O Tenente-Comandante Michael Tremel, creditado como o piloto que abateu o caça-bombardeiro Su-22 em 4 de junho, contou como foi.

A maioria das missões dos F/A-18 do porta-aviões USS George H. W. Bush (CVN-77) utilizou a bomba guiada a laser de 226 kg (500 lb) contra alvos do Estado Islâmico, conforme solicitado pelos Aliados dos EUA no chão. Mas uma missão se destacou da “rotina” no dia 4 de junho, quando um Super Hornet derrubou um Sukhoi Su-22 “Fitter” da Força Aérea da Síria. A aeronave da Era soviética bombardeava as forças sírias apoiadas pelos EUA que lutam contra o EI.

Michael Tremel, Tenente-Comandante designado para esquadrão de ataque VFA-87 ‘Golden Warriors’ marcou a primeira vitória ar-ar dos EUA desde que uma F-16 da USAF derrubou um MiG-29 da Sérvia em 1999, durante a campanha do Kosovo.

Tremel contou toda ação durou cerca de oito minutos. “Eu não me comuniquei diretamente com o jato sírio, mas ele recebeu várias advertências de nosso avião de apoio AWACS. Então, recebemos ordens de abrir fogo para defender nossos aliados que estavam fazendo o trabalho duro no chão combatendo o EI. Eu não vi o piloto ejetar, mas meu ala observou um paraquedas”.

Tenente-Comandante é incrivelmente modesto. Ele diz que está interessado no que acontecer, no que foi uma vitória ar-ar relativamente simples, contra uma aeronave obsoleta. “Quando você pensa, no grande esquema das coisas, nós [o esquadrão] voamos mais de 400 missões em apoio às forças amigáveis no chão“. Em encontros com aeronaves russas, ele disse: “que os russos se comportaram com grande profissionalismo em todos os momentos“.

Um aspecto do engajamento levanta questões. Perguntado se o abate se deu por um Sidewinder, Tremel admitiu que não. Primeiro ele lançou um míssil ar-ar AIM-9X de guiagem por infravermelho, mas que este perdeu o alvo, aparentemente desviado por chamarizes de calor lançados pelo Su-22. Foi o segundo míssil, um AIM-120 AMRAAM, guiado por radar, que destruiu a aeronave.

FONTE: Save The Royal Navy

 

Anúncios

25 COMENTÁRIOS

  1. É quase um Michel Temer ! eaioheaioheoie

    Alguém sabe o que são aqueles símbolos no avião? Não entendi, parece umas machadinhas….

      • Giordani, desculpe-me a pergunta de leigo, mas F/A-18 lança Tomahawk??

        • Confesso que nunca tinha visto este tipo de marcação. Ao pesquisar, consta como "missão Tomahawk".

            • Caramba, os pombos detectaram o tomahawk melhor que os S-400 (final do vídeo)

            • Mas não vi sentido em marcar isso no nariz do avião…. Nem foi ele que lançou….

              Ou é pq hoje quase não lançam nada mesmo e dai qualquer coisa já marcam no avião…

              • Faz sentido sim , neste caso o SH eh o responsavel por levar o missel ateh o alvo , de alguma forma este tipode operaçao deve possuir vantagens em relaçao a tragetoria pre estabelecido para o missel e o trabalho realizado por este para encontrar e distruir o alvo ! Talvez isto reduza a eficacia das medidas de detecçao e das medidas eletronicas para CEGAR a machadinha !

          • Giordani, sempre tive curiosidade sobre essa marcação, inclusive já a vi em Strike Eagles. Pois bem, em uma legenda, li: "Tomahawk icons represent strike missions".

            Acredito que talvez sejam missões de bombardeio de qualquer natureza, como se espera de um Strike Fighter Squadron da marinha norte-americana.

  2. acho interessante que a partir do hud o piloto recebe informação de onde o seeker do míssil está direcionado, então o feito do Su-22 foi até que considerável, apesar de no final ter ido pro chão do mesmo jeito…

  3. O seeker do AIM-9X ter sido despistado, mesmo o SU-22 usando um enorme turbojato de assinatura bem característica e conhecida mostra que não há tecnologia infalível.

    • Segundo os EUA, os misseis não conseguiu diferenicair por serem flares de origem Russa.

      • Besteirol puro , descontando a torcida pro-russa , eh bom salientar que sistemas de guiagem por calor sao HOJE os MAIS faceis de serem anulados , eh macacada , isto nao eh coisa de hollyhood nao , ateh um sinalizador ou um foguetinho de Sao Joao causa pertubaçoes no sistema IR sensivel do missel , o guiamento pela radiaçao eh mais eficiente ,possuindo inclusive capacidade para filtrar sinais cortinadores !

        • Não é bem assim. Um míssil é um sistema computacional complexo, com um computador muito ágil dedicado à usar centenas de algoritmos para não serem confundidos, ainda mais por flares.
          O piloto do SU-22 deve ter sido muito bem treinado para usar os flares e se "esconder", manobrando para escapar.
          também o AIM-9X deve ter sido disparado mais próximo do limite de seu alcance, o que explica o uso posterior do AIM-120C.
          O piloto do Hornet teve a benesse da aviação síria atuar sem cobertura, pois provável que com ela ele não tivesse tempo para o segundo engajamento.
          Também por isso acho importante um caça poder contar com um míssil como o Derby para autodefesa, pois por mais que não possa de fato abater o agressor, obriga-o à tomar medidas defensivas e sair do engajamento.

    • Oia, to ficando bom, só não ganho dinheiro com isso kkk

      Falei que não era nem IRBM, porte de ICBM é do Irã, e os caras dando atenção pro nhonho, Teerã agradece kkk.

  4. Como um AWACS sabe qual freq. a aeronave inimiga opera, se bem que a informação é vaga, o fato de terem tentado não significa que conseguiram.

    "Nossos aliados que estavam fazendo o trabalho duro no chão…"
    Aliados kkkkkk. Uma mentira repetida mil vezes….

    Interessante o novíssimo AIM9X ter errado, segundo o fabricante ele é imune a chamarizes/iscas e o diabo. kkk

    • contra o su-24 dizem que usaram uma frequencia que o radio dele n cobre, talvez tenha ocorrido o mesmo com o ainda mais velho su-22

  5. Li que o Michel Temer tinha feito o abate e quase cai da cadeira, rs

Comments are closed.