Os EUA têm aumentado a pressão sobre a Índia em relação ao acordo S-400 assinado em outubro do ano passado. O F-35 poderá estar em uma proposta para Força Aérea e Marinha Indiana.

Os EUA poderiam oferecer o caça F-35 de quinta geração tanto para a Força Aérea quanto para a Marinha da Índia, se o acordo de US$ 5,43 bilhões com a Rússia para o sistema de defesa aérea S-400 for deixado de lado.

Os EUA têm aumentado a pressão sobre a Índia em relação ao acordo S-400 assinado em outubro do ano passado, com altos funcionários de Washington dizendo que isso teria um impacto direto em qualquer cooperação de alta tecnologia no futuro.

A Índia está acompanhando de perto o que acontece com a Turquia, aliada da OTAN, que já se inscreveu para adquirir o sistema S-400 e foi ameaçada pelos EUA com sanções e com o cancelamento de seu contrato para os F-35.

Líderes do setor, bem como funcionários dos EUA, estão visitando a Índia, mesmo com o fechamento do prazo de ação contra a Turquia. O Ministério da Defesa da Índia, enquanto isso, deverá avançar em breve na aquisição de 110 caças para Força Aérea no âmbito de um programa de parceria estratégica. A Marinha também está preparando os requisitos técnicos para a próxima compra de 57 aeronaves de combate.

Embora nenhum pedido oficial tenha sido recebido da Índia e o F-35 não tenha sido oficialmente oferecido pelos EUA, a aeronave pode ser lançada como a única plataforma aérea que será equipada e atualizada para vencer os sistemas de defesa aérea S-400. que também foram adquiridos pela China.

Como a Turquia, a Índia manteve-se firme na compra do S-400, mas se sabe que apenas pagamentos parciais foram feitos por Nova Délhi, dadas as sanções bancárias que já estão em vigor para lidar com entidades de defesa russas. Acordos mais severos do CAATSA (Ato de Sanções dos EUA contra Adversários) também foram sugeridos contra nações que compram o S-400 da Rússia.

Embora houvesse uma impressão de que os EUA poderiam dar isenções do CAATSA para Índia relativo ao S-400, recentes declarações de Washington sugerem que esse não seria o caso.

A posição dos EUA tem a intenção de não permitir que suas modernas aeronaves de combate sejam operadas em um ambiente onde a S-400 também esteja operacional, já que seria capaz de mapear essas aeronaves, permitindo atualizações de software e modificações para melhorar o desempenho.

Em um esforço para afastar a Índia do S-400, os EUA já ofereceram seu NASAMS II (Sistema Avançado Nacional de Mísseis Superfície-Ar) para proteger a região da capital nacional contra mísseis balísticos. Além disso, os EUA também estão em conversações com seus avançados sistemas de defesa Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) e Patriot Advance Capability (PAC-3) com a Índia, embora esses investimentos sejam significativamente mais altos do que o sistema S-400.


Fonte: Economic Times

Anúncios