O fabricante afirmou que a parte submersa do navio é a “principal característica distintiva do projeto”.

O Centro Estatal de Pesquisa Krylov apresentou o design-conceito do que pode se tornar um porta-aviões semi-catamarã da Rússia, disse o porta-voz do centro.

O modelo de um futuro porta-aviões multifuncional não-nuclear foi apresentado pela primeira vez no fórum Army-2018 no final de agosto. O projeto proposto ainda não tem nome.

O desenho semi-catamarã da parte submersa do navio é a principal característica do projeto“, disse o porta-voz.

Normalmente, os catamarãs têm dois cascos paralelos e uma plataforma de superestrutura conectando-os. O casco semi-catamarã proposto assemelha-se a um rabo de andorinha, bifurcando-se em direção à popa.

O porta-voz da empresa disse que a principal vantagem era um grande convés de voo (tão largo quanto o de um porta-aviões pesado) e menor deslocamento. A área do convés de voo é um fator crucial para o número de aviões que o navio pode transportar.

Um navio de deslocamento médio é capaz de transportar uma ala aérea em grande escala“, disse o especialista. Nenhum porta-aviões do casco em forma de V jamais foi construído.

Parâmetros 

O Centro Krylov disse que o deslocamento de água do porta-aviões proposto será de 44.000 toneladas, comprimento de 304 metros, largura do convés de 78 metros, calado de 8,5 metros, velocidade máxima de 28 nós (50 km/h) e alcance de cruzeiro 8.000 milhas (12.000 km).

A ala aérea do navio será composta por 46 aeronaves:

  • 12 a 14 caças Sukhoi Su-33;
  • 12 a 14 caças MiG-29K/KUB;
  • quatro aeronaves de alerta e comando;
  • 12 a 14 helicópteros Ka-27;

O único porta-aviões da Rússia, de classe média e não-nuclear, o Admiral Kuznetsov, desloca 59.000 toneladas, transporta até 52 aviões e helicópteros.


FONTE: TASS

21 COMENTÁRIOS

  1. Mais um projeto russo delirante que não vai sair da maquete, a se juntar aquele do convés bi-angulado

  2. A Russia ainda não desistiu do STOBAR… Se continuarem assim o SU-33 sempre vai ser limitado e nunca ira poder decolar com a sua carga maxima porque ele é pesado de mais… a china já sofre com isso e quer substituir, alem do mais CATOBAR tem uma frequencia de lançamento muito maior. na verdade a unica desvantagem da CATOBAR para STOBAR é o custo, oque realmente anda pesado nos Russos

  3. Li, ontem, parte de uma reportagem dizendo que o novo porta-avões russo teria um convés mais largo. Não cheguei a ler tudo e não vi se tinha menção a um casco diferente.

    • O fato é que o "novo" Porta-Aviões russo não passará de uma maquete Xings!

      Conforme-se!

  4. Quando o STOBAR é utilizado pelo SU-33 é péssimo,limitado e ultrapassado.
    Quando é utilizado pelo F35 é maravilhoso, moderno e inteligente.
    As coerências.

    • Já errou de saída Telêmetro!

      O F-35B não é STOBAR mas sim VTOL

    • Criou o livre comércio de armas.

      Comparou o ssj100 com o F35B.

      Disse que a Leonardo e a Airbus são a mesma coisa.

      Agora o F35B virou STOBAR.

      • Não sou bom com siglas. Mas você entendeu perfeitamente o que eu quis dizer, tanto que correu aqui para se explicar. Como faz em todos os meus comentários.

        • Não, vc distorce o conteúdo do artigo para confundir os leitores. STOVL não tem relação com STOBAR.

    • SU-33 peso maximo de decolagem: 33,000 kg F-35B (que será usado para os pousos em STOBAR) Peso maximo de decolagem: 27,200 kg. não sei se voce consegue ver a diferença GRITANTE entre o peso de uma aeronave para a outra

  5. Do jeito que estão quebrados ainda veremos a velha maria fumaça Admiral Kuznetsov acompanhado de seu rebocador poluindo a atmosfera terrestre por um bom tempo, se conseguirem reativá-lo, porque os russos estão enfrentando problemas justamente no processo de substituição do ítem mais crítico, a propulsão porque seus navios e propulsores eram construídos na Ucrânia e além de muita informação ter sido perdida eles não têm know how.

  6. As vezes eu acho que a marinha russa não confia plenamente em sua indústria para um projeto da magnitude de navio aeródromo. Ao contrário da frota submersível, que conseguiu manter constância na produção, manutenção e evolução de seus vetores, a frota de superfície ficou relegada ao passado no que tange aos navios de maior tonelagem.

    As interessantes fragatas mostram que há um ponto de partida, mas é necessário um grande planejamento, que passará por outras classes até se chegar a um porta-aviões. Neste particular, o fracasso no projeto Mistral deve ter significado um enorme contratempo para aquela marinha.

    No mais, acredito que simplicidade seja o melhor caminho. Pelo menos abandonaram a maquete de mais de 100.000 toneladas de deslocamento.

  7. Fosse essa configuração já teria sido construído. Catamarãs não aguentam mar aberto e ondas médias. Isso é mais propaganda que tem ainda falta de turbinas navais que o fabricante da Ucrânia não vende e da china pode ser roubada. ditador PutinKGb foi invadir a Ucrânia sem lembrar que a única fabrica de turbinas da URSS foi feita onde ele invadiu

    • O "Putin KGB" ser ditador na Rússia é feio, mas ditadura no lisarB é bonito.
      Curioso.

    • as turbinas ucranianas navais já foram substituídas por turbinas navais desenvolvidas pela Salyut, a mesma que fabrica os motores do Su-27, Su-30, Su-33, Su-35 e Su-57. Só tomou alguns anos para adaptarem ao uso naval, uma vez que turbinas os russos sabem fazer, venhamos e convenhamos….
      A classe de fragatas Gorshkov já feve a produção retomada com turbinas 100% russas, ou seja, quem perdeu o MAIOR mercado que tinham foi a Ucrânia mesmo. Deus me livre se vierem vender essas tranqueiras por aqui, para a classe Tamandaré….

  8. Acho que a Rússia está querendo demais nesse caso. Mal opera o Kuznetsov e não larga da ideia de usar Sky Jump. O Su-33 nunca poderá dar o máximo de si assim.

Comments are closed.