A Rússia lançou o robô-humanóide ‘Fyodor’ para a Estação Espacial Internacional no voo de teste da Soyuz. O objetivo é provar o foguete Soyuz 2.1a para lançamentos tripulados.

Chame isso de um grande salto para um robô. A Rússia lançou um robô humanoide chamado “Fyodor” para a Estação Espacial Internacional na primeira espaçonave Soyuz sem carga a visitar o laboratório em órbita.

A cápsula da Soyuz – que normalmente leva uma tripulação de três pessoas ao Espaço – levou comida, suprimentos e o robô Skybot F-850, partindo do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, na última quarta-feira (21).

A cápsula da Soyuz foi lançada em órbita sobre um foguete Soyuz 2.1a, uma variante do cavalo de batalha da Rússia que só voou com veículos Progress até agora. Sua espaçonave Soyuz MS-14 carrega 660 kg de suprimentos para a tripulação de seis pessoas da Estação.

Uma escalada impecável para a órbita da Soyuz MS-14 em seu voo de teste, o primeiro lançamento de um veículo Soyuz em um propulsor 2.1a“, disse Rob Navias, porta-voz da NASA, enquanto assistia ao lançamento.

Navias disse que o Skybot F-850, da Rússia, apelidado carinhosamente de “Fyodor“, parece estar indo bem no assento do comandante da espaçonave Soyuz. Uma visão de televisão de dentro da Soyuz mostrava o robô segurando uma pequena bandeira russa na mão direita, enquanto um cosmonauta de brinquedo balançava ao redor da cabine como um indicador de gravidade zero.

Ele chegou em órbita e está a caminho da Estação Espacial Internacional“, disse Navias sobre o robô.

Voo de teste

De acordo com Navias, este lançamento da Soyuz é um voo crítico para testar o desempenho da cápsula Soyuz atualizada e do Soyuz 2.1a antes do primeiro vôo tripulado no foguete em março de 2020.

O propulsor Soyuz 2.1a, equipado com um novo sistema digital de controle de voo e motores atualizados, está substituindo o propulsor Soyuz FG que tem sido usado há décadas para lançar tripulações no Espaço“, disseram autoridades da NASA em um comunicado. “A espaçonave Soyuz terá um controle de movimento e sistema de navegação atualizados, bem como um sistema de controle de descida modernizado“, acrescentaram.

A missão também ajudará a Roscosmos a desenvolver uma versão de carga da cápsula Soyuz capaz de retornar a Terra para devolver experiências e outros equipamentos. Os cargueiros Progress atualmente só podem entregar suprimentos, e são preenchidos com lixo para queimar na reentrada.

Se tudo correr bem, a Soyuz MS-14 chegará à Estação Espacial Internacional no início de sábado (24).

Enquanto Fyodor sentou no assento do comandante durante o lançamento, não está pilotando a espaçonave para o seu destino no final. Em vez disso, o sistema de navegação da própria Soyuz (chamado Kurs) direcionará automaticamente a espaçonave para o encontro e atracar na Estação Espacial.

Se os Kurs falhar, os cosmonautas russos da ISS podem enviar um comando à Soyuz para desarmar o sistema para abortar a missão, enviando a espaçonave a uma distância segura, disseram funcionários da NASA.

Fyodor

A maneira como o Fyodor Skybot se aventura nesta missão ajudará a informar como os astronautas sentem-se confortáveis no foguete Soyuz 2.1a enquanto eles se movem através do lançamento, atravessam a atmosfera da Terra e fazem uma aproximação ao seu lar orbital no Espaço. Espera-se que o robô informe sobre condições como as forças que se encontra durante o voo, incluindo o ponto em que começa a sentir-se a microgravidade.

O Fyodor é uma das versões mais recentes dos robôs FEDOR (derivado de “Feodor“, um nome russo, mas também a sigla para o termo inglês “Final Experimentational Demonstration Object Research) uma linha de humanóides com 5 anos de idade, tão versáteis que foram usados na condução de carros ou na condução de trabalhos de resgate. Como o primeiro de seu tipo no Espaço, o Fyodor Skybot F-850 inclui recursos exclusivos, como materiais resistentes a vibrações, e algoritmos para reduzir seu movimento, para que não danifique acidentalmente a Estação Espacial Internacional.

Mas as mãos avançadas do robô FEDOR serão incluídas no Skybot; em testes passados na Terra, estes foram usados para tarefas hábeis, tais como extintores de incêndio ou tochas de gás de solda – feitos impressionantes, apesar de ambas as atividades improváveis para o Skybot no ambiente confinado da Estação Espacial.

Uma vez que o robô Fyodor chegue a ISS, os cosmonautas irão movê-lo para o módulo russo Poisk por cinco dias de experimentos e testes para ver como ele se comporta na microgravidade. O robô será então devolvido a bordo da Soyuz para uma viagem de volta à Terra no dia 6 de setembro.

O Robonaut2 da NASA (que tem cabeça e braços, mas sem pernas) realizou tarefas de testes simples entre 2011 e 2014. Após algumas dificuldades, foi devolvido à Terra em 2018 e deveria fazer outro voo para a ISS em 2020.

Outros robôs da Estação Espacial incluíram um “robô social” europeu que reconhece rostos (também conhecido como Crew Interactive Mobile Companion), o robô japonês Kirobo que conversou com o astronauta Koichi Wakata, e algumas gerações de robôs de voo livre da NASA (SPHERES e o mais avançado Astrobee).

 


Com informações de Space.com

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS