Aeronaves de ataque leve A-29 Super Tucano.

A Embraer divulgou uma nota no final da tarde de sexta-feira (15/03) informando que a sua joint venture com a fabricante a Boeing não envolverá a aeronave de ataque leve turboélice A-29 Super Tucano.

No Brasil, durante a última semana de fevereiro, os acionistas da Embraer aprovaram a proposta de estabelecer uma joint venture constituída pelas operações de aeronaves e serviços comerciais da Embraer. Os acionistas da empresa também concordaram com uma joint venture para promover e desenvolver novos mercados para a aeronave de múltiplas missões KC-390.

A informação sobre esta possível inclusão do Super Tucano na joint venture foi divulgada pela agência de notícias Reuters, de acordo com um depoimento do vice-presidente financeiro da Embraer, Nelson Salgado, quando na quinta-feira divulgou o resultado financeiro da empresa do quarto trimestre de 2018.

Na teleconferência, Nelson Salgado disse: “A parceria em defesa não está limitada ao KC-390. É o foco inicial da parceria…Não existe restrição para o Super Tucano não ser tratado pela Boeing (na parceria)”

Salgado afirmou que a Embraer espera entregar 10 Super Tucanos em 2019 e além da primeira unidade do KC-390. Segundo ele, as aprovações de autoridades de defesa da concorrência ao redor do mundo para a venda do controle da divisão comercial da empresa e a parceria no segmento de produtos militares devem ser concedidas até o final deste ano.

A Embraer, no entanto, negou esta informação. “A Embraer esclarece que a joint venture com a Boeing na área de defesa não envolverá o A-29 Super Tucano”, afirmou a empresa.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Mesmo porque, já é um produto que vende bem e tem a parceria com a Sierra Nevada.
    Não cabe a Embraer por todos os ovos na mesma cesta.

    • A Embraer espera vender 10 ST em 2019. Você chama isso de "vender bem"???

  2. Ah que pena! A rede de vendas da Boeing ajudaria muito a venda deste.

  3. Só espero que com essa parceria nossa Embraer não vá para o Estados Unidos, que essa nova empresa seja instalada e fixa aqui no Brasil

  4. Não faz sentido, uma vez que já existe parceria com a Sierra Nevada e o Super Tucano já é um grande sucesso de vendas. Ainda mais se vencer o LAS e se conseguir entrar no mercado Europeu. Quem sabe…

  5. Se a Boeing entrar no negocio do ST pode acreditar que leva o contrato da LAS.

Comments are closed.