O novo foguete transportador super pesado da Rússia destina-se a entregar mais de 70 toneladas de carga na órbita baixa da Terra.

A Corporação Espacial russa, Roscosmos, lançou um trabalho para elaborar um programa de metas federais para a criação de um foguete super pesado, disse o chefe da Roscosmos, Dmitry Rogozin, na segunda-feira (06).

Lançamos um trabalho em um programa de metas federais para a criação de um foguete super pesado“, disse Rogozin.

A Roscosmos fez um pedido para desenvolver o projeto de um foguete super pesado ao custo de US$ 25 milhões. O projeto conceitual do complexo super-pesado de foguetes espaciais está planejado para ser concluído em 31 de outubro de 2019.

O novo foguete transportador super pesado da Rússia destina-se a entregar mais de 70 toneladas de carga na órbita baixa da Terra. A construção de infra-estrutura para o novo foguete transportador deverá começar no espaçoporto Vostochny no Extremo Oriente da Rússia em 2026.

O decreto sobre a criação do complexo de foguetes espaciais no cosmódromo Vostochny foi assinado anteriormente pelo presidente russo Vladimir Putin. O conceito de sua criação prevê a utilização máxima do potencial acumulado dos elementos básicos e as tecnologias do foguete de classe média Soyuz-5 atualmente em desenvolvimento. Este será usado para criar o veículo de lançamento super-pesado.

De acordo com as estimativas da Roscosmos, a criação do foguete super pesado e a construção da infraestrutura necessária custará cerca de US$ 24 bilhões.


FONTE: TASS


NOTA DO EDITOR: É interessante notar como a Rússia não se aproveitou para consolidar sua liderança no acesso ao Espaço no período em que ela foi a unica provedora para colocar humanos e carga na órbita baixa da Terra. Sim, os chineses tem essa capacidade, mas ainda falta muito para eles chegarem ao nível de uma Roscosmos. Os russos vão perder em breve uma receita de US$ 70 milhões por astronauta de outro país, leia-se EUA. Desde a retirada do Ônibus Espacial em 2011, os russos pouco ou nada fizeram. Pequenas atualizações na Soyuz (que se tornou digital somente em 2000) e deu. Nesse meio tempo, os EUA avançaram na criação de uma nova classe de foguetes, com empresas privadas criando foguetes capazes de serem reutilizados depois de pousarem na vertical por seus próprios meios e o super foguete pesado da NASA está prestes a voar. A Rússia deveria estar na vanguarda da conquista espacial, mas ao que parece se acomodaram.

24 COMENTÁRIOS

  1. A Rússia no início dos anos 2000 nadou de braçada com acordos e confiança que foram conquistados nos anos 90 . O Boris Ieltsin deixou uma Rússia que tinha acesso a todo o ocidente, esse acordo com os Eua para a Estação Espacial Internacional é um remanescente disso , mas vai bem mais alem como os contratos de energia.
    Agora me pergunto o que a atual geração de oligarcas vai deixar a próxima geração? Desconfiança, medo e muitas portas fechadas eu acho … o tempo dira

  2. O programa espacial russo morreu com o Sergei Korolev, que vale lembrar não era russo ahahah, claro tem outros nomes importantes na equipe do Korolev mas este era o chefe.

    Tudo que a Russia tem dessa área vem dos ano 60 ainda com o Korolev, a Russia esta condenada a ser mera lembrança e só não é hoje em dia pois o espaço ainda é restrito, repare que a India um país emergente já faz coisas que os russos não conseguem, como exemplo ter sucesso numa missão a Marte.

    A Russia vive do passado, logo fará parte dele.

  3. Caro Editor, a renda per capta nominal Russa é 1/6 da renda per capta nominal dos Estados Unidos. Mais gravemente, o PIB nominal russo é 1/13 do PIB nominal americano. A Rússia Czarista atual quebrará pelas mesmas razões que fizeram ruir o Império Soviético – por o chapéu onde a mão não alcança. A Rússia não tem como sustentar a máquina militar/tecnológica que é mantida, há quase 3 décadas, com releituras de aeronaves/máquinas do período soviético. Simples assim. Eles não se 'acomodaram'. Em redução do absoluto, eles simplesmente não tem dinheiro para tal, por mais que queiram parecer (o governo) que mantem algum tipo de primazia tecnológica/militar.

  4. Li esta semana que os americanos certificaram o motor RD 180 russo ,e vão usa lo até meado de 2022 , até o substituto americano ficar pronto e passar em todos os testes ….realmente a Rússia se relaxou , apenas atualizou alguns motores soviéticos ,não criaram muita coisa , mas eles tem Know How ,então não é dificil inovar ….
    Triste é para o Brasil que dormiu no ponto ..

      • Já vai ser tarde. Com a parada dos EUA devida a intromissão atrapalhada do obama e com a China e a Índia engatinhando na conquista do Espaço, aliada ao sonolento programa espacial europeu, a Rússia devia hoje ser líder na exploração espacial, com novos veículos e naves mais eficientes no transporte de carga. O quê de melhor ela fez foi dar a Soyuz a capacidade de voar direto para a ISS, coisa que o Shuttle demonstrou ter ainda nos anos 1980 quando voou direto para o Hubble.
        A Rússia possui uma expertise ímpar na fabricação de motores de foguete, mas simplesmente abdicou que evoluir ainda mais essa tecnologia. Não se enganem, se hoje a SpaceX e a Blue Origin pousam seus foguetes, podem ter certeza, muito dessa capacidade advém do conhecimento russo.

    • Aí sou obrigado a concordar. Uma corrida espacial e um investimento enorme, contínuo, de fôlego. Some-se a isso os embargos e a falta de clientes do ocidente, aí acho que a Rússia concluirá que, tendo de escolher onde investir – não tem dinheiro pra tudo – preferirá investir no seu território e não no espaço acima dele.

  5. Soyuz-5?? Que lançador é esse TASS? Eu pensei que esse foguete seria baseado no novo Angara que tinha ja na folha de rascunhos vários projetos, inclusive um de lançador super pesado. Eu nem tinha ideia q eles estavam desenvolvendo esse tal de Soyuz-5! Se alguem tiver informações, agradeço