Pela primeira vez o esquadrão treina o içamento a partir de convés com o helicóptero H-36. (Foto: Agência Força Aérea)

O Esquadrão Falcão (1º/8º GAV) realizou um treinamento de resgate em embarcação, com apoio da Marinha do Brasil, nos dias 22 e 23 de fevereiro de 2017, na Baía do Guajará, no Pará. Pela primeira vez foi utilizada a maca de resgate para realizar o içamento da vítima a partir de uma embarcação com uma aeronave H-36 Caracal no Brasil.

Esse método de resgate, conhecido como “convés”, permite que uma vítima, geralmente em estado grave, seja resgatada em uma embarcação, sendo içada através do guincho para o helicóptero. O acionamento ocorre quando existe uma vítima embarcada e sua condição necessita de tratamento urgente, tornando sua sobrevivência uma questão de tempo, pois o transporte pela aeronave é muito mais rápido do que por embarcações.

Com o uso da maca, há uma ampliação nas capacidades do esquadrão em resgatar as vítimas, diminuindo a possibilidade de sequelas. “A utilização da maca traz para o esquadrão a possibilidade de realizar uma abordagem voltada para o trauma sofrido pela vítima”, explica o Sargento Manoel Costa Soares, instrutor da equipe de resgate do 1º/8º GAV.

Segundo o Sargento Soares, até então eram utilizados o triângulo de resgate e a alça de içamento, métodos em que a vítima era suspensa presa pela cintura. Com a implantação desse método, um paciente que tenha sofrido fraturas, por exemplo, será resgatado sem que suas lesões se agravem.

Missões desse tipo exigem muito preparo e treinamento por parte da tripulação, pois a área de um convés costuma ter muitos obstáculos, além de ser pequena. Destaca-se também a complexidade, devido ao deslocamento da embarcação que faz com que o helicóptero tenha que acompanhá-la durante o procedimento. Para a tripulação, a sinergia encontrada através do preparo técnico e teórico garante a segurança da operação.

Fonte: 1º/8º GAV

14 COMENTÁRIOS

  1. Se a MB não ficasse sonhando com escoltas de 6.000 tons, Sub Nuclear e Porta Aviões, ela teria algum helicoptero no litoral acima do Rio de Janeiro.
    Parece piada que no gigante litoral do Brasil temos helicoptero das Forças Armadas no:
    1: MB no Rio Grande-RS com Esquilo.
    2: MB e FAB no Estado do RJ com vários modelos.
    3: FAB no RN com Esq. de Instrução de Esquilo.
    4: FAB no PA com EC-725.
    Que eu me lembre. Só……

  2. De uma tristeza contagiosa saber que a MB não domina essa técnica e divulga nota de um treinamento básico…

    Me faz recordar a morte de um pescador em um pesqueiro na costa de Rio Granda/RS que teve sua perna amputada em um acidente de trabalho e aguentou esperar por 6 horas um resgate que nunca chegou e morreu de choque térmico…

    • Boa! A quantas anda o processo? A família da minha esposa tem uma chácara em Sta Rita do Sapucaí-MG. A alguns meses atrás, a todo momento (dias) você via os hélis sobrevoando a região em baixa altitude. (Itajubá fica ali perto). Mas recentemente não se vê mais as passagens, ao menos eu não presenciei mais durante as vezes que fui lá esse ano.

  3. Ao que parece, a MB já está testando o uso de um UH-15 (H225M) do esquadrão HU-2 Pégasus, para uma possível criação de um novo esquadrão, ou desdobramentos do atual, em Belém, junto com a operação do H-36 da FAB. Talvez por isto se comenta que o 1°/8° Esquadrão Falcão deva se mudar com mala e cuia para Natal.