A companhia aérea Volotea, da Espanha, uniu forças para ajudar a startup espanhola Dante Aeronautical no desenvolvimento de uma aeronave híbrida-elétrica.

O objetivo da aeronave é conectar cidades remotas a pequenos aeroportos onde os jatos tradicionais não conseguem pousar ou não têm custo de operação.

A operadora espanhola de baixo custo fornecerá dados e suporte técnico para Dante Aeronautical.

O novo avião, com capacidade para 19 a 35 passageiros, será inicialmente alimentado por um motor híbrido-elétrico e substituído, no futuro, por um motor totalmente alimentado por eletricidade.

A Dante Aeronautical diz que um design híbrido a princípio é realista para obter emissões reduzidas no curto prazo. Deve ser usada em rotas de demanda muito baixa e requer 50% menos combustível do que as aeronaves atuais.

Os objetivos ecológicos do setor, como a redução das emissões de CO2 em 50% até 2050 (comparados aos níveis de 2005) preconizados pela IATA, só podem ser alcançados com uma mudança radical. A introdução de tecnologias alternativas aos motores e hélices turbo tradicionais é essencial para esse fim.

“Como parte de nossa política de eco-sustentabilidade, a Volotea colaborará ativamente com a DANTE Aeronautical no desenvolvimento desta aeronave híbrida-elétrica, a fim de apoiar a redução de emissões e poluição sonora devido às operações de vôo. A Volotea fornecerá à DANTE análises de mercado e dados técnicos. Os engenheiros e especialistas em negócios da Volotea foram encarregados de avaliar essa oportunidade de mercado e, ao mesmo tempo, fornecer suporte técnico”, disse Carlos Muñoz, presidente e fundador da Volotea.

A empresa também colabora com institutos de pesquisa como o Instituto de Empresas na Espanha, a ALTRAN na Europa, a Universidade de Sydney e a Universidade de Adelaide na Austrália.

Após o lançamento da fase de projeto, a empresa fabricará um protótipo em escala para testar o conceito de aeronave.

A D?NTE é uma start-up do setor aeroespacial, presente na Espanha e na Austrália, criada para inovar o setor de aeronaves, graças à integração de tecnologias avançadas de fabricação e plantas aerodinâmicas movidas a eletricidade.

Após concluir com êxito esta primeira fase, a DANTE entrará no projeto e na produção detalhados de um protótipo de escala que passará por testes de vôo antes de sua industrialização completa e futura comercialização. A Volotea e a DANTE esperam que suas aeronaves híbridas sejam uma realidade comercial em meados da próxima década.

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Enquanto não equacionarem o problema do oeso do sistema híbrido elétrico, fica dificil vibializar esse tipo de aeronave. A não ser para carregar vento. Além do que devem existir normas para translado e reserva de potência para a eventualidade de uma falta de teto para pouso.