Tim Clark, CEO da Emirates, quer trocar alguns dos 777Xs pelo 787 da Boeing, dizendo que o número de aeronaves encomendadas não mudaria, apenas o tipo de aeronave.

O ano continua difícil para a Boeing, com a mídia especializada relatando que a Emirates está negociando com a fabricante de aviões para adiar a entrega de parte de seu pedido multibilionário de 150 aeronaves 777X.

A Emirates encomendou os aviões em 2013. O valor “de mercado” do pedido é de US $ 76 bilhões. O pedido representa quase metade de todas as 344 encomendas que a Boeing recebeu para o 777X.

O relatório do periódico Seattle Times diz que o CEO da Emirates, Tim Clark, quer trocar alguns dos 777Xs pelo 787 da Boeing, dizendo que o número de aeronaves encomendadas não mudaria, apenas o tipo de aeronave. O jornal também relata que o cancelamento do pedido ou a postergação do mesmo, que é praticamente a mesma coisa, é uma possibilidade.

Em uma “nova” má notícia para a Boeing, a Reuters informou no final da semana passada que a rival Etihad está “explorando opções com a Boeing para cancelar ou adiar pedidos de jatos 777X”. A Etihad tem 25 777Xs “encomendados” com a empresa norte americana.

Enquanto isso, imagens foram divulgadas nas redes sociais do novo 777X da Emirates.


O crescimento na Emirates diminuiu e a companhia aérea está olhando para além de Dubai, considerando novas rotas, e novos tipos de aeronaves que permitam que ela seja mais ágil e responsiva às oportunidades de mercado. O cenário competitivo em rápida evolução da Emirates seria parte da razão pela qual Tim Clark sentiu que tinha que reavaliar o pedido do 777X.

Tim Clark disse que ele estava procurando, “… Uma combinação de 150 777Xs e de 40 787s, procurando manter a quantidade de assentos…”.

 

CEO da Emirates, Tim Clark. Foto Emirates.

Esses 787 pedidos referem-se a um pedido de 2017 para comprar 40 787-10s. Curiosamente, Tim Clark observa que a carta de intenção para este pedido não foi finalizada e, desde então, expirou. Ele também disse que ele estava avaliando trocar os 787-10s por 787-9s.

Essas duas encomendas com a Boeing se somam a uma grande encomenda de aeronaves de corredor único colocadas com a Airbus no início de 2019. Isso ocorreu depois que a Emirates cancelou seu pedido de A380, encerrando efetivamente a produção do A380 em Toulouse, em 2021.


 

Anúncios

7 COMENTÁRIOS

  1. As atuais exigências de mercado puseram um fim à megalomania dos árabes com esta coisa de quererem ter as maiores frotas das maiores aeronaves wide body.
    Jatos de médio porte com longo alcance estão em alta atualmente, e a própria Boeing ajudou a alavancar isto com o lançamento dos Max…
    Que presentão deram à Airbus…

    • O 380 é uma pena, a aviação de uns anos atrás, décadas, não sendo mais segura era bem mais bonita

      • Parece a queda de um dominó enfileirado: o A330 matou o 767, aí a Boeing fez o 777 e matou o A340 e depois matou o A380 que já tinha anulado o 747, aí a Airbus fez o A350, admitiu a morte do A380 mas decidiu levar o 777-X junto rsrsrs
        Realmente parece que vivenciamos o ocaso das aeronaves para mais de 350 assentos. Coisa que há 20 anos atrás, com os delírios dos Superjumbos que resultaram no 747-8 e no A380, nem se imaginava.

  2. Um voo de longo alcance em um narrow body, vamos combinar, deve ser um martírio…

    • Quem se aventura a pagar a bagatela de 100 dólares para cruzar da Europa para os States num A-320, como oferecem algumas low cost, deve ir sorrindo como aquele pessoal que viaja naqueles buzões de interior que levam até cabras e galinhas no meio do povo.

      • Sem contar que acaba pagando bem mais por bagagem, maração de assento, comida…

Comments are closed.