Os jatos de treinamento C-101EB são usados na tarefa de treinamento desde a década de 70.

O Ministério da Defesa da Espanha demonstrou forte interesse em encontrar uma nova aeronave de treinamento militar totalmente desenvolvida para a Força Aérea Espanhola (Ejército del Aire) visando substituir as atuais frotas de treinadores C-101EB Aviojet e também dos F-5 que são usados para treinamento. A Airbus disse que pode projetar e desenvolver a nova aeronave que estaria operacional até 2025.

Embora o tempo seja realmente curto e o financiamento incerto, a Airbus Espanha parece confiante em poder desenvolver esta nova aeronave e colaborar com outras empresas espanholas para o equipamento de missão da aeronave. A espera agora é que o Ministério da Defesa especifique ainda mais seus requisitos.

“Oferecemos um sistema de treinamento abrangente, no qual o avião é apenas uma parte”, disse Fernando Alonso, presidente da Airbus Espanha, em um evento organizado pelo New Economy Fórum. A aeronave seria um treinador híbrido entre o C-101 e o F-5, com um nariz mais alongado para conter um novo radar.

Jato F-5B Freedom Fighter usado pela Força Aérea Espanhola para treinamento.

A nova aeronave está planejada para fazer parte do chamado programa Sistema Integrado de Ensino em Voo (ITS) que, além da própria aeronave, consistirá de um simulador de cabine, simuladores de voo e ensino auxiliado por computador. Mas a Airbus disse que o jato possivelmente será também oferecido para o mercado externo, buscando assim uma ajuda para baixar os custos de desenvolvimento.

“Estamos esperando que o Ministério da Defesa da Espanha nos diga que tipo de avião quer, com quais benefícios e que ações eles precisam. Com isso podemos definir o avião e avaliar o que vai custar e quais serão os prazos de desenvolvimento”, acrescentou Fernando Alonso. Portanto, a ideia é que é um avião completamente novo e será fabricado na Espanha.

Dentro deste projeto, a Airbus iria trabalhar no desenvolvimento do avião e um grupo de empresas espanholas, entre os quais Indra, GMV ou CESA contribuiriam com a sua experiência no projeto de sistemas e fornecimento de equipamentos essenciais, como, por exemplo, simuladores de voo, no caso da Indra.

O CASA C-101 Aviojet são usados também pela Patrulla Aguila, a equipe de demonstração aérea da Força Aérea da Espanha.

Mas a CASA não existe mais e a Airbus é um consórcio no qual a França e a Alemanha também participam, com um percentual de participação de 10% cada, comparado a 4% na Espanha. E para complicar a situação, a Airbus Alemanha está projetando outra aeronave para substituir o C-101. Isso significa que, por um lado, há competição e, por outro, que qualquer que seja o modelo finalmente escolhido, pode não ser desenvolvido inteiramente na Espanha.

Construído pela antiga Construcciones Aeronáuticas S.A. (CASA), o primeiro voo do C-101EB ocorreu em 1977, e a retirada do jato está programada para 2021, o que significa que se tudo correr conforme o planejado, uma solução de quatro anos precisa ser encontrada para garantir a continuidade do treinamento de pilotos de jato.

8 COMENTÁRIOS

  1. Nessa Hydra chamada Airbus, há muitos interesses paralelos para dar certo. A Cia fica em segundo plano.

  2. Vão precisar de um aparelho com alcance longo, como é o caso dos C-101,que é um aparelho estupendo.
    Não acho improvável ser o primeiro cliente internacional do T-X.

  3. O C-101 é o treinador avançado nível T-27/T-6 e o SF-5B é para formação de caçadores, o único avião que pode substituir os dois hoje é o PC-21 que é treinador avançado na Austrália que usa o Hawk 127 para formar os caçadores e forma caçadores na França e Suiça.

  4. Os italianos estão doidos para vender uns M-345 (aqueles M-311/SIAI Marchetti S.211 guaribados) dentro da Europa. Olha a chance, já que espanhol sozinho não faz nada…

Comments are closed.