Aeronave comercial C919 da fabricante chinesa COMAC.

A Ethiopian Airlines considera adicionar a aeronave de fabricação chinesa COMAC C919 à sua frota. A companhia aérea africana formou um comitê conjunto com a fabricante chinesa para examinar a adequação da aeronave à frota etíope. A companhia africana ainda pretende cancelar seu pedido de aeronaves 737 MAX da fabricante Boeing.

“Nossos engenheiros estão trabalhando com engenheiros da COMAC para avaliar a adequação dos aviões C919. A Ethiopian está atualmente considerando adicionar os aviões C919 à sua frota de aeronaves quando os aviões estiverem prontos para vendas”, disse o presidente-executivo Tewolde Gebremariam à agência de notícias chinesa Xinhua.

Gebremariam também confirmou que a futura cooperação das duas empresas não estaria limitada a encomendas de aeronaves. A companhia aérea está em conversações com o governo chinês para transformar Adis Abeba em um centro de tecnologia de aviação na África.

“A Ethiopian Airlines está trabalhando com o governo chinês para tornar Addis Ababa um centro de aviação entre a China e a África. Addis Abeba não será apenas um ponto de transferência de tráfego aéreo e de carga, mas também um centro para o crescimento da tecnologia de aviação chinesa na África”, acrescentou Gebremariam.

A Ethiopian Airlines opera atualmente voos regulares de passageiros e carga de Adis Abeba para Guangzhou, Pequim, Chengdu, Hong Kong e Xangai.

O C919 é o primeiro avião de passageiros construído na China. O programa de desenvolvimento foi lançado em 2008 e a aeronave realizou seu primeiro voo em 5 de maio de 2017 mas o avião ainda está em processo de certificação.

O C919 da COMAC acumulou até agora 305 pedidos firmes com 703 opções. Seus clientes são principalmente operadores de companhias aéreas chinesas. As primeiras entregas comerciais começarão em 2021 com o cliente de lançamento China Eastern Airlines.

A aeronave destina-se a competir com os jatos da família A320neo da Airbus e com os jatos da série 737 MAX da Boeing.

Em 5 de abril, o presidente etíope disse que sua empresa cancelaria um pedido existente de 25 aeronaves Boeing 737 MAX 8 depois que um de seus jatos do mesmo tipo caiu em Addis Ababa durante a decolagem.

A Boeing admitiu que tanto o acidente da Lion Air quanto o da Ethiopian foram causados ??pelo sistema anti-estol da aeronave, conhecido como MCAS.

Anúncios

11 COMENTÁRIOS

  1. Hoje, hoje, antes de adquirir uma passagem aérea, se souber que a aeronave é chinesa ou russa, troco de companhia.
    O senhor tempo terá que dizer se é segura, principalmente no caso dos chineses que são novatos nesse segmento.

  2. Se a China fizer um bom pós-venda, prevejo turbulências para Boeing e Airbus.

    • Esta aeronave está sendo desenvolvida, inclusive, com sistemas, componentes e subcomponentes ocidentais, justamente, para diminuir as dificuldades de certificação no ocidente.

  3. Cruza entre Airbus e Bombardier = C919

    Mas ta SERTINHO, prezar pela segurança e comprar produto chines, o primeiro que está em fase de certificação. Nem falo nada. Acho que essa ethiopian só está fazendo teatro para ter publicidade e dizer que preza pela segurança. (Não, que não preze).

    • Nos liste problemas com aviões chineses, mas problemas reais e não fofocas

Comments are closed.