A aeronave número 1.500 da ATR foi entregue para a Japan Air Commuter.

A fabricante de turboélices ATR celebrou hoje sua entrega de 1.500 aeronaves com toda a comunidade de funcionários da ATR. O ATR 72-600 foi entregue para Japan Air Commuter no final de outubro.

Este fato representa o mais recente de um ano de marcos para a fabricante de aeronaves regionais líderes de mercado, após a entrega do milésimo ATR 72 em julho e o 500º ATR-600 Series em agosto. Desde sua primeira entrega, há mais de 30 anos, a ATR se tornou líder em aviação regional.

O CEO da ATR, Stefano Bortoli, comemorou a conquista: “Esta é uma ocasião importante para a ATR e um momento de orgulho para todos os nossos colegas, do passado e do presente, que contribuíram para a evolução e o sucesso desta fantástica aeronave. Agradecemos a todos os nossos fornecedores, clientes e operadores por nos acompanhar nesta jornada e esperamos continuar a levar este programa maravilhoso para o futuro, conectando mais pessoas em todo o mundo. A ATR é a referência na aviação regional e temos a ambição de desenvolver ainda mais nossa contribuição e posição nesse mercado.”

O 1.500º ATR entregue recebeu um especial adesivo nas laterais da aeronave.

Desde 2010, 75% das vendas de turboélices têm sido ATRs e a empresa atualmente possui a maior participação de mercado de todas as aeronaves regionais. Quase 500 ATR 42 com 50 assentos e mais de 1.000 ATR 72 com 72 assentos foram entregues para mais de 200 operadores em 100 países. O primeiro programa de aeronaves da empresa, o ATR 42, foi lançado com a primeira entrega à operadora regional francesa Air Littoral. Posteriormente, a ATR lançou uma versão maior da aeronave, a ATR 72, que foi entregue pela primeira vez à Finnair. Desde seus respectivos lançamentos, os ATR 42 e 72 evoluíram com melhorias importantes. A versão mais recente e mais moderna da aeronave, a série -600, foi lançada em 2009, com a primeira entrega à Royal Air Maroc em 2011.

O sucesso prolongado da ATR é uma consequência desta política de desenvolvimento contínuo do seu produto e de se esforçar para ir mais longe com a sua oferta de serviço ao cliente. A aeronave oferece aos operadores uma economia imbatível, flexibilidade operacional e aviônicos de última geração, enquanto os passageiros podem desfrutar da cabine mais ampla e confortável da aviação regional. As recentes inovações da ATR, como a aviônica Standard 3, ClearVision™ e Cabinstream™, garantem que seus produtos continuem presentes na aeronave regional mais avançada do mercado.

Além de desenvolver seus produtos, a ATR continua a fortalecer seu suporte ao cliente, inovando em novos métodos para reduzir os custos diretos de manutenção, aumentando sua área de treinamento e oferecendo um Centro de Atendimento ao Cliente que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana. E, olhando para o futuro, a ATR também está explorando as oportunidades e o impacto de novas tecnologias de propulsão no ecossistema de aeronaves regionais.

A aviação regional fornece conectividade vital e oferece vantagens econômicas significativas para as comunidades em todo o mundo. A previsão de mercado da ATR prevê a necessidade de mais de 3.000 turboélices nos próximos 20 anos, em parte para atender quase 3.000 novas rotas. Um aumento de 10% nos voos regionais contribui com mais 5% de turistas, aumenta o PIB regional em 6% e o investimento estrangeiro direto em 8%. Isso, por sua vez, leva a mais desenvolvimento socioeconômico e mais emprego.

Anúncios

8 COMENTÁRIOS

  1. Os méritos da família ATR são muitos, é uma aeronave rentável e muito confortável para os passageiros. Contudo ela foi muito beneficiada pela falta de concorrência no setor salvo o Dash8

  2. Sá para constar, essa semana a Embraer entregou o EJET de número 1.500.

    O ATR é contemporâneo do EMB-120 Brasília… do qual foram entregues cerca de 350 aeronaves… a empresa resolveu abandonar os turboprops para focar nos jatos… desde então produziu cerca de 1.300 aeronaves da família ERJ-145 e mais 1.500 EJET´s.
    O que mostra o acerto de sua estratégia na época.

    • Na época foi um grande acerto da Embraer e Bombardier investir no ERJ e CRJ , depois houve um retorno do interesse pelos turbo-hélices regionais e a ATR se fez enquanto a Embraer assistiu sem reação. O Q-400 não da o retorno econômico para competir diretamente com o ATR-72, apesar de ser um bom avião.

      • A Embraer assistiu sem reação, na época, por uma série de motivos, entre eles cito dois:

        1- Envolvimento em outros projetos;
        2- Falta de um Business Case para voltar ao mercado de turboprops.

  3. O número de 1.500 unidades entregues por si só já demonstra o tremendo sucesso desse turboélice. Parabéns!
    Os turboélices provaram que são longevos e eficientes. O Brasil tem potencial para absorver uma frota de 230 dessas aeronaves servindo as cidades pequenas e médias.
    A família Dash-8 também faz parte desse sucesso mundial de turboélices com 1.251 aeronaves entregues, 580 da versão Q-400, agora sob o controle da Longview Aviation Capital (Viking) que deverá dar um impulso maior ao segmento e com a benéfica competição no modal. Saudações,

    • Apesar das grandes vendas no passado o Q-400 é uma aeronave mais robusta e bebe mais, da menos lucro, a Viking deve dar uma refinada para a deixar mais econômica e voltar a competir com os ATR de igual para igual.

Comments are closed.