Caça Sukhoi Su-35 Flanker. (Foto: UAC)

Um funcionário da administração federal dos Estados Unidos alertou o Egito contra a compra do caça Su-35 e armamento relacionado que estariam sendo negociados com a Rússia.

“Em termos da crescente influência russa na região, isso é obviamente algo que nos preocupa bastante. Não vemos muitos benefícios materiais para compromissos com os russos”, disse a autoridade na segunda-feira. “Nós apenas encorajar os egípcios a se voltarem mais para o Ocidente, em direção aos Estados Unidos”.

Segundo ele, Washington já enfrentou a mesma situação com a China, a Índia e a Turquia. O funcionário explicou que a Lei de Sanções Contra Adversários da América, ou CAATSA (Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act) está em vigor nos Estados Unidos. O documento prevê medidas de retaliação para os países que realizam transações com os setores de defesa ou inteligência da Rússia.

“O presidente vê o relacionamento com o Egito, como ele faz com todos relacionamentos com países estrangeiros, através das lentes da America First e o que serve ao nosso interesse”, disse o funcionário.

O funcionário disse que o governo está encorajando o Egito a desenvolver instituições democráticas enquanto está atento aos interesses de segurança dos EUA.

De acordo com relatos da mídia nas últimas semanas, o Egito compraria “mais de duas dúzias” de jatos Su-35 da Rússia. O Egito assinou um acordo de US$ 2 bilhões com a Rússia para compra de mais de 20 caças Sukhoi SU-35, além de armas para a aeronave. O jornal russo Kommersant informou em 18 de março que a aquisição aumentará significativamente o potencial da Força Aérea Egípcia ao lado das entregas do MiG-29M/M2, que estão em andamento.

Além disso, os Estados Unidos querem expandir sua parceria antiterrorista com o Egito, considerando que o terrorismo continua sendo uma ameaça significativa à estabilidade do país, disse uma importante autoridade do governo em coletiva de imprensa.

“O terrorismo é uma ameaça muito significativa para a estabilidade do Egito, da Líbia e do Sinai, então eles estão posicionados de maneira única para responder a toda uma série de ameaças naquele teatro. Para nós, é uma parceria muito importante que queremos expandir”, disse a autoridade na segunda-feira.

O funcionário observou que o Egito tem um importante papel diplomático na negociação com o Hamas e está trabalhando para persuadir o movimento palestino a cumprir as condições que os afastariam de ser considerado uma organização terrorista.


Fonte: defense-blog

Anúncios

14 COMENTÁRIOS

  1. Os americanos cada vez mais se enrolando com sua arrogância extra-territorial tentando IMPOR suas regras e interesses a outros países…

    É oito ou oitenta, ou enquadra o servo colonizado (perdão, digo, aliado ocidental) ou o atira aos braços dos russos e chineses…

    A administração Trump continua a fazer seu perfeito trabalho de DEMOLIR todos os fundamentos da liderança econômica e política mundial dos EUA construída a partir do fim da Primeira Guerra Mundial.

    Vai acabar falando sozinho ou batendo papo só com os Britânicos…

    • Servo colonizado como os sul-coreanos, japoneses, australianos, israelenses… Países pobres e miseráveis, populações famintas.

      Bom mesmo é ser bielorrusso, norte-coreano, venezuelano ou cubano e usufruir de todas as maravilhas que só o socialismo pode proporcionar.

      • Não tem absolutamente nada a ver o que vc falou. O cara está falando de política externa. Não está falando de política econômica e muito menos sobre colonialismo (nenhum dos países citados foi "colonizado" pelos EUA, são aliados, cada um com sua história )

        • O fim de todas as políticas públicas é o bem estar do cidadão.

          Quem usou a expressão "servo colonizado" foi ele. Ele disse que esses países são servos colonizados e não aliados.

          • Como forma de colonialismo "moderno" podemos listar o Havai (Que possui um forte desejo de independência), Porto Rico, Ilhas Marshall, Panamá(Canal do panamá) ,Guam e no caso a ilha rebelde de Fidel que eles só conseguiram abocanhar um pedaço! Todos esses vivendo sobre o manto protetor da águia de cabeça branca!! hehehehehe

            • O que isso tem com o caso é um mistério.

              Forte desejo de independência faz de uma região colônia. Logo, o RS é uma colônia do Brasil.

              Vamos a lista de países imensos e superpovoados.

              O canal do Panamá foi devolvido fazem 20 anos. Péssimo negócio, trocaram mato por uma das maiores obras de engenharia da história. Um prejuízo.

              As ilhas Marshall independente há mais de 30.

              Porto Rico votou em 2017 pela anexação aos EUA. Colônia com certeza.

              Acho que vc não tem lido jornais nas últimas décadas.

    • """Servo colonizado""" Já tira toda a credibilidade do cara na segunda frase.

      Vai na Alemanha e veja como os "servos" estão, só duzentos anos na nossa frente em tudo……

  2. Acho que querem uma nova "SituacaoTurquia". Pior que o restante do Ocidente é praticamente obrigado a entrar nesses embates. E acho interessante também como os americanos "apertam" os países islâmicos…e só…

    Depois reclamam que os caras não gostam deles…

    • O problema da Turquia foi com a UE, em especial com a Alemanha e França.

      Já disse isso várias vezes, basta jogar no Google e ver.

      O regime de Erdogan é que se afastou. Vamos nos informar.

      • Falei em "Situação Turquia" de forma mais generalizada mesmo, não busquei um paralelo perfeito.

  3. Então os cidadãos americanos não podem mais comprar Mercedes, BMW, Jaguar, Land Rover, Audi, Ferarri, Alfa Romeo.
    Só poderão comprar Veiculos Ford e GM.
    Sugestão para o Egito.
    Compramos cada SU35 por 60 milhões, voces vendem o F35A por 50 milhões?
    Se venderem desistimos do negócio com a Russia?
    Até agora duass aeronaves F35, que seriam a Pica das Galaxias já cairam.

  4. Então os cidadãos americanos não podem mais comprar Mercedes, BMW, Jaguar, Land Rover, Audi, Ferarri, Alfa Romeo.

  5. Esse é o melhor caça 4,5G da atualidade, na minha opinião, letal. O Egito quer ter uma carta na manga para ter soberania no seu território. Assim, eles não ficam escravos do Rafale, o qual só funciona os seus armamentos se tiver o consentimento dos EUA, como no episódio dos mísseis Scalp. A Índia, também tem caças de diferentes fabricantes para não ficar refém de um só vendedor. Até porque os caças ocidentais, todos, tem que rezar a cartilha dos EUA porque, do contrário, os caças viram mingau de aveia. E vice e versa. Contudo, nada contra os caças ocidentais, eu sempre defendi o SH para a FAB, antes, mas agora qualquer coisa nova já está bom. Os Flankers são ótimos, também, o J-10, EF-2000… não tenho nenhuma neura com isso. Aprendi a simpatizar com o gripen ng, porque tem materiais de qualidade, tem componentes que coadunam com os fornecedores de materiais eletrônicos, turbina GE, AEL… com SH, e etc. Mas, sempre é interessante ter mais de um tipo de caça e fornecedores independentes para não ficar na mão em alguma eventualidade.

  6. Eu acho que isso tem mais haver com estrategia de defesa. Se por um acaso o Egito entrar novamente em guerra contra Israel, quem vocês acham que os EUA vão apoiar??? Tendo todo seu equipamento americano, não sera surpresa se os EUA passarem os codigos fontes para os israelenses derrubarem todos os aviões do Egito, mesmo sendo aviões americanos. Tendo material russo a coisa fica mais equilibrada.

Comments are closed.