Aeronave E190 atualmente em uso pela Austral Líneas Aéreas, subsidiária da Aerolineas Argentinas.

A Aerolineas Argentinas recebeu propostas de aeronaves para substituir a frota de 26 aeronaves Embraer 190 de sua subsidiária regional, disse o ministro de transportes da Argentina, Guillermo Dietrich.

“Estamos trabalhando na renovação da frota e recebemos propostas de todos fabricantes para a mudança da frota de aeronaves da Embraer na semana passada”, disse ele no Fórum de Líderes de Companhias Aéreas da ALTA, na Cidade do Panamá, no início desta semana.

Dietrich se recusou a comentar as propostas, ou a especificar um cronograma sobre quando a companhia aérea estatal tomará uma decisão sobre o tipo de frota. Um porta-voz da Aerolineas se recusou a comentar, dizendo que as propostas estão atualmente sob revisão.

A subsidiária regional da Aerolineas, a Austral Lineas Aereas, opera os E190, que têm uma idade média de sete anos, segundo a base de dados do Flightglobal. A maioria das aeronaves – 22 das 26 – são de propriedade da Austral. As aeronaves estão equipadas com 96 assentos cada, mas a Aerolineas disse que quer aeronaves maiores na categoria de 150 assentos para suas necessidades regionais.

O ex-presidente-executivo da empresa, Mario Dell’Acqua, disse que a empresa estudaria todas as opções da Airbus, Boeing e Embraer, incluindo o novo CSeries da Bombardier, agora conhecido como Airbus A220.

A Aerolineas já opera o Boeing 737 MAX 8 em suas principais operações, com cinco aeronaves em serviço. Estes estão equipados com 170 lugares cada. A companhia aérea tem pedidos para mais nove aeronaves 737 MAX.

Mesmo que a Aerolineas pare de eliminar sua frota E190, a Embraer está oferecendo o E195-E2 para a companhia aérea.

“É a aeronave mais eficiente do segmento, com capacidade para até 150 pessoas, oferecendo uma experiência superior ao cliente e a comunalidade dos tripulantes com os atuais E-Jets, reduzindo os custos de transição”, afirma Arjan Meijer, diretor comercial da Embraer.

A Aerolineas passou por várias mudanças de liderança desde que o governo Macri assumiu o cargo no final de 2015, iniciando uma onda de reformas no setor de aviação. A operadora estatal enfrenta agora mais concorrência, à medida que novas operadoras iniciam o serviço doméstico e as companhias aéreas internacionais acrescentam mais voos à Argentina.

Dietrich diz que é improvável que o estado privatize a companhia aérea em breve. A operadora deficitária provavelmente exigirá um subsídio de US$ 200 milhões do governo este ano, acrescentou ele.

“Estamos nos concentrando na redução de custos, melhorias de produtos e melhor fluxo de caixa”, diz Dietrich.


Fonte: Flightglobal

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Devido ao congresso dominado pelos peronistas a Aerolineas. Menen a privatizou e a máfia Kirchner a estatizou para roubar nisso também. O Caixa do tesouro argentino não tem com pagar U$200 milhões /ano de rombo.

Comments are closed.