O Ikhana realizou um voo no espaço aéreo dos EUA sem aeronave de escolta para auxiliar na detecção de outras aeronaves nas proximidades. (Foto: NASA/Carla Thomas)

A NASA anunciou com sucesso que voou seu drone Ikhana no espaço aéreo nacional dos EUA sem usar um avião de escolta por segurança. O objetivo do voo de teste realizado no dia 12 de junho de 2018 foi para determinar se uma aeronave não tripulada poderia operar com segurança dentro do espaço aéreo compartilhado por aeronaves comerciais e privadas.

O drone Ikhana é baseado na fuselagem do UCAV MQ-9 Predator, com uma envergadura de 20 metros. Preparado pelas equipes de manutenção da NASA no centro de voo Armstrong, o drone está equipado com um radar e vários sistemas para detectar e evitar colisões com outras aeronaves, que permitem ao drone transmitir sua posição e atingir o nível de consciência exigido pela FAA (Administração Federal de Aviação dos EUA), sem o uso de observadores terrestres ou um avião acompanhante para verificar as aeronaves ao redor.

A agência está estudando as aplicações que um drone pode ter no monitoramento de desastres naturais ou auxiliando nas operações de busca e salvamento.

“Este é um grande marco para a nossa integração de sistemas de aeronaves não tripuladas na equipe do projeto do Sistema Aéreo Nacional”, disse Ed Wagoner, diretor do programa da NASA, acrescentando que “trabalhamos em estreita colaboração com nossos colegas da Administração Federal de Aviação por vários meses para garantir que cumprimos todos os seus requisitos para que este voo inicial acontecesse”.

Centro de Controle de Voo do Ikhana. (Foto: NASA/Ken Ulbrich)

O voo foi realizado em torno da Base Aérea de Edwards, no Deserto de Mojave. O drone atingiu uma altitude de 6.100 metros (20 mil pés), onde outros aviões comerciais operam. Ele foi monitorado por dois centros de controle de tráfego aéreo (Los Angeles e Oakland), exigindo que o controle fosse transferido de um para o outro. Foi então testado a uma altitude de 1,8 km antes de retornar com sucesso à base no Centro de Pesquisa de Voo Armstrong, da Nasa, em Edwards, Califórnia.

Durante o voo, o Ikhana empregou um radar aerotransportado desenvolvido pela General Atomics Aeronautical Systems, um Sistema de Alerta de Tráfego e Prevenção de Colisão da Honeywell, um recurso de Transmissão de Vigilância Auto-dependente e outras tecnologias de detecção e prevenção.

O Ikhana faz parte da integração de sistemas de aeronaves não tripuladas da NASA no projeto do Sistema de Espaço Aéreo Nacional (UAV-NAS), que está trabalhando na integração segura de aeronaves pilotadas remotamente no mesmo espaço aéreo de aeronaves pilotadas por seres humanos.

1 COMENTÁRIO

  1. isso é uma avanço enorme. Drones vão poder operar em rotas comerciais

Comments are closed.