As aeronaves C-95 Bandeirante durante treinamento em Natal/RN.

Militares da Força Aérea Brasileira (FAB) que operam a aeronave C-95 Bandeirante iniciaram na quarta-feira (12/03) a segunda fase do Exercício Técnico ASSAET, na Ala 10, em Parnamirim, região metropolitana de Natal (RN).

O objetivo é treinar as tripulações dos esquadrões Tracajá (1º ETA), Pastor (2º ETA), Pioneiro (3º ETA), Pégaso (5º ETA) e Rumba (1º/5º GAV) na ação de Assalto Aeroterrestre. Trata-se do emprego de meios aéreos para introduzir forças paraquedistas em áreas de interesse.

O primeiro dia de exercício teve início com briefing de rotina e apronto operacional. Os voos começaram à tarde, com missões de formação tática. “Nesse exercício, treinamos a parte operacional da aviação de transporte, colocando em prática os conhecimentos adquiridos durante a carreira”, afirmou o Tenente Aviador Lucas Andrade da Costa Almeida, do Esquadrão Pastor, que participa do treinamento.

O exercício está dividido em 3 fases, sendo que a primeira foi realizada no mês de março, em Canoas (RS), sob responsabilidade da Ala 3. Agora, serão treinados procedimentos como navegação a baixa altura em voo de formação tática (elemento e seção), lançamento de fardo de porta e lançamento múltiplo. A terceira e última fase ocorrerá em junho no Rio de Janeiro (RJ), sob responsabilidade da Ala 12.


Fonte: Ala 10, por Tenente Juliana Lopes – Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Gabrielli – Fotos: Tenente Vitória e Sargento Marcella / Ala 10

10 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde Senhores!

    Eis um bravo guerreiro que a FAB ainda não encontrou alguém que estivesse à altura para substituí-lo (falando em termos de desempenho x custos x benefícios x volume de unidades operacionais adquiridas).

    Lamentável que a EMB tenha perdido o interesse em desenvolver uma aeronave simples de operar, barata de manter e mais ainda barata na aquisição, que fosse capaz de substituir o velho C95. Até chegou haver o C97K mas não passou de trêsunidades em operação.

    CM

  2. O Brasília deveria ter sido seu substituto natural não? Há ta esqueci que deve ter porta é rampa traseira. Foi isso, então já havia no mercado aeronaves como o C212- aviocar. Acredito que na hora certa enquanto os bravos bandecos estiverem aguentando a FAB opte por um desse modelo!

    • O Brasília pertence a categoria 30 passageiros do SAAB 340 e outros, o Bandeirante é da categoria commutter com até 23 passageiros, a FAB tem substituido gradualmente os C-95 por C-98 Caravan em várias unidades.
      É claro que o C-98 monomotor não serviria para formar pilotos de transporte pois é necessário um multimotor.
      Alguns C-97 Brasília foram convertidos em cargueiro, mas só 3 para uma unidade que já operava os C-97 de passageiros, não existe interesse em colocar o C-97 como substituto do C-95.
      Daqui a uns 7 a 10 anos a FAB vai ter que ir procurando um substituto para os C-95, sem pressa pois alguns C-95 modernizados foram entregues a pouco tempo para voar mais 15 anos.

    • Porque infelizmente?
      O avião está recem modernizado pela AEL e com revisão estrutural feita no seu Parque de Manutenção.
      Usa displays Elbit com aviônicos Garmim e programa feito pela AEL com a instalação feita pela Avionics Service de São Paulo.
      É um bom avião para formação de Piloto Multimotor feita em Natal e vai ser usado mais uns 10 a 15 anos ainda.
      Seu motores são dois P&W Canada com manutenção e suprimento fácil.
      . https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:A
      .
      Os aviões SAR não são mais os SC-95, são 4 SC-105 e tem mais um encomendado, e quando tiverem os 3 novos dedicados ao SAR os dois SC-105 mais antigos adaptados vão de Campo Grande do Pelicano para Manaus voar no Esq. Arara.