Dia 22 de abril: homenagem ao 1º GAVCA, que combateu na Segunda Guerra Mundial. (Foto: Fernando Valduga / Cavok Brasil)

No auge da Segunda Guerra Mundial e sob o Comando do Brigadeiro do Ar Nero Moura, aviadores brasileiros cumpriam missões de combate a bordo dos caças P-47 Thunderbolt contra alvos do Eixo no Norte da Itália.

O esforço e a audácia dos militares do Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA), o Esquadrão Jambock, transformariam o dia 22 de abril de 1945 em uma data histórica para a FAB. Naquele dia, um grupo de apenas 22 pilotos realizou 44 voos lançando bombas em pontos estratégicos e metralhando alvos inimigos. O mês de abril marcaria ainda um recorde na campanha italiana: foram 135 missões de ataque realizadas em 30 dias.

“Eu sempre gostei disso. Quando era criança, tinha coleção de aviõezinhos e simulador de avião de caça no computador. Sempre gostei desse desafio que as máquinas nos impõem. E o desafio na aviação de caça é buscar a perfeição, é tentar melhorar, aprendendo todos os dias e compartilhando conhecimento. O meu desafio na profissão é sempre tentar fazer as coisas do jeito mais correto possível e eu me orgulho muito disso, saber que sempre procuro aprender um pouco mais, melhorar minhas técnicas de pilotagem, a tomada de decisão, e acredito que seja esse o caminho.” Piloto do Esquadrão Escorpião (1º/3º GAV)

“Decidi ir para a aviação de caça porque tinha esse sonho desde criança e também por ser algo muito desafiador. A gente vive, voa para manter a paz, mas, se for necessário, podemos enfrentar a guerra e o piloto de caça precisa estar preparado para atingir o objetivo, cumprir a missão designada e voltar para casa. Eu sinto muito orgulho de pertencer à aviação de caça, já que o piloto dá o melhor de si, o que não quer dizer que seja melhor que os outros, mas isso eu levo para a minha vida, independente de estar ou não na aviação.” Capitão Nilson Rafael Oliveira Gasparelo, piloto da Esquadrilha da Fumaça

O FUTURO DA CAÇA

Para relembrar os feitos do combate na Itália, no dia 22 de abril, a FAB comemora o Dia da Aviação de Caça. Os ensinamentos deixados pelos pioneiros do Esquadrão Jambock ainda inspiram gerações de pilotos e impulsionam a Força Aérea Brasileira a se manter operacionalmente moderna.

A FAB passa por um processo de reaparelhamento e modernização de aeronaves. Em outubro de 2014, a Instituição assinou um contrato com a empresa sueca SAAB para o desenvolvimento e aquisição de 36 aeronaves de caça do modelo F-39 Gripen NG.

O primeiro voo do novo caça brasileiro, ainda como versão protótipo, aconteceu em junho de 2017, dando início à fase de ensaios, testes e certificações – etapas primordiais para o desenvolvimento e a consolidação do projeto. A primeira aeronave já está em linha de montagem e deve chegar aos hangares da FAB em 2021. Até lá, pilotos e mantenedores serão capacitados para a operação e a manutenção dos caças.

“O Gripen NG, por tratar-se de uma aeronave com conceitos e sistemas de última geração, vai elevar o Brasil ao seleto grupo de operadores de aeronaves de alta capacidade tecnológica. A aeronave, em substituição aos atuais vetores, representa uma revolução na nossa capacidade de combate centrada em rede, equiparando-a às das Forças Aéreas de países de primeiro mundo”, afirma o Gerente do Projeto F-X2, da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Coronel Júlio César Cardoso Tavares.


Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Aline Fuzisaki – Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Felipe Bueno

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns fab, ao menos no quesito Ghost Army (mockup) nos estamos bem.

Comments are closed.