Concepção artística do Airbus A220-300 nas cores da Delta Air Lines. (Foto: Fixion / Airbus)

A Delta Air Lines encomendou 15 aeronaves A220 adicionais, elevando para 90 o total de aeronaves da nova geração, altamente eficientes em termos de combustível, que a segunda maior companhia aérea do mundo encomendou. Os pedidos adicionais são os primeiros da companhia aérea para o modelo -300. 

A Delta também converteu pedidos anteriores de A220 para o maior A220-300, elevando para 50 o número de pedidos do A220-300.

“Essas aeronaves A220 adicionais continuarão a permitir que a Delta atualize estrategicamente nossa frota, impulsione mais avanços na experiência do cliente e sirva como um excelente investimento para nossos clientes, funcionários e acionistas para a Delta na próxima década”, disse Gil West, Diretor de Operações da Delta. “Estamos ansiosos para receber nosso primeiro A220-300 em 2020 na instalação de montagem da Airbus em Mobile, Alabama.”

A Delta fez o pedido inicial para 75 aeronaves em 2016. A Airbus produzirá os A220-300s em uma nova instalação de montagem nos EUA em Mobile, Alabama. A construção da fábrica, a ser localizada adjacente à instalação de montagem existente da Airbus A320, começará no final de janeiro.

“A Delta sempre foi profundamente focada na experiência do passageiro, e o A220 se encaixa perfeitamente com essa filosofia”, disse Christian Scherer, diretor comercial da Airbus. “Você só precisa dar uma olhada na cabine da Delta no A220 para ver se está definindo um novo padrão em voos de curta distância. O A220 proporcionará aos passageiros um nível de conforto e conveniência que faz do voo um prazer novamente, ao mesmo tempo em que atende aos altos padrões da Delta em termos de eficiência e confiabilidade.”

Voo inaugural do primeiro Airbus A220-100 da Delta Air Lines. (Foto: Peter Ryaux-Larsen / Airbus)

A A220 é a única aeronave projetada para o mercado de 100-150 lugares. Ele oferece eficiência de combustível imbatível e conforto widebody verdadeiro em uma aeronave de corredor único. O A220 reúne a aerodinâmica de última geração, materiais avançados e os turbofan de última geração da PW1500G da Pratt & Whitney para oferecer pelo menos 20 por cento menos queima de combustível por assento em comparação com as aeronaves da geração anterior. Com um alcance de até 3.200 nm (5.920 km), o A220 oferece o desempenho de aeronaves de corredor único maiores.

Com uma carteira de encomendas de mais de 500 aviões até à data, o A220 tem todas as credenciais para ganhar grande parte do mercado de aeronaves de 100 a 150 assentos, estimado para representar pelo menos 7.000 aeronaves nos próximos 20 anos.

13 COMENTÁRIOS

  1. Vamos aos números

    15 x -US$ 14 milhões = – US$ 210 milhões a serem descontados do lucro da Airbus ao final.

    Não queria ser nessa hora um pretenso "descendente de canadenses"…rs!

    • O importante é encher a carteira de pedidos.

      Os estaleiros do Rio faliram com bilhões em encomendas.

  2. A aeronave está provando ser muito melhor que todas as expectativas iniciais. É realmente o melhor lançamento de aeronave de corredor único desde a chegada do Airbus A320 há 32 anos. Definitivamente o A319-NEO e o B737 MAX-7 não podem competir nesse segmento, aprimorado em qualidade pelo Airbus/Bombardier A220.
    O A319-NEO só vendeu até hoje 53 unidades, e apenas 80 A318-Ceo foram produzidos. A previsão inicial desse mercado de até 150 lugares era de 6.800 aeronaves pela Bombardier, já a Embraer previa 4.120 unidade.
    A Airbus está de parabéns ao ultrapassar rapidamente a marca de 500 aeronaves comercializadas! Com absoluta certeza foi um grande negócio para a Airbus incorporar o A220 em seu portfólio, aeronave muito mais adequada e competitiva que seus atuais irmãos A318 e A319-Neo. O mercado já está sinalizando que o Airbus A220 é ótimo e veio para ficar, e que irá compartilhar um bom e rentável lucro para as empresas aéreas. Saudações,

    • A cada A220 vendido a Airbus perde US$ 14 milhões. Não há como ser um grande negócio ainda mais quando canibaliza um produto da própria empresa…

    • Exatamente .
      Ao que parece, a Airbus está melhor situada nas classes A-300 e A200.
      A carteira de pedidos demonstra isso.

      • Os números mostram um prejuízo de US$ 14 milhões por aeronave…..

        Aceite Xings

    • A única razão para estar vendendo e que a Airbus esta dando um super desconto no preço nas negociações. Li que o pedido da JetBlue teve um desconto próximo de 40% sobre o preço de tabela. Se o A220 e tão competitivo assim, pq antes da fusão com a AirBus as vendas eram irrisórias??? Pq a divisão da Bombardier foi vendida (dada) por meros $ 1,00??? A verdade e que ele não e tão revolucionario como quer crer a AirBus. A hora que os acionistas da AirBus analisarem o balanço e cobrarem lucros a magica vai acabar. Provavelmente o que a AirBus quer fazer e ter uma base solida de aeronaves num maior numero possível de clientes. Apos uma base consolidada eles vão cortar os descontos nas futuras aquisições. Como no calculo de aquisição de aeronaves envolve não somente a venda em si, mas peças de reposição, manutenção, treinamento tanto de pilotos como de pessoal em terra e outras coisas, a AirBus esta contando que os clientes não vão gostar mas no final vão continuar comprando os A220. Só esquecem que nenhum cliente gosta de empresas que colocam a faca nos seus pescoços. Boeing e Embraer vão se beneficiar muito no futuro dessa politica da AirBus, pode acreditar.

  3. O A220 vai indo bem, só o David Neeleman comprou 120 apesar de conhecer bem o Embraer.

      • Aí vc percebe que são menos 15 encomendas possíveis para a EMBRAER.
        No final, é isso que conta.

        • No final o que conta é que em cada avião vendido a EMBRAER ganha dinheiro ao passo que em cada A220 comercializado a Airbus perde US$ 14 milhões….

          Aceite Xings

          • Só que a EMBRAER quase não está vendendo .
            Vc não percebeu isso?

            • A "quase não está vendendo" da EMBRAER representa ao final lucro para a empresa….
              Já as mirradas vendas do A220 significam prejuízo ( – US$ 14 milhões por unidade) para a Airbus. Sei que esse fato é doloroso para pretensos "descendentes de canadenses" mas é um fato da vida, aceite…..

Comments are closed.