Maquete do NGF (Next Generation Fighter) apresentado pela Dassault durante a Euronaval 2018. (Foto: Xavier V / Navy Recognition)

A empresa francesa Dassault Aviation mostrou um modelo do caça da sexta geração Next Generation Fighter (NGF) na exposição Euronaval 2018, na França, que eventualmente substituirá os caças Rafale e Typhoon entre 2035 e 2040.

As fotos foram publicada pelo editor da agência oficial de temas militares Navy Recognition no Twitter.

O futuro caça de sexta geração tem um alto nível de furtividade, design de asa em forma de W, capacidades de rede altamente integradas, eficiência em todos os modos de voo, armas laser e outras.

A nova aeronave poderá ser operada tripulada ou não e poderá se adaptar às ameaças aéreas contemporâneas e explorar o potencial da inteligência artificial.

O layout mostra que o avião está equipado com dois motores. Isso lhe dará mais potência e velocidade em comparação com o caça furtivo americano de quinta geração F-35, monomotor.

É provável que o novo projeto de jato de caça esteja sendo desenvolvido como parte do Futuro Sistema de Combate Aéreo da Europa (FCAS). O CEO da Dassault Aviation, Eric Trappier, disse que a Airbus e a Dassault decidiram se unir para garantir que a Europa mantenha o controle sobre seus futuros sistemas de armas.

O desenvolvimento do novo caça é realizado em conjunto por designers alemães e franceses. Segundo os desenvolvedores, levará cerca de vinte anos para criar uma super aeronave. Ele substituirá os caças Dassault Rafal e Eurofighter Typhoon.

Anúncios

33 COMENTÁRIOS

  1. Parece incorporar algumas tecnologias iranianas…de tão evoluído que parece ser…rsss
    Mas por carregar a grife Dassault, há que se respeitar.
    Que seja real, seria o ‘pulo do gato’ dos franceses com sua tradicional soberba perante o mundo.

    • No mínimo, sabemos que ao contrário do Qaher esse irá voar…

  2. Franceses sendo franceses ou seja, querendo impor aos outros (aqui os alemães) os seus próprios requisitos operacionais. Bem fizeram os britânicos ao se antecipar e lançar um proposta bem mais factível na forma do BAe Tempest.

    • Bem mais "stealth" que os 5a geracao, verdaeiro 6a geracao. Parabens Dassault e seus parceiros alemaes. Ah e aquele mockup de madeira balsa que a BAe mostrou, ja ficou obsoleto sem nem ter nascido. Os americanos ja estao pressionando o Reino Unido a abandonar aquilo e comprar mais F-35s….e eles serao forcados a obedecer, eventualmente por causa do BREXIT…amadores…

      • A derrota do Rafale, escolha "político-etílica" do atual presidiário pelo visto ainda o traumatiza…

        A verdade é que o Mock Up apresentado pela BAe no Salão de Farnborought representa um projeto de caça de 6ª geração muito mais factível que a maquete apresentada pela Dassault agora! E não custa lembrar que ao contrário da Dassault e da Airbus a BAe Systems possui um trabalho muito mais consistente no campo de aeronaves furtivas pois além de ser a única parceira nível 1 do programa do F-35,sendo responsável por 15% do design do aparelho, também desenvolveu nos anos 90 o protótipo BAe Replica e mais recentemente o BAe Taranis, um UCAV furtivo. Aliás uma comparação do BAe Taranis com o Dassault Neuron mostra que o aparelho britânico possui linhas bem mais furtivas….

        No mais a acusação de que os americanos estariam pressionando os britânicos a abandonar o Tempest é absolutamente risível! Na verdade o que vemos é outros fabricantes como é o caso da Boeing e da SAAB interessadas em participar do projeto:
        http://www.cavok.com.br/blog/boeing-e-saab-intere

        A propósito a entrada de ar da maquete francesa se mostra nada furtiva, podendo representar um inaceitável aumento de RCS quando comparado com o projeto britânico. Esses franceses estão se revelando uns amadores…

        • Continuas com a proverbial falta de respeito e nhenhenhem,
          Se o Brasil tivesse aceitado à época a escolha política pelo Rafale e não tivesse a turma do japonês que torcia para a rlrição do Serra Bolinha (hoje de pijaminha) não tivesse sabotado a escolha feita pelo então PREDIDENTE Lula, hoje a FAB estaria voando um vetor de verdade como os aviadores do Egito e dos EAU.
          Quem sabe antes de 2030 a FAB possua uma meia esquadrilha de seis aeronaves Gripen E-BR…
          Ou se teu ídolo coiso for eleito no domingo ele troque os caças suecos que não chegam nunca por modernos F-16 americanos via AMARG e possa ao recebê-los bater mais uma continência servil a bandeira americana.
          Quanto a sua opinião sobre o projeto britânico ser mais factível que o francês, só se pode dar uma sonora gargalhada pois os britânicos mal das pernas e fora da zona euro não tem a menor capacidade econômica. militar ou de investimento para bancar qualquer projeto de aeronave só para si. Como bom satélite americano torça para que o F-35 se acerte e que os americanos tenham SENSO e atualizem os projetos de suas aeronaves de 4ª geração (F-15 e F/A-18) para ter uma espinha ou plano B enquanto as capacidades propaladas dos F-22 e F-35 não dão as caras nos teatros de operação militar reais…
          Os americanos querem participar do projeto Tempest para quebrá-lo por dentro da mesma velha maneira que participaram dos estudos para uma nova versão do Harrier que foram IMPLODIDOS em prol dos F-35B que equiparão a nova geração de NAes britânicos.
          Engraçado como acreditas nas bobagens que você palra sem cessar…

          • Meu caro Giba, você também perdeu uma excelente oportunidade de sofrer em silêncio…..

            Primeiramente não se trata de falta de respeito e sim dos fatos! seu ídolo, o aiatolá do ABC, atualmente encontra-se preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba visto ter sido condenado a 9 anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e tipo penal previsto na Lei 12.850/13 (Lei de Organizações Criminosas), pena que foi majorada para 12 anos e um mês após julgamento em segunda instância no TRF4. E cumpre lembrar que ainda é réu em mais 06(SEIS) processos criminais…..

            A respeito do FX-2 é sempre bom recordar que a escolha "político etílica" do iluminado de Garanhuns foi feita sem que sequer fosse recebido o relatório da FAB que colocava o caça francês em último atrás do F/A-18E/F e do Gripen E conforme revelado pela imprensa. Ou seja, a malfadada opção estava em total desacordo com a disciplina contida na Constituição Federal de 1988, a Lei 8.666/93 e o Decreto 2.295/97. Por fim, felizmente a A FAB adquiriu o caça que queria, com a ToT que desejava, e ainda conseguiu incluir no aparelho a WAD que ampliou em muito a consciência situacional do aparelho e é produzida aqui no Brasil pela AEL/Elbit. E ainda cumpre lembrar que há engenheiros brasileiros hoje na SAAB aprendendo sobre o processo de fabricação do aparelho.

            De igual forma a nossa força aérea também poderá integrar em seus Gripens as armas que desejar, sejam elas de procedência brasileira, norte-americana ou israelense.

            Por outro lado, se a escolha “política-etílica” houvesse vingado teríamos uma legítima “rainha de hangar” que apenas usa armas e sensores de origem francesa. Negoção (tal como a Kombosa de MGB bichada e o "SUBNUNCA" atualmente sob escrutínio da Lavajato) não é!? E ainda falando na malfadada opção do presidiário cabe uma correção: quem adquiriu o aparelho foi o Qatar, que para se garantir também comprou os F-15E e os Typhoons, e não os EAU. Esses últimos preferiram comprar mais jatos F-16E Desert Falcon depois de esfregarem na cara dos gauleses que o caça da LM era mais capaz que o Rafale, especialmente no tocante ao radar. Chato né!?

          • Quanto ao projeto britânico eu lastreio minha opinião em fatos e não em meros achismos afinal estamos falando no maior terceiro maior conglomerado de defesa do mundo (BAe Systems) que já possui firme experiência em aeronaves furtivas pois como afirmado antes é responsável por 15% do projeto do F-35 além de ter desenvolvido ainda nos anos 90 o protótipo do BAe Replica e mais recentemente o UCAV BAe Taranis. E some-se a isso a presença do segundo maior fabricantes de motores do mundo (Rolls Royce) e do braço britânico da Leonardo italiana, responsável pelo CAPTOR E que irá equipar os Typhoons dos países participantes do consórcio. E enquanto no continente os franceses empurram goela abaixo dos alemães os seus próprios requisitos para que os teutônicos os financiem o projeto inglês atrai interessados. Não apenas a Boeing e a SAAB manifestaram interesse como antes mesmo do projeto ser revelado os governos de Londres e Tóquio haviam firmado entendimento no sentido de desenvolver um novo caça furtivo: http://www.cavok.com.br/blog/japao-e-reino-unido-

            Por fim meu caro Giba, tanto o F-22 quanto o F-35 são realidades concretas ao contrário do Su-57 russo e dos J-20 e J-31 chineses. Na Síria os Raptors frequentemente têm se aproximado dos jatos de ataque russos sem que as escoltas de Su-35 possam fazer qualquer coisa a respeito salvo tirar foto pelo IRST depois do fato consumado para que a notória Sput(pe)nik possa fazer o seu teatrinho engana trouxa. E os F-35 não apenas recentemente decolaram de um LHD no Oceano Índico para atacar um alvo no meio da Ásia como recentemente atacaram e destruíram alvos da teocracia fascista iraniana na Síria perto da fronteira do Iraque sem que os S-400 russos tenham visto.

            Engraçado como você acredita nas bobagens que palra sem parar meu caro Giba…..

          • – Estariam dentro do hangar enferrujando.

            – Quem assinou o contrato foi a Dilma, o poste número 1 do Lula. Reclame com ela a demora o Gripen.

            – Quem não respeita contratos, leis, constituição ou até a esposa falecida é seu ídolo. Por isso, está preso.

            – Vc não entende nada de economia. Puro achismo.

            – Os EUA iniciam os requisitos do caça 6G. Se informe.

            – Mais achismo.

        • Engraçado que acreditam que a Kai, a Mitsubishi, as traquitanas chinesas e até a Tai podem projetar caças.

          Mas a Bae, que é a terceira maior empresa de defesa do planeta, não pode.

      • O Tempest tem requisitos completamente diferentes do F35.

        É impossível a substituição.

        A propósito, os americanos participam de reuniões para acompanhar o projeto de forma avaliar seu próprio caça 6G.

  3. Muito bom! Ao contrario do Tempest, que eh somente um desejo da BAe, esse eh um programa real de cooperacao entre a Franca (Dassault) e Alemanha (Airbus) onde a Franca entra com toda a sua expertise em desenvolvimento autoctone de cacas e a Alemanha se beneficia disso, podendo contribuir com sistemas (motor, eletronica, sistemas mecanicos etc.). Lembrando que ha um grande acordo de cooperacao motivado pelo BREXIT, entre a Alemanha e a Franca, onde estao dividindo responsabilidades e liderancas para Fazer melhor uso das capacidades de cada pais. Entao, frances entende mais de aviacao de caca, vai liderar o programa, alemao entende muito de carros de combate, vai liderar o novo MBT germano-frances e por ai vai. O VANT MALE dos dois tem lideranca da Airbus alema. UK esta de fora porque quis….

    • Não há cooperação alguma aqui, mas apenas os franceses empurrado seus requisitos aos alemães para que estes abram o talão de cheque! Basta ver que recentemente os gauleses propuseram aos belgas, que não têm porta-aviões, que finaciassem parte dos Rafales navais. Isso que eu chamo de cara de pau….

    • "a Airbus na área militar só faz coisas repletas de problemas, caríssimas de operar e que não cumprem com os requisitos" kkkkkkk

      • Substituindo o só por "em regra", é verdade:
        Caros, problemáticos e que não cumprem requisitos
        – A400M
        – NH-90 (2/3)
        – EC-725
        – Tiger

        Outros com algum "senão"

        Exceções:
        – A330 MRTT
        – EC145

        • Maldade, eu gosto da kombeta, se o preço fosse justo não teria nada contra aha.

          • Dei um desconto pro Typhoon. É caro, o desenvolvimento se arrasta e os alemães estão suando com ele.

            É meio ridículo só estar recebendo as armas de ataque ao solo recentemente e não ter capacidade nuclear, mas dei o desconto por ser um caça capaz e não merece estar nessa lista infame.

            • O maior problema no desenvolvimento do Typhoon é justamente os alemães

    • o Tempest é hoje apenas um desejo da BAe, não é de forma alguma, um programa aprovado, ao contrário do caça Franco-alemão, que tem o total apoio de seus governos e go ahead e verba. Fazer mockup de madeira balsa quakquer um faz, amigo. E os yankees já estão pressionando o Reino Unido a não apoiar aidéia da BAe e e apenas comprar mais F-35s sim.

      • Como de costume você tenta empurrar algo que está absolutamente fora da realidade! O BAe Tempest está sendo elaborado de acordo com os requisitos da RAF de uma aeronave para substituir o Typhoon no futuro e incorpora a expertise da empresa no desenvolvimento de aeronaves furtivas, bem superior à da Airbus e a da Dassault juntas. E se mock up em madeira balsa qualquer um faz, maquetes tal como a apresentada na Euronaval qualquer criança com mais de 7 anos é capaz de fazer….

        Ah! Favor não insistir na tese de que os EUA estão pressionando pela aquisição de mais F-35 pois não corresponde à realidade sim!?

        • sempre bom debater com pessoas inteligentes e bem informadas, porém permita-me corrigi-los (serve para o Eduardo também):
          o que o Reino Unido está bancando é apenas um estudo de viabilidade e conceitos futuros, não há a menor garantia que esse estudo virá a se tornar um programa com go ahead, que é o caso do NGF franco-alemão. Acho que agora me fiz claro e me desculpem se não me fiz entender.

          • É de bom-senso que as empresas apresentem resultados.

            Deram um cheque em branco pra Airbus. No mínimo, malversação de fundos públicos. Outro A400 vem por aí.

            Parabéns aos britânicos.

          • O programa britânico não é apenas um estudo de viabilidade e tem o apoio do governo. E mais importante do que isso tem toda uma expertise tecnologica em furtividade ao contrário da Dassault e da Airbus.

  4. e por 20 anos os Rafales e Typhoons carregam o piano muito bem, obrigado.

  5. Ele não tem estabilizadores verticais, sei que a tecnologia está cada vez maior, e talvez foquem mais na furtividade mais já li várias vezes que perfis assim como asa tem dificuldade em velocidades supersônicas será que já corrigiram isso ou ainda faz parte do projeto

Comments are closed.