KC-390 em voo no interior de São Paulo, Foto – Sgt Batista, Força Aérea Brasileira (7)
Embraer KC-390 / © Bruno Batista, em caráter ilustrativo

O cargueiro multimissão KC-390, atualmente em desenvolvimento pela Embraer, cruzará o Atlântico e estará em exibição estática no tradicional Farnborough International Airshow, que será realizado no Reino Unido, entre os dias 11 a 17 de Julho deste ano.

O anúncio, feito com exclusividade ao DefesaNet pelo presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider, durante a FIDAE 2016, foi recebido com surpresa e é uma jogada de marketing bem calculada por parte do fabricante para a promoção da aeronave.

Em meados do ano passado, a Embraer tomou a corajosa decisão de continuar, com recursos próprios, o programa de desenvolvimento do KC-390, tendo retomado a construção dos demais protótipos a serem empregados nos ensaios de solo e de voo da aeronave, com vistas à certificação.

O risco de cruzar o Atlântico é minimizado pela confiabilidade e maturidade que os complexos sistemas de voo do KC-390 estão alcançando e demonstrando nas mais de 150 horas voadas a partir das instalações da empresa em Gavião Peixoto, SP.

KC-390 em voo no interior de São Paulo, Foto – Sgt Batista, Força Aérea Brasileira (6)
Embraer KC-390 / © Bruno Batista, em caráter ilustrativo

No momento, a Embraer possui 28 encomendas firmes do KC-390 para a Força Aérea Brasileira (FAB), além de 32 cartas de intenção com outros países, incluindo Chile, Portugal e Argentina. Segundo Jackson Schneider afirmou a Reuters, a companhia também está em conversações avançadas com outros países que ainda não tornaram pública sua intenção de comprar a aeronave.

Ainda com relação ao desenvolvimento do KC-390, a Embraer mostra-se tranquila e confiante com a evolução do projeto, certa de que as metas  do cronograma serão atingidas.

divider 1

FONTE: DefesaNet

EDIÇÃO: Cavok

Anúncios

22 COMENTÁRIOS

  1. KCtão cruzando o atlantico! aí sim! com certeza vai chamar muito a atenção por aquelas bandas!

    • Blezeni , não é por nada não , mas aqui na minha quebrada KCtão tem outro dignificado…

      • Estratégia de marketing Deivide, precisa agradar todos os públicos hauhauhauhau

  2. Pois é senhores,

    Apesar da incredulidade de muitos ditos "brasileiros" felizmente a EMB tem uma visão estratégica muito afinada.
    Esta é uma bem calculada jogada de marketing da EMBRAER. Mesmo com a restrição orçamentária que afetou o cronograma de desenvolvimento atrasando-o em 18 meses, para a certificação final da aeronave.

    Volto a dizer que o EMB-KC390 vai vender muito!

    CM

    NOTA:
    EXCELENTE BOA NOTÍCIA ASSOCIADA A ESTA:
    VANT CAÇADOR – Realiza o primeiro voo no espaço aéreo brasileiro – O VANT “Caçador” é uma versão brasileira do VANT Heron-1, desenvolvido pela Israel Aerospace Industries (IAI) com atuação mundial em mais de 20 clientes.

    Tal notícia serve para fazer a Avibrás agilizar o Falcão. Tem espaço pra todo mundo…

    • Fale-me mais dos "ditos 'brasileiros'". Os incrédulos são cidadãos de segunda classe?

  3. Quanto ao VANT Caçador importante lembrar que a PF também tem interesse no mesmo, já que duplicará ou até triplicará seus esforços de vigilância em espaços críticos como o da tríplice fronteira.

    CM

    • Li no artigo sobre o Caçador que ele pode decolar com carga, sabes informar se isto significa que poderá levar mísseis tipo o Helfire ou bombas para destruir pistas improvisadas???? Grato pela resposta.

  4. Edu,

    Ainda não há previsão para Drones armados em nossas forças armadas…

    CM

  5. Acho meio arriscado isso, um avião com 150 horas de voo sem certificação nem nada, depois cai em uma área povoada e começa a história de quem autorizou, como é possível, etc.

    • Da forma como você se expressa, nenhuma aeronave poderia jamais ser certificada pois sabemos que na realidade os voos não acontecem somente sobre áreas desabitadas. No programa de testes do próprio KC-390, na internet não faltam imagens de pessoas que fotografam o avião sobrevoando suas casas.

        • RSviveiros,

          Se fosse inseguro, esteja certo, a Embraer não faria. Não estamos lidando com amadores ou inconsequentes.

          • Este é um RISCO que a Embraer agora terá que assumir após a burrada de atrasar o cronograma de desenvolvimento da aeronave por causa dos problemas de orçamento do governo federal.
            Apresentar o protótipo em Farnbourogh é uma forma de neutralizar a má impressão pelo anúncio do atraso do programa ano passado e a intensificação da campanha da Lockheed com o C-130J de forma mais agressiva.
            A Embraer PODERIA ter mantido o programa com recursos próprios e agora parece que acabou tendo de fazê-lo para não prejudicar sua janela comercial e e os lucros que espera obter com a aeronave.
            Convém destacar o anúncio do Presidente da Embraer na FIDAE ao comentar o AN-138 que o KC-390 é de uma classe superior pois pode carregar 27 tom de carga paga !!!!
            Desde o início o KC-390 se posicionou como um substituto da classe do C-130, até pouco tempo se afirmava que o projeto era para 23 ton. Parece que os teste deste ano foram tão bons que agora a aeronave pode oficialmente operar com até 27 ton de carga. O que é incrível…

  6. Creio que a Embraer fez a aposta certa ao custear o programa do KC-390. Competência para entregar um produto de qualidade e visão de mercado, sabemos que essa empresa tem.

    • O primeiro movimento da EMBRAER foi, como sempre antes nos projetos militares da FAB, não custeá-lo sozinhos e o que fizeram no ano passado foi anunciar ao mundo o atraso no cronograma do KC-390.
      Ao ver que o governo não ia mudar sua posição, constatarem a péssima reação do mercado ao atraso e ao avaliar os dados muito promissores do protótipo resolveram em tempo mudar sua visão míope inicial.

      Pela primeira vez a Embraer agiu como terceira maior empresa da sua área, apesar do ATRASO inicial em perceber a situação. E agora tenta recuperar o terreno perdido.

  7. Seria fantástico se na feira, já houvesse um anúncio de um 2º operador. 🙂

    De qualquer forma, um grande feito para uma aeronave que nem existia até pouco tempo. E demonstra a confiança que a Embraer tem no mesmo.

    []'s

Comments are closed.