Uma válvula do colete anti-pressão do traje de voo dos pilotos do F-22 é a causa dos problemas relacionados com os sintomas de hipóxia sentidos por vários pilotos. (Foto: Jeremy Lock / U.S Air Force)

Os líderes da Força Aérea dos EUA acreditam que uma válvula defeituosa numa parte do traje de vôo causou vários incidentes previamente inexplicáveis de sintomas como hipóxia nos pilotos dos caças F-22 Raptor, e o secretário de Defesa, Leon Panetta, aprovou um plano para retirar progressivamente as restrições colocadas nas operações dos jatos em maio, disse nessa terça-feira o porta-voz do Pentágono George Little. O traje já estava sendo estudado desde junho.

“A Força Aérea dos EUA está confiante que a causa raiz do problema é o fornecimento de oxigênio para os pilotos, e não a qualidade do oxigênio fornecido aos pilotos”, disse Little.

Uma válvula no colete que os pilotos usam em grandes altitudes estava causando que o colete inflasse ou esvaziasse em momentos inapropriados, disse Little. Os coletes, que são necessários acima de 44.000 pés para proteger os pilotos em caso de descompressão rápida acidental do cockpit, tiveram o uso suspenso a nos voos de F-22 desde junho. As válvulas serão todas substituídas e então a Força Aérea irá informar Panetta sobre as modificações antes dos aviões voltarem as operações normais, disse ele.

A Força Aérea também irá aumentar o volume de ar aos pilotos obtido através da remoção de um filtro de carvão vegetal que havia sido instalado para determinar se o fornecimento de ar estava contaminado.

A Força Aérea dos EUA suspendeu os voos nos F-22 em maio passado, depois de pelo menos 14 incidentes em que os pilotos experimentaram sintomas que sugerem uma ausência de oxigênio – incluindo dores de cabeça, náuseas, fadiga e dificuldade de concentração. Em março, um painel consultivo da Força Aérea não pôde discernir a causa do problema, mas teve a forte sensação que o sistema de oxigênio era seguro.

Apesar das restrições de voo ainda permanecerem, um esquadrão de caças F-22 será deslocado para Base Aérea de Kadena, no Japão, nos próximos dias. (Foto: Master Sgt. Jeremy Lock / U.S. Air Force)

O Chefe do Estado-Maior da Força Aérea general Norton Schwartz disse que os recursos aéreos sem precedentes do F-22, incluindo sua capacidade de manobra extrema em altitude, deixou a Força Aérea desprevenida.

“Haviam aspectos nisso que, fisiologicamente para o aviador, não foram bem compreendidos”, disse ele, e mais tarde, acrescentando: “Nós deixamos passar alguma coisa.”

No dia 15 de maio, Panetta ordenou que a Força Aérea mantivesse todos os F-22 voando próximo das pistas de pouso em potencial para que eles fossem capazes de pousar rapidamente ao surgiram problemas.

A Força Aérea dos EUA ainda está trabalhando em algumas melhorias de segurança para o caça supersônico, incluindo um sensor de oxigênio instalado na cabine e um melhor sensor de oxigênio no piloto, mas outras mudanças, como uma melhor projetada alça para ativar o sistema de oxigênio de emergência, já foram concluídas.

Schwartz disse na terça-feira que as medidas de precaução, incluindo limites de altitude e os requisitos para que os F-22s fiquem mais próximos de bases, foram “minimizadas, talvez não eliminando os riscos, até que as modificações estejam no lugar.”

O processo para remover as restrições de voo começarão imediatamente, disse Little. Um esquadrão de caças supersônicos vai ser implantado na Base Aérea de Kadena no Japão “a qualquer momento”, embora os aviões estarem sob restrições de altitude e devam ficar próximo a bases durante a viagem, disse Little.

Enquanto alguns questionam o momento da implantação – em meio a protestos japoneses sobre a chegada do MV-22 Ospreys por lá – Schwartz disse que o movimento faz sentido.

“Há uma exigência operacional, e as aves estão prontas para ir”, disse ele.

Fonte: Stars and Stripes – Tradução: Cavok

Anúncios

21 COMENTÁRIOS

  1. Repito o que já disse, a máquina hierárquica DECIDIU que a culpa é do coletinho e ACABÔ a discussão. A máquina de bilhões de dólares e a infalível Lockheed Martin são ABSOLUTAMENTE inocentes…

    Pena que a desculpa não EXPLIQUE os reportes anteriores de HIPOXIA nas equipes de terra que apóiam o F-22, e que de uma hora para outra viraram peças de ficção que NUNCA existiram.

    Tomara que realmente a hipoxia dos mecânicos tenha sido mesmo uma espécie de histeria coletiva dos mecânicos simpáticos aos problemas de seus pilotos….

    PORQUE se o problema não for MESMO da tal da válvula do coletinho…

    A ÚLTIMA coisa do mundo que eu queria ser hoje é ser um piloto de F-22 e sentir de ter que reportar que estou com sintoma de hipoxia APESAR de estar com o coletinho novo e com válvula trocada no macacão de voo…

    TOMARA que seja só isso…

    SE NÃO….

    • Estava demorado…..mas eis que vem você Giba com esse velho discurso do "quanto pior para uzamericanú mau mior pá nóis!"…..descontado aquele profundo ressentimento de base terceiro mundista-bolivariana que faz sucesso entre os fervorosos adePTos do Foro de SP, não vejo razãoes para se duvidar do resultado da investigação. Como foi extensamente divulgado, e é louvável a transparência dada ao problema pela USAF, todas as possíveis causas do evento foram investigadas passando por contaminação oriunda do material RAM, problemas no OBGS e assim por diante. E sim meu caro Giba, me parece extremamente plausível que o problea tenha se originado sim em uma válvula defeituosa. Se você observasse mais atentamente a história da aviação, e menos a americanofobia histérica de cunho terceiro mundista bolivariana, saberia que o que ocorreu com o Raptor não foi a primeira vez na história. Como esquecer que os três acidentes seguidos com o COMET foram causados por fadiga estrutural decorrente do desenho das janelas. Ou então que os acidentes envolvendo o Electra foram causados por uma deficiência no reforço da junção asa-fuselagem? Ou o quase acidente envolvendo um Boeing 777 da British Airways em Heathrow, onde se investigou de combustível contaminado a outra causas quando, na verdade, o problema foi causado pelo mau projeto de uma peça que permitia que pequenos cristais de gelo interrompessem o fluxo de combustível para os motores RR Trent?

      Por fim, tenho certeza que com as modificações efetuadas poderemos ver os orgulhosos pilotos da USAF tripular seus magníficos Raptors para "jantar" alguns Rafales nos exercícios simulados…..e fique a vontade, o choro é livre…rs!

  2. Nao ha logica adentrar em um site aviadores e meter o pau,torcer para nao dar certo,somente porque senti odio do pais de origem destes passaros,nao que isto faria diferença,mas a insistencia em ideologias ja comprovadas ultrapassadas chega dar pena , odeiem os usamericanus,mas olhem com os olhos da evoluçao tecnologica seus avioes,idem para avioes russos e chineses !

  3. Hipoxia em mecanicos em terra ? como poderia ter ocorrido ? os caras trabalham em ambiente ,ou sera que e´necessario utilizar trajes especiais e o obs para apertar parafusos e trocar oleo ? Quase enguli a dentadura quando li esta ASNOeira .

Comments are closed.