos. Se os EUA agirem diretamente, qualquer fatalidade expõe a opinião pública.

      Os palestinos carregam corpos de um lugar para outro para fazer videos. Há encontraram a mesma pessoa morta em três bombardeios diferentes.

    • Os colegas levantaram várias questões acima muito importantes e eu vou levantar outra:
      – Você já viu o tamanho da comunidade judaica nos EUA? Amigo, além de numerosos há vários judeus muito bem sucedidos nos Estados Unidos. O laço EUA – Israel também é uma reflexo disso.
      Ah então você está dizendo que pelo fato dos judeus americanos serem pessoas influentes e ocuparem (muitos deles) os patamares mais altos da pirâmide econômica dos EUA os EUA "protegem" Israel? R: SIM, exatamente isso! E isso é errado? Não do meu ponto de vista! Do meu ponto de vista é benéfico para ambos os países. Israel é um dos mais importantes aliados dos EUA (junto com França e Reino Unido), agora o que eu acho curioso disso tudo não é Israel ser um aliado apenas, mas é um país que tem relações "peculiares" com a Rússia. Inclusive todo mundo aqui sabe que os Russos ganharam uma forcinha dos Israelenses para desenvolverem a eletrônica embarcada nos atuais aviões Russos. Aonde eu quero chegar: não se espante com a geopolítica, as relações bilaterais são complexas de serem entendidas.

      • Caro Jodreski,

        Corretíssimo.

        Em termos gerais, Israel é quem põe ordem, por dissuasão, no Oriente Médio e parte do norte da África — senão a região seria uma esculhambação fratricida, majoritariamente entre povos que juram ser de paz, mas que se enfrentam e se explodem sem receios…

        E para não ter que usar a solução derradeira (nuclear), toma-lhe armamento "convencional" e treinamento, do melhor que houver disponível e facilitado. E funciona.

        • Se matam há séculos. O conflito entre persas e árabes é milenar e anterior ao próprio islamismo.

  4. Isso quer dizer apenas que Israel de fato viu toda vantagem da tecnologia de baixa visibilidade à ponto de querer seu uso em outros vetores de sua força.

  5. IAF vai ser a 1ª usar o F-15SE; Korea do sul optou pelo F-35 a este e IAF sabe que F-35 não é de superioridade aérea. o resto é de suporte

  6. A ser pago com ajuda militar dos EUA… Assim fica fácil comprar o que quer !

    • Deve ficar mais caro em razão do custo de engenharia daquilo que for especificamente desenvolvido para Israel.

  7. Essa águia, apesar de estar sobrevivendo há várias décadas, deve transmitir muita segurança a qualquer força que esteja sob suas asas. Sou fã dessa obra de arte. Vida longa a esse pássaro!

Comments are closed.