DF NORTHKOREA 1 KoreanCentralNewsAgency - Como a Coreia do Norte conseguiu desenvolver seus mísseis tão rapidamente?O rápido desenvolvimento da Coréia do Norte de um míssil balístico intercontinental, capaz de atingir Chicago, levanta uma questão que os analistas em defesa tentam responder: “Como uma das nações mais pobres do mundo avançou da primeira detonação nuclear em 2006 para o voo de um ICBM“? EUA e URSS levaram anos para conseguir tal capacidade.

Militares dos EUA dizem que, apesar da retórica acalorada e ameaças do líder norte-coreano, Guam, Havaí e os continentes dos EUA são bem defendidos pelos navios Aegis e as baterias THAADs, bem como por mísseis anti-mísseis exoatmosféricos baseados em silos no Alasca e na Califórnia.

Os líderes militares dos EUA dizem que, apesar dos planos de guerra serem elaborados, não há “boas opções” para lidar com a Coréia do Norte, e a diplomacia deve assumir a liderança por enquanto. Mas, se não for controlada, a ameaça de mísseis crescerá com o passar do tempo.

Uzi Rubin, que anteriormente liderou a Organização de Defesa de Míssil de Israel (Israel’s Missile Defense Organization – MDO) e fundou o programa de mísseis Arrow, pergunta se a Coréia do Norte está recebendo financiamento externo ou está apoiando seu programa de mísseis repassando tecnologias militares ou nucleares de alto valor para o exterior, com o Irã sendo um provável candidato. O regime norte-coreano poderia simplesmente estar despejando todos os seus recursos no míssil nuclear e canibalizando recursos de outros projetos civis ou militares.

Nos últimos anos, o desenvolvimento de mísseis tornou-se uma prioridade nacional, considerada crítica para a sobrevivência do regime.

Pyongyang provou repetidamente aos céticos que seu programa de mísseis era capaz ao desenvolver e demonstrar várias novas tecnologias, sendo o mais difícil um míssil balístico lançado por submarino”, disse Rubin.

DF NORTHKOREA 2 KoreanCentralNewsAgency - Como a Coreia do Norte conseguiu desenvolver seus mísseis tão rapidamente?O estado comunista passou de mero consumidor de restos da tecnologia soviética desenvolvida durante a Guerra Fria para o desenvolvimento independente de foguetes. O país apenas aparece em imagens de satélite noturnas, mas pode desenvolver seus próprios motores de foguete e lançar satélites no Espaço, e realizou cinco testes nucleares subterrâneos. A Coréia do Norte também possui mísseis anti-balísticos. E apesar de anos de sanções incapacitantes, todos esses programas continuam inabaláveis.

Como eles são financiados? Eles devem ter algo que os subsidia. Talvez eles estejam exportando algo de alto valor“, pergunta Rubin, que lembra que a população de 25 milhões de pessoas e a economia da Coréia do Norte estão essencialmente estagnada ao longo dos últimos 25 anos, com seu PIB crescendo apenas 22% durante todo esse tempo, ou seja, US$ 28 bilhões.

Ao sul do paralelo 38, a população da Coréia do Sul é de 51 milhões e o PIB do país está em US$ 1,4 trilhão.

O parceiro comercial mais próximo da Coréia do Norte é a China, mas os EUA confirmam o comércio com outras nações, especificamente o Irã. Pyongyang anteriormente ajudou a Síria a criar um reator nuclear, que teria sido destruído em um ataque aéreo israelense em setembro de 2007.

Rubin sugere que a economia da Coréia do Norte também poderia estar melhor do que anunciada, com algumas lojas em Pyongyang agora vendendo mercadorias de luxo contrabandeadas para o país. Para Rubin Kim Jong-un está no comando de uma “incrível variedade de mísseis. Eles avançaram a uma velocidade incrível“, observa Rubin. “Alguém está com pressa. Por quê? Qual é o prazo para?

A Coréia do Norte revelou 14 diferentes modelos de mísseis e 10 delas foram demonstradas em testes de voo registrados. Pyongyang derrubou por terra muitos especialistas que afirmavam que tudo não passava de mero photoshop. “Quase tudo voou na frente da câmera. Estes não eram Photoshop ou adereços de palco; Estes eram novos mísseis“.

O regime lançou imagens de seu míssil balístico lançado por submarino, o Bukgeukseong-1 (KN-11), um foguete de combustível sólido. A nação apresentou quatro tipos de ICBMs durante desfiles militares, duas variáveis de combustível líquido e duas de combustível sólido. No entanto, a primeira demonstração de vôo bem-sucedida em 4 de julho foi de um míssil diferente, um foguete de dois estágios, de combustível líquido. Rubin sugere que houve algum tipo de competição entre as agências de design de mísseis da Coréia do Norte, e nem todos os tipos de ICBM exibidos durante os desfiles irão chegar ao nível de teste de voo.

Mig 29 coreia do norte - Como a Coreia do Norte conseguiu desenvolver seus mísseis tão rapidamente?
Enquanto o regime foca seus esforços na tecnologia de mísseis, a Força Aérea do país tem na tecnologia soviética do MiG-29 a sua primeira linha de combate.

Estes mísseis podem em breve ser equipados com ogivas nucleares, ou podem já serem capazes de tal. A Coreia do Norte atualmente os arma com explosivos ou dispensadores de produtos químicos.

O jornal norte-americano Washington Post, citando fontes da inteligência dos EUA, informou que o regime possui entre 30 e 60 ogivas nucleares, incluindo uma versão miniaturizada leve e compacta o suficiente para caber em um IRBM ou ICBM.

O general da Força Aérea dos Estados Unidos, Paul Selva, disse que a Coréia do Norte tem demonstrado a tecnologia do foguete, mas ainda não demonstrou um veículo de reentrada funcional ou testou o míssil numa real trajetória balística. Também não está claro se o estado dominou o controle de orientação e estabilidade ou desenvolveu um veículo de reentrada robusto capaz de sobreviver ao retorno e as altas temperaturas causadas pela fricção com a atmosfera.

Os mísseis da Coréia do Norte voaram em uma trajetória de alto arco, para o leste e caindo no Mar do Japão. Pyongyang escolheu esta trajetória por algum motivo específico, já que poderia ter disparado facilmente esses mísseis diretamente ao sul para as Filipinas sem sobrevoar o território de qualquer outro país.

Ele sugere que isso seria mais logisticamente difícil; Os militares precisariam implantar aeronaves instrumentadas e embarcarem ao longo da rota de voo para reunir dados de telemetria, e os EUA poderiam tentar recuperar o corpo do míssil para estudá-lo. Os tiros em arco alto em direção ao Japão são mais simples e provocadores, diz o General.

Este rápido ritmo de inovação pela Coreia do Norte ressalta a rapidez com que a tecnologia pode ser desenvolvida quando é uma prioridade nacional. De muitas maneiras, os programas nucleares e de mísseis de Pyongyang refletem os dos Estados Unidos e União Soviética durante os primeiros dias da Guerra Fria, há mais de sete décadas.

O primeiro ICBM operacional da América, o Atlas SM-65, falhou em 11 de 24 lançamentos, com o primeiro vôo bem sucedido ocorrido em dezembro de 1957, na terceira tentativa. Os EUA passaram do primeiro teste nuclear no Projeto Manhattan para seu primeiro foguete Atlas em 10 anos e 4 meses. A Coreia do Norte realizou seu primeiro teste nuclear subterrâneo em outubro de 2006 e disparou seu primeiro ICBM dez anos e oito meses depois.

kim - Como a Coreia do Norte conseguiu desenvolver seus mísseis tão rapidamente?O Tenente-General James Dickinson, chefe do Comando Estratégico dos EUA, disse que desde o começo de 2012, Kim Jong-un lançou mais de 80 mísseis, incluindo 15 este ano. Em comparação, seu pai, Kim Jong-il, lançou apenas 16 mísseis durante seu reinado. Seu avô, Kim Il-sung, ordenou 15 lançamentos de mísseis entre o início do programa de mísseis balísticos da Coréia do Norte em 1984 até sua morte em 1994.

Dickinson diz que os principais rivais dos EUA, especialmente a China e o Irã, estão investindo pesadamente em mísseis balísticos e de cruzeiro de alcance intermediário, porque essas armas representam a maior ameaça assimétrica para as forças norte-americanas e seus aliados. As nações rivais não fazem parte dos tratados nucleares entre os EUA e a Rússia de 1987.

O general John Hyten disse que os EUA poderiam tirar uma lição ou duas da Coréia do Norte sobre como “avançar” no desenvolvimento de armas. Ele está preocupado com o envelhecimento do arsenal nuclear dos EUA, que está pelo menos um ciclo de modernização atrás da Rússia e da China.

O general de quatro estrelas diz que os militares dos EUA estão sendo superados e não estão inovando o suficiente. O desenvolvimento de novos sistemas de armas hoje custa muito e leva muito mais tempo do que durante a Guerra Fria e a Corrida Espacial.

Hyten se pergunta quando os EUA deixaram de arriscar na busca de novas tecnologias e por que alguns programas críticos apenas realizam testes de vôo a cada 18 meses ou mais. Ele diz que o governo dos EUA e os legisladores parecem esperar que todos os exames sejam perfeitos, caso contrário, os programas devem estar sujeitos a um intenso escrutínio. No entanto, as lições mais valiosas geralmente ocorrem quando as coisas não saem como o planejado.

Nós temos um relacionamento insalubre com o fracasso“, diz Hyten.

Kim Jong-un, entretanto, está disposto a falhar e tentar novamente até conseguir. “Ele aprendeu a correr rápido“, diz Hyten. O general contrastou o rápido ritmo de desenvolvimento dos rivais dos EUA com o próprio plano de modernização do ICBM dos Estados Unidos.

war - Como a Coreia do Norte conseguiu desenvolver seus mísseis tão rapidamente?O programa de dissuasão estratégica terrestre de próxima geração fornecerá apenas 400 mísseis operacionais, deverá custar cerca de US$ 84 bilhões e não atingirá o pleno prazo até meados da década de 2030. “O sucesso futuro exige a mesma velocidade, tolerância ao risco e fome histórica, como durante a Corrida Espacial“, diz Hyten. “Nossos predecessores fizeram isso, e nós também podemos“.


FONTE: Aviation Week

Anúncios

7 COMENTÁRIOS

  1. Há reportagens na internet de que esse rapido desenvolvimento tenha vindo com auxilio da uma empresa Ucraniana ou de funcionários da mesma. O governo Ucraniano nega, mas qdo vc lembra que o atual presidente Ucraniano chegou lá com a ajuda de Obama e Merkel, onde o primeiro sempre foi "cego" a todo desenvolvimento nuclear da Coreia do Norte, não é de se duvidar que isso seja real.

  2. O mundo hoje é bem diferente daquele da decada de 60 , computadores e outras facilidades tornam o desenvolvimento de novas tecnologias algo muito mais rapido . Se uma nação hoje investe pesado em P&D consegue sim obter resultados no curto e medio prazo ….
    O mesmo vale para o enriquecimento de uranio , na decada de 50 com a tecnologia disponivel na epoca era como bruxaria mas hoje é algo perfeitamento possivel com os recursos certos .

  3. O primeiro teste do Projeto Manhattan, e por consequência a primeira explosão nuclear da história, ocorreu em 16 de julho de 1945. Então entre o primeiro teste americano e o primeiro ICBM são 12 anos e 5 meses, não 10 anos e 4 meses como diz o texto.

    Sobre os mísseis norte coreanos, esses também são o produto de engenharia reversa, com um pouco de ajuda soviética durante a guerra fria e uma assistência chinesa recente. No final das contas a física é a mesma pra todo mundo.

    • Com a diferença que "ciência de foguetes " na década de 50 era uma novidade para todo o mundo, hoje tem muito mais informações circulando por ai, cientistas de várias nações ja dominam o assunto etc.
      Por exemplo, por meio da internet hackers da CN poderiam invadir computadores de empresas na Ucrânia e la obter as informações necessárias para o desenvolvimento destes…

      • Sim, sem dúvida são tempos diferentes e não é possível fazer uma comparação apropriada. Pra se ter uma idéia, o foguete Atlas, o primeiro ICBM americano, com sua taxa de sucesso de apenas 54%, foi usada pra botar em órbita os astronautas do Projeto Mercury! Esse é o preço do pioneirismo e poucos podem pagar.

  4. E que tal "se o programa espacial americano teve uma ajudinha da antiga Iugoslávia?" Alguém já assistiu a esse "Documentário", "Houston, estamos com um problema"? Assisti esta semana e é perturbador nós falarmos que a CN faz espionagem para aquisição de certas tecnologias, quando os EUA o faziam assim na década de 60. http://www.mexidodigital.com.br/2017/08/filme-da-

Comments are closed.