Uma grade cheia de 10 coaxiais gigantes, cada um com um piloto a bordo, competindo um contra o outro no ar a velocidades de até 200 km/h? É exatamente isso que a série de corridas Airspeeder deve apresentar em 2020 com o objetivo de ser uma espécie de Fórmula 1 para carros voadores.

Alauda é uma jovem empresa australiana com grandes ambições. Operando em Sydney, a equipe construiu vários protótipos octacópteros e documentou as compilações e testes de voo no calor do outback australiano nos últimos oito meses em uma série de vídeos do YouTube extremamente crus e muito divertidos.

Tendo voado com sucesso em protótipos sob diferentes condições não tripuladas, a equipe está fazendo sua estreia pública internacional com voos de demonstração no próximo Festival de Velocidade de Goodwood e o anúncio de que planeja começar voos tripulados este ano, e uma série inédita de corridas em 2020, como pode ser visto num vídeo preparado pela empresa.

Os avançados veículos de corrida terão mais de 4 m de comprimento e aproximadamente 3,5 m de largura, e serão cobertos com carroceria aerodinâmica leve, lembrando carros de F1 antigos dos anos 50 e 60. Eles carregam baterias de LiPo com capacidade de 500 kW e pesam algo em torno de 230 kg sem o piloto a bordo. Versões de quadcópteros e octocópteros coaxiais estarão disponíveis.

A equipe disse que vai começar “demonstrações tripuladas” do Mk IV Airspeeder no Deserto de Mojave, na Califórnia, em novembro. A série de corridas Airspeeder, programada para começar em 18 meses, contará com provas de tempo individuais, bem como “corridas um contra um voando a 20 metros acima do solo”. Alauda espera que a série de corridas acelerará o desenvolvimento da tecnologia de multicópteros tripulados de consumo, e leves como se fosse “um carro esportivo voador de sucesso mundial para venda ao público”.

Nossa primeira reação é: incrível, traga isso! Nossa segunda reação é: esses caras são malucos? Uma série de projetos multicópteros tripulados em todo o mundo já fizeram seus primeiros voos instáveis e, embora alguns parecessem razoavelmente estáveis, nenhum remotamente nos fez pensar “eles deveriam construir 10 deles e competi-los frente a frente”.

Existem várias de perguntas sobre o formato da corrida, os veículos Airspeeder finais, onde a equipe está planejando correr, questões regulatórias e, claro, o que está sendo feito para garantir a segurança dos pilotos em caso de falha catastrófica de velocidade ou de altitude, aproximadamente equivalente à altura de um edifício de sete andares.

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS