Israel está prestes a entrar no seletíssimo grupo de países que já pousaram na Lua.

Uma minúscula espaçonave robótica de Israel acabou de obter sucesso ao entrar na órbita da Lua, numa manobra crítica, que prepara o veículo para uma alunissagem na superfície lunar na próxima semana. Se o pouso for bem sucedido, a espaçonave se tornará o primeiro veículo privado a pousar na Lua.

A sonda Beresheet, que foi construída e operada pela Israelense SpaceIL. No dia 21 de fevereiro, a sonda foi lançada ao Espaço em cima de um foguete Falcon 9, que colocou a sonda numa alta órbita ao redor da Terra. Desde então, a espaçonave acendia periodicamente seu motor, aumentando assim cada vez mais sua distância da superfície do Planeta, até ser capturada pela gravidade lunar. Ela também capturou algumas fotos da Terra e de si mesma ao longo do caminho.

Pouco depois das 10h15 da manhã, a Beresheet ligou novamente o motor principal para desacelerar, para que ele pudesse ser capturado pela gravidade da Lua. Agora, a sonda está em uma órbita elíptica ao redor da Lua, um caminho que leva a espaçonave entre 498 e 10.000 km acima da superfície lunar. A sonda não permanecerá nessa órbita por muito tempo. Na próxima semana, a sonda acenderá seu motor algumas vezes para tornar sua órbita em torno da Lua mais circular, descendo para 200 km acima da superfície lunar. No dia 11 de abril, Beresheet acenderá o motor novamente para sair da órbita da Lua e pousar.

Entrar na órbita da Lua foi fundamental para a SpaceIL. Se a sonda não tivesse desacelerado o suficiente, ela poderia ter perdido completamente a órbita da Lua, e podia até ter saído do sistema Terra-Lua. Isso teria efetivamente terminado a missão, já que não havia como colocar o veículo de volta nos trilhos.

Um pouso bem-sucedido na próxima semana marcará uma das primeiras grandes viagens espaciais por causa da forma como a Beresheet foi desenvolvida. Mesmo agora, o fato de estar orbitando a Lua é uma grande novidade para a história do voo espacial. Até agora, apenas três superpotências – EUA, Rússia e China – aterrissaram com sucesso veículos intactos na Lua. Beresheet foi criado principalmente com financiamento privado. A equipe tinha um orçamento global de apenas US$ 90 milhões, mas apenas US$ 2 milhões desse total vieram do governo israelense; o resto veio de investidores privados.

Tal conquista foi o objetivo final do agora morto concurso Google Lunar X Prize, uma corrida global para colocar o primeiro veículo privado na Lua e reduzir o custo das viagens espaciais. A SpaceIL foi um dos cinco finalistas nessa competição, que terminou sem um vencedor quando nenhuma das equipes conseguiu lançar antes do prazo estipulado de 31 de março de 2018. Se alguém tivesse chegado à Lua dentro do prazo, o X Prize teria concedido a eles um prêmio de US$ 20 milhões.

No entanto, a SpaceIL está preparada para receber algum dinheiro se chegar à Lua. A X Prize Foundation anunciou na semana passada que dará à organização – sem fins lucrativos – israelense um prêmio surpresa de US$ 1 milhão se Beresheet conseguiu pousar com sucesso, aumentando um pouco as apostas para o pouso.

Imagem da Terra capturada pela sonda

Após o pouso, a sonda terá a tarefa de fotografar a superfície lunar e até tirar uma selfie. Ela também está carregando um instrumento científico que medirá o campo magnético na área do local de pouso. O local de aterrissagem alvo está em um local conhecido como Mar da Serenidade, que supostamente tem “anomalias magnéticas”. A organização sem fins lucrativos planeja compartilhar essas informações magnéticas com a NASA. Em troca, a Agência espacial contribuiu com um refletor laser especial, tornando mais fácil para a SpaceIL detectar o veículo no Espaço. A NASA também planeja ajudar a se comunicar com a Beresheet, e a NASA também confirmará sua presença na Lua depois de aterrissar usando a sonda espacial Lunar Reconnaissance Orbiter que atualmente orbita o satélite natural.

Beresheet também está carregando uma carga preciosa que não serve a um propósito científico. A bordo do módulo de aterrissagem, há uma pequena “cápsula do tempo”, um arquivo digital com detalhes sobre a espaçonave e a equipe que a construiu. Além disso, uma organização conhecida como Arch Foundation incluiu sua primeira parcela de uma “biblioteca lunar” no lander, com minúsculos discos de níquel que contêm milhares de páginas de texto e imagens . A Arch Foundation decidiu incluir várias páginas da Wikipedia, bem como PDFs de livros. E, é claro, a SpaceIL colocou uma bandeira de Israel na sonda e tirará uma foto dela depois do pouso.


FONTE: The Verge

 

9 COMENTÁRIOS

  1. O Hamas protestará contra o mais novo assentamento de colonos de Israel, rerere!

Comments are closed.