No início do programa A400M, a Espanha encomendou 27 aviões de transporte aéreo A400M, mas como sua exigência foi agora reduzida para 14, obteve o acordo de outros parceiros para vender os excedentes. A Coreia do Sul pode se tornar o primeiro comprador. (Foto: EdA)

A Coreia do Sul e a Espanha estão em negociações para realizar uma reunião conjunta para um possível acordo de troca envolvendo jatos de treinamento e aviões de transporte militar este mês, informou a mídia local, no domingo.

De acordo com fontes do governo, no domingo, as autoridades estão próximas de realizar uma reunião conjunta planejada do comitê de defesa militar entre as forças de defesa da Coreia e da Espanha, em Madri, em meados deste mês.

As fontes disseram que a agenda não está finalizada, mas existe a possibilidade de que ela seja decidida mais cedo e que seu cronograma seja finalizado até esta semana.

Autoridades militares e da indústria de defesa dizem que o assunto provavelmente será um acordo de troca entre os dois países para aviões de treinamento e de transporte.

A Korea Aerospace Industries (KAI), a maior empresa de defesa privada do país, está concorrendo com uma empresa suíça para obter um acordo para fornecer jatos de treinamento para as forças aéreas da Espanha. A Força Aérea Coreana, por sua vez, sabe-se que considera adquirir o Airbus A400M da Espanha ou o Boeing C-17 dos EUA como seu futuro avião de carga.

Treinador KT-1 Woongbi.

A Espanha espera vender de quatro a seis aeronaves Airbus A400M para a Coreia, enquanto deve comprar em troca de cerca de 30 aeronaves turboélices de treinamento básico KT-1 e 20 jatos de treinamento avançado T-50 da Coreia.

O acordo, no valor de 2 trilhões de wons (US$ 1,78 bilhão), inclui aviões de treinamento, munições militares adicionais e equipamentos terrestres.

Se isso acontecer, será a primeira vez que a Coreia exporta jatos locais para um país europeu, além de um avanço para a KAI, que recentemente não conseguiu fechar um acordo com a Força Aérea dos EUA.

Um consórcio da Lockheed Martin e da KAI perdeu uma oferta por um contrato de jatos da Força Aérea dos EUA devido a não alcançar um preço competitivo da sua concorrente Boeing.

A Força Aérea dos Estados Unidos disse que concedeu o contrato de Treinamento Avançado de Piloto (T-X) de US$ 9,2 bilhões a um consórcio liderado pela Boeing e pela Saab. O consórcio Lockheed-KAI apresentou sua proposta final com o jato de treinamento T-50A no valor de US$ 19,7 bilhões.

As fontes disseram que a Espanha está disposta a oferecer um desconto de 15% sobre o preço do A400M, que custa cerca de 300 bilhões de won por avião.

Em janeiro, o ministro da Defesa da Espanha visitou a Coreia e conversou com o então ministro da Defesa coreano, Song Young-moo, concordando com a cooperação bilateral, realizando reuniões regulares do comitê. Song pediu ao governo espanhol que comprasse os turboélices KAI KT-1.


Fonte: Korea Times

4 COMENTÁRIOS

  1. Poxa
    O avião coreano iria sair só o dobro do da Boeing?
    Eu li correto?

    Ou a Boeing jogou o preço lá embaixo a preço de custo para ganhar o maior cliente de compras militares do mundo (USAF/Navy/Marines) para depois lucrar com FMS?

  2. Esse A-400 já é um mico monstruoso, com custos de desenvolvimento e produção pra lá estourados, mas no futuro será um pesadelo para seus usuários. Imagine só, aqueles motores que só ele usa! Produzidos em pequenas quantidades, quando a aeronave chegar na sua meia vida será uma maravilha de custos de manutenção. Esperta foi a Embraer, que escolheu uma versão militarizada de um dos motores comerciais mais utilizados do mundo!

  3. Cada um deve saber o terreno minado que pisa.

    Se o acordo sair e gerar empregos de fabricação nos dois lados, será momentaneamente bom… Mas só funcionará se a mesma geração de empregos garantir (hahahá) peças por três décadas, de ambos os lados (e a KAI não é a Lockheed)…

    Já os operadores do C-160 Transall acham que darão conta de novo, que a situação é diferente, e tal…

Comments are closed.