Su-30SM – VKS, Foto - Maxim Stankevich
Segundo as informações que tem sido divulgadas, o Irã estaria interessado no Su-30SME, que é a variante de exportação do Su-30SM (acima) empregado na Rússia pela VKS e AVMF / © Maxim Stankevich, em caráter ilustrativo

O subsecretário de Estado dos EUA para Assuntos Políticos, Thomas Shannon, declarou nesta terça-feira (5) que seu país vai usar seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para bloquear qualquer venda de caças Sukhoi Su-30 ao Irã.

“Nós não aprovaremos a venda”, afirmou Thomas Shannon durante uma audiência da Comissão de Relações Exteriores do Senado americano, destacando que “uma eventual venda de aeronaves de combate ao Irã vai requerer aprovação prévia por parte do Conselho de Segurança das Nações Unidas”.

ENTENDENDO A SITUAÇÃO

Conforme o Cavok já havia informado, no último dia 16 de janeiro, o Conselho de Segurança da ONU suspendeu suas sanções contra o Irã depois que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou que o país cumpriu as exigências para iniciar o acordo nuclear pactuado em 14 de julho de 2015 com as potências do chamado Grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha).

Com o fim das sanções, entretanto, e atendendo ao que foi negociado e pactuado entre o Grupo 5+1 e o Irã, passou a vigorar a Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, o texto com o qual o principal órgão de decisão da ONU ratificou o acordo nuclear em 20 de julho do ano passado.

Segundo essa resolução, algumas medidas contra o Irã continuarão em vigor, como é o caso do embargo de armas – que se manterá durante cinco anos – e da proibição de importar compostos para seu programa de mísseis balísticos, que se estenderá por mais oito anos.

No que tange ao embargo de armas, a resolução explicitamente proíbe carros de combate, veículos blindados de combate, sistemas de artilharia de grande calibre, aviões de combate, helicópteros de ataque, navios de guerra.

Sistemas como o S-300 não estão inclusos na Resolução 2231 pelo fato do mesmo se enquadrar como sendo defensivo (terra-ar). No Registro de Armas Convencionais das Nações Unidas, entretanto, os caças Sukhoi são qualificados como ‘aeronaves de combate’, portanto, a venda destes itens ao Irã exige a aprovação e análise prévia, caso-a-caso, por parte do Conselho de Segurança.

Para baixar uma cópia em pdf (104 páginas) da Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, aprovada em 20 de julho de 2015, clique aqui.

Su-30M2 – VKS, Foto - Alexander Lebedev
Outras fontes também indicam que o modelo da caça pretendido pelo Irã é o Su-30MK2, que é a variante de exportação do Su-30M2 empregado na Rússia pela VKS / © Alexander Lebedev, em caráter ilustrativo

Para maiores informações, recomendamos a releitura dos artigos abaixo:

divider 1

FONTE: Reuters

EDIÇÃO: Cavok

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Vendem as aeronaves. "Entregam" em dois anos. Incorporam a VKS. Treinam os pilotos e mecânicos. No dia seguinte ao fim do prazo, pousam em Teerã. Resolvido.

    Os Eua fazem o mesmo com as b-61 na europa.

  2. Pelo jeito, o Irã vai ter que continuar apelando para meios de guerra assimétricos para exercer alguma dissuasão, por mínima e precária que seja, naquela região (mísseis, minissubmarinos, "ekranoplanos" (!) etc.)

  3. Com o desespero que os russos estão por vendas, eles vão dar um jeito para vender esses caças. Desde que o Irã pague por isso, pois nós vemos bem como os russos são chatos com caloteiros, basta lembrar os Mi-35 da FAB…

  4. Boa tarde Senhores!

    para ser sincero, acho que a Rússia ou China não estão preocupados com o veto americano…na verdade me parece que China e Rússia estão " kagando e andando para o que opina os EUA". Vide o lance das ilhas do pacífico, Ucrânia, Siria…

    Se eles quiserem vender e os iranianos desejarem pagar o preço (claro terá que valer a pena o preço para por desobedecer a resolução), a venda vai sair e os EUA, UK, França vão gritar e só isso. Na verdade vão lamentar ter perdido eles a oportunidade de vendas.

    CM

    CM

    • A diferença nesse caso, Moreno, é que a Rússia foi um dos países responsáveis pela elaboração da resolução 2231, de forma que é improvável que eles mesmos sejam os primeiros a descumpri-la. Nesse momento, os russos negociam a suspensão das sanções internacionais impostas à Rússia decorrentes da crise com a Ucrânia. Não creio que desafiar uma resolução da ONU seja uma medida inteligente por agora. Creio que, com relação ao Irã, eles garantem o negócio, mas colocam o prazo de entrega para se iniciar após o prazo da resolução 2231 estar expirado.

      Não estou dizendo que é impossível desafiar a resolução 2231, mas os russos tem demonstrado compromisso com as resoluções da ONU já há algum tempo, haja vista, por exemplo, deixaram de entregar o sistema S-300 ao Irã enquanto havia uma proibição em curso, mesmo tendo recebido o pagamento.

  5. Esse prazo de 5 anos não é nada.Antes de 5 anos, os Russos vão começar a treinar os pilotos Iranianos, quando completar 5 anos é só pegar SU-30 e voar para Teerã.

Comments are closed.