A FAB vai modernizar 50 aeronaves T-27 Tucano usadas pela Academia da Força Aérea. (Foto: Sgt. Johnson Barros)

A Força Aérea Brasileira vai modernizar 50 aeronaves de treinamento Embraer T-27 (EMB-312) Tucano, conforme edital publicado pelo Ministério de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

No final de março foi emitido um edital de licitação com o objetivo de encontrar empresas interessadas em atualizar a aviônica de 50 aeronaves turboélices T-27 Tucanos atualmente em uso na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga. As modernizadas aeronaves serão designadas T-27M.

Cockpit analógico do T-27 (foto acima) será atualizado para um com telas EFIS no conceito “glass cockpit”.

A data final para receber as propostas é dia 7 de maio. Depois de selecionada a empresa (nacional ou estrangeira), a FAB prevê um prazo de 24 meses para realização de todas atualizações, que poderão ser feitas no PAMA-LS (Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa, em Minas Gerais) ou na BASP (Base Aérea de São Paulo, em Guarulhos, SP). Duas aeronaves serão usadas como protótipos e as outra 48 entrarão num cronograma de modernização.

O processo de atualização dos aviônicos, avaliado em R$ 42,5 milhões, deve trazer os cockpits para um padrão “glass cockpit”, onde os instrumentos analógicos serão substituídos por duas telas coloridas sensíveis ao toque, de no mínimo 6 polegadas e no máximo 10 polegadas. Os T-27 devem receber ainda sistemas atualizados de rádio e navegação por satélite.

De acordo com o edital, os produtos oferecidos devem ser off-the-shelf, ou seja, já desenvolvidos e em utilização, sem necessidade de desenvolvimento adicional. Os novos equipamentos devem ser compatíveis com os requisitos de navegação baseados em desempenho – conceito PBN (RNAV e RNP) no período diurno e noturno, e devem ser resistentes às manobras (força G) do avião em todo envelope previsto.

Aeronave com pintura comemorativa de 30 anos de operação do Tucano no Brasil. (Foto: Sgt. Johnson Barros)

Ainda de acordo com o edital, todas melhorias deverão funcionar com a atual potência elétrica gerada pelo Tucano e as alterações não podem impactar em modificações estruturais na cabine e fuselagem da aeronave. Caso necessário, cabeamentos poderão ser trocados.

A FAB disse que a modernização dos Tucanos é necessária para melhorar o nível de treinamento dos pilotos, diminuir a pegada logística e possibilitar treinamento de voos por instrumentos, além de compatibilizar a aeronave com os novos padrões de tráfego aéreo.

Com a atualização, a FAB deve manter as aeronaves voando por 15 anos adicionais ao previsto. Atualmente, 60 aeronaves T-27 Tucano estão matriculadas na Força Aérea Brasileira.

O T-27 Tucano foi desenvolvido a partir de 1977 através de uma parceria entre a FAB e a Embraer. A primeira aeronave foi entregue em 1983, e teve como objetivo dotar a FAB com uma aeronave de treinamento avançado de pilotos e também permitir que a aeronave fosse usada em missões de ataque leve, com a versão AT-27. Na missão de ataque, o T-27 foi substituído na FAB pelo A-29 Super Tucano.

Mais de 600 aeronaves EMB-312 foram entregues pela Embraer, mas a produção foi terminada em 1996. NA FAB, a aeronave T-27 Tucano foi também usada pela Esquadrilha da Fumaça até 2013.

17 COMENTÁRIOS

  1. De um total de 140 T-27 destinados a FAB restando somente 50 indica que não há muitas celulas em condições de serem modernizadas por um longo periodo apos a finalização do processo . E muito provavelmente essas celulas retiradas de serviço ja finalizaram seu tempo de vida util e as que serão modernizadas não tenham 50 % a mais de vida util disponivel para durar esses 15 anos . A não ser que tenha um tempo de uso bastante restrito com poucas horas anuais até cumprir esse prazo .