Objetivo foi verificar o processo de seleção, formação e treinamento da aviação de caça da FAB. (Foto: Tenente Ranyer / ALA 10)

Uma comitiva formada por um oficial da Força Aérea Sueca (SwAF) e representantes da empresa sueca SAAB, fabricante dos caças F-39 Gripen, visitou, nesta terça-feira (14), o Esquadrão Joker (2°/5° GAV), sediado na Ala 10, em Parnamirim (RN). O objetivo foi conhecer o processo de seleção, formação e treinamento dos pilotos de caça da Força Aérea Brasileira (FAB) que, futuramente, passarão a operar o F-39.

Durante a visita, a comitiva pôde compreender a formação e seleção dos pilotos na Academia da Força Aérea (AFA), as etapas que os alunos são submetidos durante o Curso de Especialização Operacional na Aviação de Caça (CEO-CA), os processos estabelecidos para padronização da instrução, os níveis de aprendizagem e critérios de avaliação utilizados, bem como o caminho percorrido pelos novos pilotos de caça após a sua especialização.

Também acompanharam a visita um representante da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), órgão da FAB responsável por projetos de aquisição e modernização de aeronaves, e o Tenente-Coronel Maurício José de Oliveira Côrte Real, Presidente do Grupo Fox, equipe dedicada à gerência operacional do projeto Gripen. O Tenente-Coronel explicou que o Grupo Fox atualmente trabalha na proposta do curso que os pilotos brasileiros do F-39 realizarão na Suécia e o intercâmbio é essencial para esse objetivo.

“É importante que a comitiva tenha o conhecimento de como é realizada a formação básica dos nossos pilotos de caça e quais as capacidades dos pilotos selecionados pela FAB para voar o F-39. Dessa forma, compreender as diferenças na formação dos pilotos de caça entre os dois países e realizar as adequações pertinentes para que nossas necessidades sejam atendidas”, completou o Tenente-Coronel Côrte Real.

De acordo com o Major Richard Carlqvist, da SwAF, a visita cumpriu seu objetivo no sentido de entender como funciona a seleção dos pilotos de caça desde o começo até o final da carreira, e que isso vai ser importante para interação entre os países durante a implantação do Gripen NG aqui no Brasil. “Compreendemos que a formação dos pilotos de caça brasileiros é de excelência e que vamos receber pilotos do mais alto nível no nosso Esquadrão”, afirmou o Major.

Para o Comandante do 2°/5° GAV, Tenente-Coronel Leandro Barbosa Ferreira Pinto, é essencial que a unidade aérea esteja atualizada com as novas demandas da aviação de caça de maneira que possa entregar para a FAB pilotos cada vez mais capacitados para operar máquinas cada vez mais modernas. “ A finalidade é dar o suporte básico para que os pilotos estejam prontos para os desafios futuros da ‘primeira linha’ em aeronaves de alto desempenho e de última geração, que é o caso do F-39”, concluiu.


Fonte: 2°/5° GAV, por Tenente Ranyer – Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Adauto Fraga – Fotos: Tenente Ranyer / ALA 10

Anúncios