O KC-390 no Paris Air Show 2019. (Foto: Embraer)

A fabricante brasileira Embraer levou sua aeronave de transporte aéreo KC-390 para o Paris Air Show na semana passada, enquanto a produção do avião acelera para encher um pedido de 28 unidades para Força Aérea Brasileira. As unidades de defesa e negócios da Embraer permanecerão independentes após a venda de uma participação majoritária à Boeing do negócio de aviação comercial da empresa.

A Boeing continua a ser uma parceiro de marketing do KC-390, e essa parceria deverá estar totalmente implementada no início de 2020.

O primeiro KC-390 da Força Aérea Brasileira – o avião apresentado no show em Paris – deverá ser entregue nos próximos meses, de acordo com Jackson Schneider, presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança. O nono KC-390 já está em fase de montagem na fábrica da Embraer em Gavião Peixoto, no Brasil.

A cabine de comando do KC-390 com a aviônica Collins Aerospace Pro Line Fusion.

“Estamos convencidos de que a aeronave será bem-sucedida”, disse Schneider, especialmente considerando que a idade média dos 2.700 aviões que o KC-390 poderia substituir é de 30 anos. “É mais rápido, carrega uma carga mais pesada e possui capacidade de missão e aviônica de última geração, além de custos de manutenção e operação reduzidos”.

A Embraer tem capacidade para construir 12 aviões KC-390 por ano, mas poderia fazer mais adicionando um terceiro turno nas fábricas onde os componentes e a montagem final são feitos. Isso também exigiria “resolver alguns gargalos na cadeia de fornecimento”, disse ele.

Até o final do ano, um novo centro de treinamento próximo à sede da Embraer em São Paulo será aberto para pilotos e técnicos. Embora não haja um simulador de voo completo, os simuladores de laboratório KC-390 estarão disponíveis para treinamento, pois eles replicam completamente os controles de voo fly-by-wire do tipo e o conjunto de aviônicos Collins Aerospace Pro Line Fusion.

O KC-390 possui alguns recursos exclusivos projetados para ajudar em suas capacidades militares. Os flaps, por exemplo, podem ser ajustados em intervalos de um grau, de 0 a 40 graus, para ajudar a garantir a atitude correta da fuselagem durante lançamentos de carga. Duas aeronaves podem ser conectadas a pods de reabastecimento montados nas asas durante operações de abastecimento em voo. E os controles de vôo fly-by-wire são configurados com leis de controle otimizadas para vários tipos de voo, incluindo reabastecimento aéreo, lançamento de carga e outros voos em missões especiais.


Fonte: AIN Online

Anúncios