Aeronave Pampa III fabricada pela FADEA.

A Força Aérea da Argentina (FAA) assinou um contrato para a aquisição de um primeiro lote de 3 aeronaves de treinamento de nova geração IA-63 “Pampa III”. O contrato de US$ 30,3 milhões foi pago metade na assinatura e o saldo deve ser pago com as entregas.

Apesar do atraso considerável, finalmente a aprovação do contrato permitirá que a FAdeA tenha os fundos necessários para continuar com a conclusão das três unidades de série do Pampa III que estão em diferentes estágios de montagem na fábrica.

Além das três aeronaves de treinamento, a fabricante da aeronave argentina FAdeA “Brig. San Martin ” também fornecerá o software Ground Plan Mission Planner Station, dois equipamentos móveis de planejamento de missão e de salvamento. A FADEA vem negociando com o ministério argentino da defesa argentino por cerca de um ano e revelou o contrato em dezembro, antes da sua ratificação em 23 de fevereiro.

O original IA-63 Pampa foi desenvolvido na década de 1980 com a assistência da Dornier. Em 2005, o cockpit foi atualizado para criar o Pampa II. A FAdeA informou sobre a Pampa III no Show de Paris de 2013 e tentou vender a aeronave no exterior como meio de recuperar o investimento da empresa no programa.

Autoridades posam junto ao Pampa III logo após o primeiro voo em 2015.

A Fábrica Argentina de Aviones (FADEA) completou com sucesso o primeiro voo da nova versão de sua aeronave de treinamento IA-63 “Pampa III” em setembro de 2015. A nova versão do “Pampa” é alimentada por um motor mais poderoso, a saber, o Honeywell TFE731-40-2N com ??16,5 kN de empuxo. A FADEA trabalhou com a fabricante de equipamentos israelense Elbit Systems Ltd para o desenvolvimento da nova aviônica que inclui quatro telas (duas para cada piloto) multifunções de 12,5 x 17,5 cm, con o navegador / instrutor também possuindo uma unidade inercial da Honeywell associada a um GPS e um altímetro rádio e display de mapa digital. O avião também possui um novo computador de missão. Esta terceira geração da Pampa oferece dois tipos de assentos de ejeção, a saber: o Zvezda K36-L de origem russa ou o AEROFINA MK 10AR romeno, que é de fato um derivado do inglês Martin-Baker MK10L, pois como a Guerra das Falklands / Malvinas ainda está muito presentes, a FADEA precisou contornar o problema.

O contrato argentino é uma novidade bem-vinda para a FAdeA, que tem lutado para manter o programa devido aos atrasos na recepção de ordens do governo e enfrentou a ameaça de reorganização financeira. O contrato inicial para três aeronaves deverá ser seguido de compras adicionais pela Fuerza Aérea Argentina, que tem um requisito para 40. Se comprado, 18 deles devem ser treinadores Pampa III, enquanto os restantes 22 podem ser da versão de ataque leve Pampa GT, na qual a Argentina expressou algum interesse.

Esta nova versão Pampa GT pode transportar uma carga útil máxima de 1.500 kg, uma melhoria significativa em relação aos 1.160 kg das duas versões antigas do IA-63.

A Fábrica de Aviões da Argentina (FADEA) estima poder vender entre 100 e 200 Pampa III na Argentina, mas também para exportação. A primeira unidade de produção foi lançada em Córdoba no dia 29 de junho do ano passado.

29 COMENTÁRIOS

  1. E o Brasil não aprende… qual é a desse falido Mercosul? Se fosse sério, comprariam aviões Embraer e nós, produtos deles proporcionalmente…

    Os argentinos nunca olham para parceiros. São sempre melhores e tem o melhor.

    É capaz que nem o ST já tenha vendido 200 unidades…

  2. Existe um ditado por lá que diz que o argentino é um italiano que fala castelhano e pensa ser inglês.

Comments are closed.