O primeiro voo do KC-390 deve ocorrer em 2014. (Foto: Embraer)

A Meggitt Safety Systems foi selecionada pela Embraer Defesa e Segurança para fornecer o sistema de proteção contra incêndio para o programa da aeronave de transporte e reabastecimento KC-390 que está sendo desenvolvido com o apoio da Força Aérea Brasileira.

Sob o contrato de US$ 9 milhões, a Meggitt será responsável pelo completo sistema de proteção contra incêndio Chapter 26 ATA, durante toda a vida do programa KC-390.

Capaz de detectar fumaça e ativar o sistema de supressão no compartimento de carga e compartimento de aviônicos, o sistema da Meggitt também fornece detecção e combate a incêndios para a unidade de potência auxiliar (APU), pylon do motor e propulsão.

A empresa também fornece sistemas de proteção contra incêndio para a frota de jatos militares, comerciais e executivos da Embraer.

Um total de 28 aeronaves KC-390 foram encomendadas pela Força Aérea Brasileira como parte de um acordo de US$ 1,3 bilhão assinado em abril de 2009 com a Embraer, para ajudar a substituir sua atual frota de 22 aviões Lockheed Martin C-130E/Hs e KC-130s.

O primeiro vôo da aeronave KC-390 está previsto para ocorrer em 2014, seguido pela entrada em serviço operacional com a Força Aérea Brasileira em 2016.

Comentando sobre a demanda futura do KC-390, o CEO da Embraer Defesa e Segurança Luís Carlos Aguiar disse que a empresa estima em torno de 695 aeronaves de transporte militar em todo o mundo terão de ser substituídas durante a próxima década.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. A próxima noticia dever ser!"A Embraer seleciona a Boeing , a LM ou a Airbus pra montar o KC-390."
    Cade a tal END que devia estimular a capacitação da industria brasileira de defesa?Deve ter ido pra lata de lixo.

  2. Esse avião será um máximo, porém pelo jeito pouco beneficiara a industria aeronáutica brasileira… =(

  3. Caro Jakson, jogo das letras: a END era coisa do RMU. Ele e o MAG sabotaram o Su-35 no F-X2 por medo dos USA — e corpo mole do NAJ e de uns camaradas da FAB. Agora, o RMU não está mais no governo e a dona DVR não quer saber de filho dos outros (como KCs -390/137E nem COPACs), pois ela não está dando conta nem dos PACs de autoria própria… Está tudo parado. RIP.

  4. E´louvavel a capacidade da EMBRAER em gerir negocios,realizam as especificaçoes tecnicas e encarrega terceiros para produzi-las ,isto ganha tempo e economisa dindim,alem do mais nao ha outra forma de conseguir um produto de altissima qualidade e mantendo controle sobre o preço final,sem falar que o poder publico so esta interessado nos impostos que serao arrecadados,por isto eu afirmo:o brasil poderia deixar a baboseira de TOT total e comprar vetores de 3 procedencias ,assim elimina-se o risco de ser boicotado e ficar de maos vazias ! A pratica de espionagem e engenharia reversa saira´mais barato .

    • O importante agora, é que o PROJETO da Embraer CUMPRA ou mesmo ultrapasse as especificações do projetado. A partir do momento que o protótipo for demonstrando do que ele será capaz, e tendo em sua composição o que de melhor existe de prateleira (praticamente um jato comercial o KC-390), e atingindo sua meta de custos, será um sucesso.

      Resta torcer para que ele consiga atingir esses objetivos.

      []'s

Comments are closed.