O governo dos Emirados Árabes Unidos suspendeu temporariamente vistos na chegada a partir de 19 de março. A medida inclui entrada suspensa para portadores de vistos válidos.

Uma das maiores companhias aéreas do mundo, a Emirates Airlines, depois de muito aguardar tomou a decisão de suspender todas as suas operações de passageiros a partir de quarta-feira, 25 de março, em resposta à evolução mais recente do surto de COVID-19 em todo o mundo.

A Emirates está tomando medidas que vão além dos requisitos regulamentares para garantir a saúde e o conforto de seus clientes.

“Hoje, tomamos a dolorosa e pragmática decisão comercial de suspender temporariamente a maioria dos voos de passageiros a partir de quarta-feira, 25 de março de 2020…” informou a empresa em comunicado oficial.

A pandemia em curso do COVID-19 resultou em uma demanda global de viagens significativamente reduzida, acelerada pelo fechamento de fronteiras, proibições de viagens e bloqueios de países.

A companhia aérea tem como objetivo manter voos de passageiros pelo tempo que for possível para ajudar os viajantes a voltar para casa em meio a um número crescente de proibições, restrições e bloqueios de países em todo o mundo.

A empresa continuará com as operações da Emirates SkyCargo para manter ligações vitais de carga aérea internacional para economias e comunidades em todo o globo, implantando sua frota de 777 cargueiros para o transporte de bens essenciais, incluindo suprimentos médicos em todo o mundo.

Medidas de redução de custos

O Emirates Group adotou uma série de medidas para conter custos, pois as perspectivas para a demanda de viagens permanecem fracas nos mercados no curto e no médio prazo. Isso inclui:

• Adiar ou cancelar despesas discricionárias
• Um congelamento de todo o trabalho não essencial de recrutamento e consultoria
• Trabalhar com fornecedores para encontrar economia e eficiência de custos
• Incentivar os funcionários a tirar férias pagas ou não, tendo em vista a capacidade de voo reduzida
• Redução temporária do salário básico para a maioria dos funcionários do Grupo Emirates por três meses, variando de 25% a 50%. Os funcionários continuarão a receber seus outros subsídios durante esse período. Os funcionários de nível júnior estarão isentos da redução salarial básica
• Os presidentes da Emirates e da dnata – Sir Tim Clark e Gary Chapman – terão um corte salarial básico de 100% por três meses

Restrições de viagem e imigração 

Vários países impuseram restrições de viagem e imigração devido ao COVID-19. Todos os clientes deverão verificar os avisos de viagem relevantes de e para os países aos quais estão viajando. Essa é uma situação dinâmica e é de responsabilidade do cliente garantir que não haja restrições de entrada em seu destino de viagem.

Em declaração a empresa garantiu que está “comprometida em preservar e garantir os empregos de todos os funcionários do Grupo Emirates neste momento difícil; evitando cortes de empregos”.

O governo dos Emirados Árabes Unidos suspendeu temporariamente vistos na chegada a partir de 19 de março. A medida inclui entrada suspensa para portadores de vistos válidos.

“Lamentamos profundamente os nossos clientes pelas interrupções de viagem e pelos inconvenientes causados. Estamos comprometidos em minimizar o impacto no cliente. Continuaremos acompanhando de perto a situação e restabeleceremos nossos serviços de passageiros, assim que as condições permitirem” complementaram no comunicado divulgado nesta tarde.

O presidente do Grupo Emirates, o xeique Ahmed bin Saeed Al Maktoum disse que a situação é “uma crise sem precedentes”. Segundo Al Maktoum, a companhia estava indo bem no começo do ano, mas o vírus “trouxe tudo isso a uma repentina e dolorosa parada nas últimas seis semanas”.

Anúncios