Uma das grandes histórias da exploração Espacial de nosso Tempo foi oficialmente encerrada.

A NASA declarou que sua sonda Mars Opportunity encerrou suas atividades no dia 13 de fevereiro, mais de oito meses depois que o robô movido a energia solar ficou em silêncio durante uma tempestade de areia no Planeta Vermelho.

Declaro a missão do Opportunity como completa e com ela a missão Mars Exploration Rover“, disse Thomas Zurbuchen, administrador do Diretório de Missões Científicas da NASA.

A sonda Opportunity percorria a superfície marciana por quase uma década e meia, cobrindo mais do que uma maratona de terreno e encontrando evidências conclusivas de que o Planeta Vermelho abrigava grandes massas de água em estado líquido no passado. O rover, do tamanho de um carrinho de golfe e seu gêmeo, Spirit, também ajudaram a difundir o conhecimento sobre Marte para a população, na mente de cientistas e leigos.

O Spirit e o Opportunity fizeram de Marte um lugar familiar“, disse um representante da NASA.

As sondas foram lançadas separadamente em 2003, dando início à missão Mars Exploration Rover (MER). A Spirit desceu primeiro, em uma cratera chamada Gusev situado a cerca de 14 graus ao sul do equador marciano. A Opportunity pousou na planície equatorial Meridiani Planum, do outro lado do planeta.

Ambos as rovers então rodaram pela superfície do planeta. Os rovers foram projetados para durar cerca de 90 dias terrestres, durante os quais eles procuravam por sinais de atividade de água no passado. No entanto, eles duraram muito mais tempo que o esperado.

A Spirit deixou de funcionar em 2010, depois de atolar e ficar numa região de pouca incidência solar, descarregando as baterias e, assim, incapaz de sobreviver ao rigoroso inverno marciano. Ela congelou até a morte.

A Oppi evitou tais armadilhas por mais de oito anos, estudando rochas nas bordas de quatro crateras diferentes. O rover registrou exatos 45,16 km em seu odômetro durante essas viagens, mais do que qualquer outro veículo robótico ou tripulado que já andou na superfície de outro mundo.

Então veio a tempestade de poeira. No final de maio de 2018, a Mars Reconnaissance Orbiter da NASA viu uma tempestade se formando perto do local da Opportunity, na borda da Cratera Endeavour, de 22 quilômetros de largura. O redemoinho cresceu rapidamente, engolfando o robô e, eventualmente, se espalhando para encobrir o planeta inteiro.

A poeira grossa bloqueou os raios solares, impedindo o rover de recarregar as baterias e o Opportunity entrou em uma espécie de hibernação. E dormiu sem poder ligar seus aquecedores a bordo. O frio marciano, onde as temperaturas podem cair o suficiente para quebrar juntas de solda e outras peças importantes de hardware interno terminou por matar o robô.

A oportunidade provavelmente sofreu uma falha de baixa potência, uma falha no relógio da missão e uma falha no temporizador de perda de carga“.

A tempestade de poeira começou a diminuir no final de julho e, em meados de setembro, diminuiu tanto que a NASA iniciou um esforço conjunto para despertar o Opportunity. A campanha envolvia o envio de comandos para o rover despertar. Em vão.


FONTE: Space.com; NASA

3 COMENTÁRIOS

  1. Um tributo a engenharia da NASA, que conseguiu manter o Opportunity por 50x além do tempo projetado inicialmente (underpromise and overdeliver).

    Olhando historicamente acho interessante o rumo que a exploração espacial tomou: missões tripuladas foram confinadas a baixas órbitas terrestres, geralmente para estações espaciais, e missões interplanetárias, de caráter científico, foram se sofisticando cada vez mais (além de telescópios espaciais, busca por exoplanetas, observações meteorológicas, estudos cosmológicos…). Muito mais barato e seguro que arriscar vidas humanas.