Uma aeronave Embraer 195 será mantida com a cauda no padrão da Trip e a marca da Azul na fuselagem, como na montagem acima. (Foto: Juliano Damásio / Cavok)

A companhia resultante da união entre a Azul Linhas Aéreas e a Trip Linhas Aéreas, após aprovação das autoridades governamentais, já tem uma nova marca definida: Azul. Pesquisas encomendadas pelas empresas apontaram que a Azul detém hoje uma marca com maior presença e, portanto, com maior conhecimento no Brasil e no mundo. Para simbolizar a união entre as duas companhias, uma nova identidade visual foi criada, trazendo elementos da Trip que preservam o legado desta marca no novo logotipo. Confira abaixo detalhes do novo padrão de identidade visual da Azul após a fusão com a Trip.

Para David Neeleman, CEO e presidente do Conselho da Azul Linhas Aéreas, escolher entre os dois nomes foi uma decisão difícil, pois as duas aéreas souberam construir suas imagens de forma primorosa nos últimos anos. “Esse é o resultado esperado quando o discurso está alinhado com a prática. Ambas as companhias foram hábeis nessa relação e por isso construíram marcas que comunicam os atributos a ela desejados. Logo, a dificuldade de optarmos por uma”, conclui Neeleman.

Já foram definidas todas as pinturas e marcas das aeronaves e até mesmo dos uniformes após a fusão.

“Estou contente com a definição e adoção de uma marca unificada. Isto nos tornará muito fortes, maximizará nossos investimentos, e acima de tudo representará um legado unificado” diz José Mário Caprioli, presidente da Trip Linhas Aéreas.

O logotipo da Azul passará por modificações. A letra “U” na palavra “Azul” passa a ser grafada em tons contrastantes com as letras “A”, “Z” e “L”, de forma a evocar a logotipia atual da Trip, onde a letra “I” é grafada em tonalidades distintas das letras “T”, R” e “P”. Além de remeter ao logo da Trip, a letra “U” destacada em outra tonalidade simboliza a “união” das duas companhias em torno do objetivo de ser a companhia número 1 na escolha dos Clientes. Há ainda outra mudança: as expressões “Linhas Aéreas Brasileiras” e “Brazilian Airlines”, que hoje fazem parte da marca, deixam de existir, uma vez que a empresa já se consolidou como uma companhia aérea e brasileira.

As duas empresas manterão suas marcas por mais algum tempo, porém, passam a incorporar uma assinatura e um selo alusivo ao momento de integração nas aeronaves, cujo tema é “Azul e Trip: juntas pelo Brasil.” Os novos aviões, encomendados pelas duas aéreas, já sairão de fábrica ostentando a nova identidade unificada. Quanto aos aviões já existentes nas malhas das empresas, esses receberão gradativamente a nova identidade unificada quando do cumprimento dos trabalhos de manutenção e repintura, programados para acontecer ao longo dos próximos anos. A expectativa é de que em dois anos toda a frota esteja sob a nova marca.

Algumas ações serão feitas em homenagem às empresas, com o objetivo de que suas atuais marcas sejam lembradas após o surgimento da nova companhia. Como já é tradição da Azul “batizar” suas aeronaves, todos os aviões da Trip ganharão “padrinhos e madrinhas”, que darão nomes aos aviões, e terão uma faixa na cor prata, elemento presente na identidade atual da empresa. Além disso, um Embraer e um ATR da Trip serão mantidos com as pinturas atuais, para todo o sempre. Por fim, um Embraer 195 ganhará uma pintura especial tendo como base a cor prata, presente na identidade da Trip, simbolizando a união das duas empresas.

Em relação aos uniformes, as companhias entendem que esses continuam representando-as muito bem, além de serem bem avaliados por aqueles que os vestem. Assim, para deixar clara a mensagem de união, as companhias resolveram adotar os uniformes hoje utilizados por cada um em diferentes áreas. Dessa forma, os técnicos de manutenção de ambas as empresas passarão a utilizar os uniformes hoje empregados pela Azultec, a divisão de manutenção da Azul. Em contrapartida, toda a equipe de solo, das duas empresas, passarão a vestir o uniforme recentemente desenvolvido para a Trip pela estilista Teresa Santos, que será responsável também por criar um novo uniforme para os comissários na nova companhia. A unidade de cargas, a Azul Cargo, manterá o seu atual traje, com a mudança da marca. O uniforme para pilotos ainda está em definição.

As companhias passam a adotar as cores “azul médio” (no jargão interno, o “azul Trip”) como cor de suporte, assim como o uso pontual da cor cinza-prateado, outra referência direta à identidade atual da Trip. Assim, este novo padrão será gradativamente aplicado a veículos, equipamentos de apoio em solo, edifícios, balcões de aeroportos, materiais impressos e peças promocionais, sempre de acordo com o cronograma estipulado pelas autoridades governamentais.

O trabalho de implantação de uma única identidade corporativa para as duas companhias encontra-se em fase de preparação e desenvolvimento de sua normatização para eventual aplicação. Quando da aprovação do acordo pelas autoridades, ele será gradativamente adotado em todas as aplicações da marca.

A marca Trip deixará de existir após a fusão com a Azul.

Quando duas empresas de tão expressivo sucesso se unem, uma das primeiras perguntas é sempre em relação a qual marca sobreviverá. Neste caso, se pelo resultado, a marca apontada foi a Azul, isto não necessariamente significava que a imagem da Trip irá desaparecer. “Nossa intenção foi a de promover a continuidade do incrível legado que ambas as companhias aportam. Ainda que jovens – a Trip tem somente 14 anos e a Azul menos de quatro anos de idade – trabalhamos para que as duas marcas fossem promovidas e lembradas, com a inclusão de elementos das duas em todo o trabalho de identidade visual nesta nova fase de unificação das companhias” afirma Gianfranco Beting, diretor de Comunicação, Marca e Produto da Azul.

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras e a TRIP linhas Aéreas anunciaram uma acordo de associação em 28 de maio de 2012. Se aprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômico (Cade) e pela Agência Nacional de Aviação Civíl (Anac), as empresas passarão a operar sob a holding Azul Trip S/A. Essa associação resultará em uma das companhias aéreas mais competitivas do País, somando cerca de 800 voos diários, 249 mercados atendidos e 99 destinos. A qualidade dos serviços de ambas as companhias já foi atestada por inúmeros prêmios, nacionais e internacionais. Entre eles, Azul e TRIP foram eleitas pela Skytrax World AirlineAwards 2012 como bicampeãs nas categorias “Melhor companhia aérea low-cost da América Latina” e “Melhor Companhia Aérea Regional da América do Sul”, respectivamente.

Enhanced by Zemanta
Anúncios

7 COMENTÁRIOS

  1. Bilhete à R$ 90,00, nunca mais. Thanks Azul. Essa concorrência aqui em brasilis é brincadeira.

  2. A saída é a fusão mesmo, porque se não se fortalecer as estrangeiras vão tomar conta. Com relação ao nome eu preferia o nome que um colega aqui do blog sugeriu Tripazul,kkk

  3. Por mim, essa Azul do gringo-paulista David Neeleman seria 1/3 do mercado — para brigar de faca com os chilenos da Latam e os lambões da Gol/Varig…

  4. E com isso a concorrência vai acabando….e as panelinhas vão formando…

    • Se a margem de lucro na industria de automóvel é mais de 100% em relação ao mundo, o lucro operacional das nossas empresas tem que ser maior que isso senão os senhores de engenho quebram, simplesmente porque eles não sabem o que é concorrencia.

  5. Mas Tripazul seria perfeito!!! Gostei do padrão de cores, porém não ficou muito inovador!

Comments are closed.