Todas companhias aéreas na Europa estão com as operações do 737 MAX 8 e 9 suspensas.

A agência reguladora de segurança da aviação da União Européia (EASA) suspendeu nesta terça-feira todos os voos do bloco operados com aeronaves Boeing 737 MAX e o senador americano que preside um painel que supervisiona a aviação sugeriu que os Estados Unidos tomem medidas similares após um acidente na Etiópia que matou 157 pessoas.

Grã-Bretanha, Alemanha e França juntaram-se a uma onda de suspensões da aeronave após o acidente de domingo e foram rapidamente seguidas por uma decisão semelhante da Índia, pressionando os Estados Unidos a seguirem o exemplo.

A Boeing, maior fabricante de aviões do mundo, que viu perder bilhões de dólares de valor de mercado após o acidente, disse que entendeu as ações dos países, mas manteve a “total confiança” no 737 MAX e tinha a segurança como prioridade.

Ela também disse que a Autoridade Federal de Aviação dos EUA (FAA) não exigiu nenhuma ação adicional relacionada às operações do 737 MAX.

A causa do acidente, que se seguiu a outro desastre com o 737 MAX, cinco meses atrás na Indonésia, que matou 189 pessoas, permanece desconhecida.

Ainda não há evidências se os dois acidentes estão ligados. Especialistas em aviões dizem que é cedo demais para especular sobre o motivo do acidente. A maioria é causada por uma cadeia única de fatores humanos e técnicos.

Em um movimento incomum, a Agência de Segurança da Aviação da Europa (EASA) disse que estava suspendendo todos os voos no bloco dos jatos 737 MAX 8 e 9 da Boeing.

“Com base em todas as informações disponíveis, a EASA considera que outras ações podem ser necessárias para garantir a aeronavegabilidade continuada dos dois modelos afetados”, disse o comunicado.

No entanto, evitou o passo ainda mais raro de obter a certificação de segurança para o avião, concentrando-se no processo mais suave de restringir seu uso pelas companhias aéreas. A mudança deixa margem para a FAA dos EUA decidir sua própria abordagem.

O voo ET 302 caiu em um campo logo após a decolagem de Addis Abeba. Pode levar semanas ou meses para identificar todas as vítimas, que incluem um autor premiado, um oficial de futebol e uma equipe de trabalhadores humanitários.

As ações da Boeing caíram 6,1 por cento na terça-feira, elevando as perdas para 11,15 por cento desde o acidente, a maior perda de dois dias das ações desde julho de 2009. A queda cortou US$ 26,65 bilhões do valor de mercado da Boeing.

Senado dos EUA acompanha o caso

Os Estados Unidos disseram que ainda é seguro pilotar os aviões, mas o senador norte-americano Ted Cruz, republicano que preside o subcomitê de aviação e espaço do Senado, disse na terça-feira que seria “prudente” que os EUA “temporariamente suspendessem os voos nas aeronaves 737 MAX até que a FAA confirme a segurança dessas aeronaves e seus passageiros.”

Cruz disse que pretende convocar uma audiência para investigar os acidentes.

Dois outros senadores, o republicano Mitt Romney e a democrata Elizabeth Warren, conclamaram a FAA a aterrar temporariamente o 737 MAX.

O presidente Donald Trump também se preocupou com o projeto moderno dos aviões.

“Os pilotos não são mais necessários, mas sim cientistas de computação do MIT”, Trump twittou, lamentando que os desenvolvedores de produtos sempre procurassem dar um passo desnecessário quando o “velho e simples” fosse mais importante.

“Eu não sei sobre você, mas eu não quero que Albert Einstein seja meu piloto. Eu quero ótimos profissionais de voo que possam facilmente e rapidamente assumir o controle de um avião!”, ele acrescentou.

Ele não se referiu à Boeing ou a acidentes recentes, mas seus comentários ecoaram um debate sobre automação que parcialmente está no centro de uma investigação sobre o acidente da Lion Air em outubro na Indonésia. Investigadores estão examinando o papel de um sistema de software projetado para não derrubar o avião, junto com os padrões de treinamento e reparo das companhias aéreas.

A Boeing diz que planeja atualizar o software nas próximas semanas.

Trump, preocupado com o acidente na Etiópia, conversou com o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, na terça-feira, e recebeu garantias de que a aeronave está segura, disseram duas pessoas durante a ligação.

China, Indonésia, Cingapura, Brasil (Gol Linhas Aéreas), Malásia, Argentina, Turquia e outros também suspenderam temporariamente o 737 MAX.

A decisão de alguns países de proibir não apenas as chegadas e partidas, mas os voos que atravessam seu espaço aéreo, como Austrália, surpreenderam algumas fontes reguladoras mesmo em regiões que proibiam o avião, uma vez que os sobrevoos geralmente são protegidos pelo direito internacional.

Vítimas de 30 nações

Dados os problemas de identificação no local do desastre com os corpos carbonizados, a Ethiopian Airlines disse que levaria pelo menos cinco dias para começar a entregar os restos mortais às famílias.

As vítimas vinham de mais de 30 nações diferentes e incluíram quase duas dúzias de funcionários da ONU.

“Somos muçulmanos e temos que enterrar nosso falecido imediatamente”, disse Noordin Mohamed, um empresário queniano de 27 anos cujo irmão e mãe morreram.

“Perder um irmão e uma mãe no mesmo dia e não ter seus corpos para enterrar é muito doloroso”, disse ele na capital queniana, Nairóbi, onde o avião deveria pousar.

A ansiedade também ficou evidente entre alguns viajantes, que correram para descobrir, pelas mídias sociais e agentes de viagens, se estavam reservados para voar em aviões 737 MAX.

Se as gravações de caixa-preta encontradas no local do acidente etíope forem encontradas, a causa do acidente poderá ser identificada rapidamente, embora normalmente leve um ano para uma investigação completa.

A nova variante do 737, a aeronave de passageiros moderna mais vendida do mundo, é vista como a provável manutenção da força de trabalho das companhias aéreas globais por décadas e outras 4.661 aeronaves estão encomendadas.

Mais de 40% da frota da MAX foi aterrada, segundo a Flightglobal, embora muitas companhias aéreas ainda usem jatos mais antigos.

Ainda assim, grandes clientes, incluindo as principais companhias aéreas da América do Norte, continuaram pilotando o 737 MAX. A Southwest Airlines Co, que opera a maior frota de 737 MAX 8s, disse que continua confiante na segurança de todos os seus aviões da Boeing.

O ex-investigador de acidentes da FAA, Mike Daniel, disse que a decisão dos reguladores de aterrar os aviões foi prematura. “Para mim, é quase surreal a rapidez com que alguns dos reguladores estão apenas aterrando a aeronave sem qualquer informação factual ainda como resultado da investigação”, disse ele.


Fonte: Reuters

18 COMENTÁRIOS

  1. Alguma informação factível deve ter vazado para que as agências tomassem essa decisão. Quem lembra da sobda pitot do A-330 da Air France? Nem isso foi suficiente para aterrar toda a frota.
    Mas como sempre, no final vamos achar o componente humano.

  2. Que tombo da Boeing!!! No ambiente competitivo e sem piedade da aviação comercial hoje em dia, esse programa pode levar a Boeing a uma crise sem precedentes. Que se descubra e se resolva logo o problema.

  3. Alguns fanboy até defenderam a Boeing, que a Airbus nunca chegará aos pés e blá-blá-blá, e que a COMAC só faz caixão voador, várias abobrinhas foram ditas (graças a Deus uma boa parte da galera extremista tanto de um lado quanto de outro sumiu do blog), mas em dezembro tivemos num curto intervalo dois 777 apresentando problemas também, pessoal deve lembrar.
    Um da Latam que perdeu sistema elétrico e outro da Air France com leitura incorreta de velocidade.
    Além de o KC-46 está com atrasos (não sei exatamente as causas), e sobre um 767 cargueiro que caiu em fevereiro perto de pousar, um vídeo mostra ele embicado em alta velocidade direto ao solo. São sistemas diferentes, mas não há uma possibilidade desse acidente ter alguma ligação mais com o MAX? Um problema geral dentro das linhas da Boeing?
    Torcemos que não, mas a FAA devia deixar seu protecionismo econômico de lado e passar um pente fino na Boeing. É lamentável vê-la nessa situação, e mais lamentável foram as quase 350 mortes.

  4. Está acontecendo tudo que previ nos posts anteriores, em breve algum engenheiro colocará tudo sobre a mesa de um congressista americano. O presidente da Boeing não dura até o final deste mês podendo ser demitido antes deste tempo. Escreveu um tal de Andy no NYTimes:
    "From an engineering point of view it seems to me that the bean counters have prevailed over the real engineers at Boeing.
    They kept on envolving a 1967 aircraft design for over 50 years, presumably to avoid the massive costs of a complete redesign, testing and certification.
    The MAX 8 has pushed the 737 envelope so far that they had to mount the new, larger engines further out on the wings, otherwise they'd touch ground. However, moving the engines further out created a potential aerodynamic instability that could lead the aircraft into stall.
    Rather than redesigning the wings (and incurring all the costs) they decided to use a very invasive software to automatically correct a detected stall.
    Than to save even more money they decided that this software would rely on the data from two sensors (instead of three) to determine the pitch of the aircraft – thus making it impossible to determine a safe pitch in case of sensor failure.
    Then, to squeeze even the last dollars out of their budget, they decided not to include all these new software functions in the manuals, which would have required additional pilot training, and so on.
    In summary, it seems to me that the MAX 8 is the result of the worst kind of "cost-saving engineering" that I would not accept out of a cheap plastic toy, let alone on a sophisticated aircraft that's supposed to carry millions of people safety around the world. Shame on Boeing. Their CEO and CFO should be sacked." Precisa dizer mais? Engenharia precisa de cabeças brancas e não os teens motivados. O resultado está ai 300 vitimas e milhões em prejuízo e re****ção. O gerente de projetos deve ter conseguido sua promoção, mas seu Presidente perderá a cabeça.

    • Se isso se provar verdade, quanta irresponsabilidade da Boeing, uma irresponsabilidade criminosa.

  5. Depois os progressistas não entende porque a turma gosta do Trump: "Os pilotos não são mais necessários, mas sim cientistas de com****ção do MIT”, Trump twittou, lamentando que os desenvolvedores de produtos sempre procurassem dar um passo desnecessário quando o “velho e simples” fosse mais importante" "Eu não sei sobre você, mas eu não quero que Albert Einstein seja meu piloto. Eu quero ótimos profissionais de voo que possam facilmente e rapidamente assumir o controle de um avião!”. Como disse anteriormente, uma aeronave deve ser tão estável e fácil de pilotar que até um idiota da Al Qaeda pudesse pilotá-lo. Não precisa acrescentar mais nada. Estou reduzindo minha aposta para duas semanas para queda do CEO da Boeing.

  6. O grave incidente da Gol em 2011 com um 737-800 novinho logo após a decolagem também tem alguma semelhança com esses. De certa forma o que evitou uma tragédia no caso brasileiro foi a presença de um terceiro piloto na cabine , a experiência de todos eles e o profissionalismo do controlador de voo. Se fosse só pelo avião a história teria sido diferente. Não tiro a culpa da Boeing mas com certeza tem fator humano envolvido. Lion Aire Ethiopian não são exemplos a serem seguidos

    • O que vc sabe sobre as operações e treinamento das companhias Lion Air e Ethiopian Airlines? são companhias aéreas excelentes. A Ethiopian foi uma das primeiras operadoras dos B787, e uma das maiores operadoras desta aeronave no mundo.

      • Só o que tem na internet mesmo!
        Reportagens falam que o Boeing da Lion Air não deveria ter decolado. Apesar da Ethiopian ser reconhecida como uma boa companhia, tem uma frota de 95 aviões e derrubou dois 737 em menos de 10 anos, além da África sabidamente ser irresponsável na fiscalização de segurança das suas companhias aéreas.
        Não estou defendendo a Boeing, mas outros fatores estão relacionados.

        • O piloto reportou problemas logo após a decolagem. E tinha mais de 8000 horas de vôo. Existe muito preconceito na sua afirmação. Para a Ethiopian voar para os demais paises deve manter um nivel aceitâvel de disponibilidade e operação das suas aeronaves. Seu comentário poderia ser válido para o Brasil, não? A Boeing está torcendo para que um coelho tenha roido os tubos pitot e seja a causa deste acidente.

      • Até onde eu sei, a Lion Air foi proibida de voar na Europa por ser inseguro! Inclusive é uma das piores empresas do ramo!

        • E isso foi a causa da queda da aeronave há 5 meses atrás? Quais as conclusões? Existe um problema sério de desenvolvimento nesta aeronave, leia acima. Senão não teriam liberado uma nova versão de software. Passar a mão na cabeça da Boeing é o mesmo que todos acharem normal o que ocorreu em Brumadinho e Vale do Rio Doce. Não é normal, e sim a Boeing falhou em seus processos de testes desta arronave, assim como o FAA em sua aprovação. As evidências estão ai, ou essa gente toda groundeando a aeronave é por birra com os americanos.

          • Eu disse que foi? Essa geracão voa há quase 3 anos, teve o acidente da Lion e agora esse da Etiopia, o da Lion, me lembro que as primeiras informacões eram que o 737 não poderia decolar, tinha alguns problemas com a manutencão, e o primeiro palpite era justamente esse motivo.

            Alguem aqui está passando a mão na cabeca da Boeing?

            • Cara o FAA proibiu o vôo dos B MAX em todo mundo. Pare de driar ilusões, os fatos estão ai desde o acidente deste final de semana.

        • A Lion Air foi proibida no passado, depois de renovar a frota e atualizar seus procedimentos de manutenção foi liberada.
          A Lion Air fez as duas maiores compras de aviões comerciais do mundo, a da Boeing com 737-800 e 737-MAX e a da Airbus do A-320 totalizando 45 bilhões de dólares.
          .
          Estas são as empresas proibidas de voar na Europa hoje: https://en.m.wikipedia.org/wiki/List_of_air_carri

          • A FAA vendo o Congresso americano crescer ra cima da Agência, decidiu groundear os B737 8 MAX. Sem mais comentários.

    • Na infomoney tem uma reportagem sobre ao menos 5 reclamações formais à FAA citando dificuldades com o sistema de piloto automático do MAX. Uma das reclamações cita que logo após a decolagem, ao acionar o piloto automático, o avião começava a embicar e soava alarme, sendo que só após desativar o piloto automático conseguiam estabilizar a aeronave.

Comments are closed.