O primeiro-ministro da Eslováquia entrou em conflito com o Ministério da Defesa por um acordo para a aquisição de caças F-16, no que é considerada a maior aquisição militar do país.

O Ministério da Defesa anunciou na ultima sexta-feira (30) que havia concluído três acordos com os EUA para a compra de 14 caças Lockheed Martin F-16, além de armas e treinamento no valor US$ 1,8 bilhão.

Porém, horas depois, o primeiro-ministro Peter Pellegrini divulgou uma nota dizendo que os contratos eram inválidos porque não haviam sido aprovados pelo Ministério das Finanças.

O premier Pellegrini considera os contratos relativos à compra de caças F-16 assinados no início do dia pelo Ministério da Defesa como inválidos no momento, já que o Ministério da Fazenda ainda não aprovou o acordo“.

O ministério da Defesa é chefiado por Peter Gajdos, do Partido Nacional Eslovaco (SNS), de direita. Já o governo de Pellegrini, SD-Smer Social Democracy, é da auto denominada esquerda-populista.

Analistas atribuíram o confronto de poderes provavelmente a uma luta interna de poder.

A Eslováquia, uma “república” ex-comunista e atualmente membro da OTAN e da zona do euro de 5,4 milhões de habitantes, vem há anos tentando substituir sua envelhecida frota de jatos MiG-29 da Era soviética.

O Departamento de Estado dos EUA aprovou o acordo F-16 em abril. O governo de Pellegrini havia decidido formalmente em julho prosseguir com a compra.


FONTE: France24.com


NOTA DO EDITOR: A fonte não faz alusão a qual modelo de F-16, nem se é novo ou usado.

12 COMENTÁRIOS

    • O único fiasco que eles conhecem é o dos aparelhos russos que usaram muito tempo, agravado pelo péssimo pós-venda! Para piorar as notícias do exterior, dando conta que caças russos são meros alvos de tiro ao pato quando confrontam aparelhos norte-americanos, também não ajudaram….

      Aceite os fatos Xings! Ninguém aqui suporta as suas mentiras…

    • Entendo seu desespero Xings. Enquanto ninguém quer as tralhas russas e chinas, a carteira de clientes do F-16, sonho de consumo de todo país liberto do jugo soviético, não para de crescer, e a você só resta fazer papel de bobo da côrte inventando mentiras patéticas.

    • Esses poucos aparelhos, mas equipados com AIM-9 e AIM-120 são muito mais capazes e operacionais do que hoje dispõe esses países.
      Eles primeiro precisam acertar suas economias para depois investir mais em defesa.

    • Esse países do leste europeu, geralmente possuem economias pequenas. Não podem sustentar grandes forças armadas. Nesse caso, é melhor ter forças pequenas, bem equipadas e bem treinadas. Em momentos de emergência, possuem doutrina para ampliar as forças caso necessário, além de contar com alianças.

    • Acho que não chegam a ser tão problemáticos assim. Por exemplo, os países do Báltico têm contribuído muito na seara de guerra cibernética, já que desde a libertação, têm investido muito desde a educação de base.

      O sistema político atual, mais maleável e descentralizado, permite que cada um se amolde ao organismo militar da forma que melhor convier, ainda que sua importância seja apenas geográfica. A sistemática do Pacto de Varsóvia, por outro lado, conseguia a proeza de tolher a soberania destas pequenas nações e ainda transformá-las num fardo para Moscou. Todo mundo perdia…