O CEO da SpaceX, Elon Musk, apresentou uma versão atualizada de seus planos de colonização de Marte.

Durante uma palestra no 68.º Congresso Internacional de Astronáutica na Austrália, o novo conceito apresenta um foguete e uma nave espacial ligeiramente menores, projetados para uma gama mais ampla de aplicações além de Marte, incluindo uma base lunar e um transporte terrestre ponto a ponto. A SpaceX acabará por eliminar seus veículos Falcon 9, Falcon Heavy e Dragon, confiando em sua nova arquitetura de Marte para todas as missões.

Os planos são uma evolução do conceito de Musk revelado no Congresso Internacional de Astronáutica do ano passado em Guadalajara, no México. Essa apresentação revelou um plano audacioso para colocar um milhão de pessoas em Marte em 40 a 100 anos. O conceito atualizado não se afasta drasticamente do plano original da SpaceX, mas faz insights sobre como o novo foguete e a nave espacial – que Musk estimou custar cerca de US$ 10 bilhões para serem desenvolvidos – podem ser financiados.

O mais importante que quero transmitir nesta apresentação é que acho que descobrimos como pagar por isso“, disse Musk.

O plano de Musk para colonizar Marte gira em torno de um grande foguete, capaz de erguer uma nave espacial transportando até 100 pessoas a órbita baixa da Terra antes de retornar à plataforma de lançamento para um pouso vertical. O foguete então decola novamente carregando uma nova carga de combustível para a nave dos colonos. Em seguida os colonos partem para Marte.

Durante o pouso, 99% da energia do veículo será consumida através do arrasto da atmosfera de Marte, disse Musk, antes que a queima final do pouso coloque o veículo na superfície marciana.

Para tornar o foguete acessível, Musk disse que a SpaceX dependerá da redução de custos e da reutilização, além de combinar todos os veículos da empresa em uma única linha de produtos. “Queremos ter um foguete que substitua o Falcon 9, Falcon Heavy e a Dragon“, disse ele. “Se pudermos fazer isso, todos esses recursos podem ser aplicados a este sistema“.

Musk disse que uma nave de transporte maior aumentaria a principal oferta de negócios da empresa: o lançamento de satélites. Ele mostrou o conceito de um artista, com um foguete em Marte, colocando uma versão do Telescópio Espacial Hubble na órbita terrestre e também disse que a nave de transporte poderia capturar satélites inativos e outros destroços espaciais para retornar à Terra.

Outro possível fluxo de receita da SpaceX é o pouso na lua.

Atualmente, a NASA planeja construir uma pequena estação espacial na órbita lunar chamada Deep Space Gateway e que poderia servir de ponto de partida para parceiros comerciais ou internacionais interessados em pousar na Lua. Há especulações de que a administração Trump pode direcionar a NASA para se envolver mais nas operações de superfície, levando várias empresas a apresentar conceitos de veículos lunares que poderiam competir pelo financiamento do governo. Notavelmente, a Lockheed Martin apresentou uma plataforma para o voo até Marte e disse que o design era suficientemente flexível para aplicações lunares.

Musk também disse que um único tanque de combustível, posto na órbita terrestre, seria suficiente para o transporte viajar até a superfície lunar e retornar.

Um fluxo de receita final e extremamente ambicioso para o projeto poderia ser voos terrestres ponto-a-ponto. A SpaceX lançou um novo vídeo que descreve um voo de passageiros de 39 minutos de Nova York para Xangai.

Operando na Lua

Como no ano passado, a apresentação de Musk foi grande, mas pouco detalhada. Ele falou por menos de uma hora sem que a platéia pudesse fazer perguntas. O plano anterior da SpaceX exigia o desembarque de seu primeiro transporte em Marte em 2022. A linha do tempo que Musk de hoje é semelhante; duas naves de carga aterrariam em Marte em 2022. Em 2024 pousariam as naves tripuladas, o que significa que, na linha do tempo de Musk, os humanos poderiam caminhar em Marte em apenas sete anos.

A SpaceX é conhecido por seus prazos excessivamente ambiciosos. O foguete Falcon Heavy da empresa, que ainda esta por ser lançado, estava inicialmente programado para voar no final de 2013. Em média, as principais previsões da SpaceX atrasam em dois anos. Musk, no entanto, observou que a empresa estava no bom caminho para lançar até 30 foguetes em 2018 – aproximadamente metade das missões do mundo. Seu objetivo de usar esse sucesso para realizar seus sonhos de Marte não parece ter diminuído.

Fundamentalmente, o futuro é muito mais emocionante se formos uma civilização espacial“, disse ele.


FONTE: Planetary Society

16 COMENTÁRIOS

  1. Louváveis os planos do Musk, porém (na minha opinião de leigo) creio que a exploração espacial ficará bastante tempo estagnada enquanto depender da propulsão tradicional baseada na Terceira de Lei de Newton. Imagino que o futuro para tais viagens residem no plasma ou na manipulação do eletromagnetismo e supercondutores.

    • Concordo e compartilho do seu entusiasmo com a 'nova' corrida especial'.

      Acredito que a inovação e o desenvolvimento têm destino inexorável. Conforme as metas se tornam mais ambiciosas e os métodos tradicionais alcançam sua performance máxima, abre-se a oportunidade das inovações, de forma natural e sustentável.

      Os maiores desafios da humanidade não serão as leis da física ou da química, mas o próprio ser humano, que em regra prefere perseguir, achacar e menosprezar os pioneiros, mesmo que no futuro se esbalde com as respectivas invenções… São emissárioss do obscurantismo: menosprezam conhecimento e temem os que são mais sábios.

      • Será que um dia a Propulsão de Alcubierre se tornará realidade? Creio que seja possível num espaço de 100 a 200 anos, a questão é: existirá uma sociedade humana organizada até lá?

    • As ciências exatas, com o devido tempo ou esforço, pode ser compreendida, mas a humanidade é complexa demais…

      Mas não custa sonhar né? Tomara que eventuais filhos, netos e bisnetos vejam um salto tecnológico ainda maior do que a nossa geração viu!

  2. Isso é um misto de charlatanismo com loucura e muita experteza.
    Quem é que está interessado em explorar outos planetas, o pior é que com esta conversa vai recebendo recursos.

    • Recebendo recursos de quem???

      Meu amigo o dinheiro é dele e sendo assim ele faz o que quiser. Os negócios dele são dos mais variados e o cara sabe fazer dinheiro explorando nichos poucos visados, ele faz negócios com o governo americano e também com a NASA mas não recebe "recursos" de ninguém, lá as coisas não são como aqui, é mais fácil conseguir as coisas com mérito próprio do que com "cumpanheirismo".

      • Ele pode desenvolver projetos com seu dinheiro, mas não pode bancar a execução de um mega programa como este, ele só vai executar esta maluquice se arrumar um otário para bancar.

        • Olha, o cara tá ganhando bastante dinheiro com lançamento de satélites. Fez em poucos anos o que o dito "Programa Espacial Brasileiro" não conseguiu até hoje.

  3. Legal mas isso e nada é a mesma coisa, o Musk é um fanfarrão.

    Caso não saibam, é a NASA por incrivel que pareça, aos trancos e barrancos, que está na frente da engenharia que levará algum dia o homem a Marte.
    Foi a NASA que deu um motor de foguete para a SpaceX, lá no inicio, para que ela iniciasse as atividades de pesquisa e etc.
    Acho legal e espero que algum dia a inciativa privada assuma a corrida espacial, mas não vejo isso nos próximos 300 anos, so se houver muita mudança.
    Se forem pra Marte nesse século, será algum governo ou com dinheiro público financiando.

  4. A iniciativa privada só irá investir massivamente na exploração espacial, quando essa obtiver retorno financeiro. Isso irá ocorrer com o tempo, assim como o lançamento de satélite era um empreendimento basicamente estatal no passado e está passando para empresas privadas devido aos lucros.
    Nada mais que um camilho natural de todas as iniciativas exploratórias de alto custo. Mas ainda vejo, pessoalmente, como algo relativamente distante.

    • Concordo.

      O empreendimento deve ser economicamente viável.

      Acho que um misto de turismo espacial, produção em gravidade zero e exploração de algum recurso natural seria a saída.

  5. Enquanto isso a humanidade vai libertando carbonos aprisionados a 400 milhões de anos e na outra mão , vai matando todos seres Bio-sintetizadores , começando pelas florestas , algas e fitoplânctons (com as mares vermelhas e zonas da morte ), estão cuidando dos dentes e deixando as vísceras apodrecerem !

  6. O sujeito é um fanfarrão, a cara do seu tempo. Faria muito mais sentido buscar uma permanência continuada na Lua, com um projeto multinacional.

Comments are closed.