Laros - ESPAÇO: Rússia pode ter foguete reutilizávelA Laros, uma empresa privada russa, iniciará lançamentos de foguetes reutilizáveis para colocar satélites em órbita.

A empresa privada russa Laros começará a lançar seu foguete reutilizável capaz de transportar até 200 kg de cargas em órbita a uma altitude de 500 km em 2024-2026, disse o Oleg Larionov, proprietário da companhia.

Oleg disse que em 2020, a Laros planejava iniciar o lançamento de um foguete sub-orbital de um estágio até uma altitude de até 130 km para validar os sistemas de aterrissagem do foguete usando seus próprios propulsores. O mesmo método é empregado pela norte-americana SpaceX.

Em seguida, mudaremos para o foguete orbital de dois estágios, capaz de transportar cargas úteis de até 200 kg em órbitas de 400 a 500 km. O primeiro estágio também retornará neste foguete, usando o método de pouso testado pelo modelo suborbital. Estamos planejando o primeiro lançamento em 2024-2026“, disse Larionov.

Os planos da empresa também incluem o retorno do segundo estágio. Este trabalho prevê testar o escudo térmico e os dispositivos de frenagem do foguete, acrescentou.

Oito motores com um empuxo de 2.500 kg cada serão montados no primeiro estágio do foguete orbital.

Uma área de teste será necessária para o lançamento dos foguetes Laros, disse o chefe da empresa. “Para os primeiros voos de teste, essa pode ser a área de Kapustin Yar. No entanto, outras áreas serão necessárias para lançamentos em órbitas polares. Uma tarefa complexa para uma pequena empresa privada e esperamos a ajuda da Roscosmos nesse caso“, afirmou.

Image 8 879x449 - ESPAÇO: Rússia pode ter foguete reutilizável
A Rússia pode entrar nesse mercado onde os EUA são líderes absolutos

O lançamento de um foguete orbital foi estimado entre US$ 2,5 a 3 milhões, e a disponibilidade para o lançamento deve ocorrer no máximo duas semanas após a realização do pedido, disse ele.

Um foguete-transportador deve estar em demanda para reabastecer grandes grupos de satélites em órbita baixa, onde pequenos satélites têm uma vida útil ativa de não mais de três a quatro anos, disse Larionov.

O trabalho no projeto de foguete suborbital está sendo financiado com recursos próprios da empresa. No entanto, o projeto do foguete orbital exigirá fundos extras, disse ele.


Com informações da TASS.

Anúncios