…e o CAVOK conta pra você!

Falklands vista do espaçoO CAVOK tem um belo acervo sobre o conflito armado entre a Argentina e a Inglaterra em 1982.

Fruto de dedicação e horas de pesquisas por parte de seus editores, o CAVOK disponibiliza em língua portuguesa uma riqueza de informações.


Clique nos links e entenda como foi a Guerra das Falklands!

Falklands/Malvinas: Exocet, Nêmesis da forca-tarefa – A confiança dos britânicos numa vitória fácil sobre os argentinos na campanha das ilhas Falklands/Malvinas foi duramente abalada pela destruição de dois navios por mísseis Exocet disparados de aviões Super Etendard.

Falklands/Malvinas: Operações aéreas secretas – Durante a Guerra das Falklands/Malvinas, a Grã-Bretanha montou operações clandestinas, em especial de espionagem. Afirma-se também que aviões seus voaram com insígnias chilenas.

Falklands/Malvinas: Os Harrier da RAF – Os aviões Harrier da RAF foram enviados às Malvinas para fazer defesa aérea. Como, porém, os Sea Harrier da RN sofreram menos que o esperado, os GR.Mk 3 passaram a realizar missões de interdição.

Falklands/Malvinas: Vitória de Pirro – O grosso da ofensiva Argentina contra a força-tarefa britânica ficou por conta dos A-4. Um esquadrão da Marinha e dois da Força Aérea destruíram quatro navios e um lanchão, além de avariar mais quatro barcos. Dezoito aviadores e 22 aeronaves foram sacrificados.

Falklands/Malvinas: Operações dos Sea King – Os helicópteros Sea King foram usados pelos dois lados na Guerra das Falklands/ Malvinas. Os britânicos empregavam aparelhos Westland, de sua própria fabricação, e os argentinos, aeronaves Sikorsky feitas nos Estados Unidos.

Falklands/Malvinas: Operação Black Buck – As incursões de aviões Vulcan contra os argentinos foram as missões de bombardeio de mais longo percurso da História.

Falklands/Malvinas: Imagens raras – Como exposto anteriormente, após o fim do conflito, um pequeno contingente de aeronaves ficou nas ilhas persuadindo qualquer nova aventura bélica por parte da Argentina.

Falklands/Malvinas: Sea Harrier operando nas ilhas – Os Sea Harrier foram um fator decisivo para a Vitória britânica. O preço, porém, foi elevado: seis aviões foram perdidos na campanha.

2 de abril de 1982: Argentina invade as Falklands – A Guerra das Falklands/Malvinas foi uma guerra de dez semanas entre a Argentina e o Reino Unido no Atlântico Sul.

Falklands/Malvinas: A Balança do terror logo após a guerra – Depois da guerra das Falklands/Malvinas de 1982, a Grã-Bretanha mantém uma pesada presença militar na região. No próprio conflito, a Argentina sofreu perdas de monta, enquanto o Chile viu-se favorecido por sua colaboração com os britânicos.

Você sabia… – …que depois do conflito das Falklands/Malvinas os Sea Harrier foram se exercitar com os Mirage III da RAAF? E que o resultado foi o pior possível para a Royal Navy?

Typhoons operando no Atlântico sul – Em setembro de 2009, o Ministério da Defesa do Reino Unido iniciou o processo de substituição dos caças Tornado F3, que já estavam implantados na Base Aérea de Mount Pleasant, nas Ilhas Falklands/Malvinas, desde 1988.

Falklands/Malvinas: e depois da rendição argentina? – Desdobramentos da guerra no atlântico sul logo após a rendição argentina.

ESPECIAL: Falklands/Malvinas – Há 33 anos, nesse mesmo período, a Guerra das Malvinas/Falklands chegava em seus momentos finais.

O dia em que as Falklands foram Malvinas – No começo da década de 1980, a Argentina passava por uma enorme crise econômica e assistia à escalada da oposição civil contra a ditadura militar estabelecida em 1976. Em dezembro de 1981, uma junta militar encabeçada pelo general Leopoldo Galtieri assumiu o poder no país. Poucos dias mais tarde, ainda no mês de dezembro, um grupo de argentinos desembarcou na ilha da Geórgia do Sul e hasteou a bandeira da Argentina. Em resposta, os britânicos enviaram o HMS Endurance, que estava na região das Ilhas Falklands, juntamente com uma equipe composta por 21 marines, a fim de expulsar os intrusos, sem imaginar, entretanto, que este seria o estopim para a guerra.

Força Aérea Argentina nunca recuperou sua capacidade operacional depois da guerra das Falklands/Malvinas – Oficiais no comando da Força Aérea da Argentina admitiram que desde a guerra das Malvinas, nunca a força aérea do país recuperou a sua capacidade operacional, mas, apesar das deficiências e cortes no orçamento as novas gerações de pilotos militares estão concluindo sua formação e horas de voo “normalmente”, mesmo quando a imprensa noticia o contrário.

Falklands/Malvinas: 32 anos – No dia 2 de abril de 1982 forças argentinas invadiam as ilhas e davam início a dramática guerra convencional entre a Argentina e a Inglaterra pela posse das gélidas terras no Atlântico Sul.

14 de junho de 1982: Rendição argentina – No dia 14 de junho de 1982 as tropas argentinas se rendiam aos britânicos. Chegava ao fim a Guerra das Falklands/Malvinas.

Falklands/Malvinas: helicópteros no Atlântico sul – Helicópteros navais participaram de enorme variedade de missões na Guerra das Falklands. E mesmo em condições adversas, os aparelhos da Marinha britânica sempre corresponderam às expectativas.

Falklands/Malvinas: o lado argentino da guerra – A Guerra das Falklands/Malvinas é muitas vezes contada do ponto de vista britânico, como uma vitória que confirmou o status do império britânico no mundo pós Segunda Guerra Mundial.

Falklands/Malvinas: Brasil quase abateu avião que levava embaixador cubano – As nuvens prenunciavam chuva forte em Brasília na noite da sexta-feira 9 de abril de 1982 (Sexta-feira Santa) . O chanceler Ramiro Saraiva Guerreiro assistia ao “Jornal Nacional”, quando recebeu um telefonema do brigadeiro Saulo de Mattos Macedo, chefe do Comando Aéreo Regional: uma aeronave cubana invadira o espaço aéreo brasileiro.

Acha que terminou? Que nada, o CAVOK ainda tem muita coisa para contar! Boa leitura!

 00 (1)

Anúncios

9 COMENTÁRIOS

  1. Moral da história, o que acontece quando se entra numa guerra contra uma potência sem se preparar ahahah, DERROTA!

  2. Essa imagem que ilustra o post é da capa de uma revista Veja da época, correto?

  3. Dica: Salve esta página nos seus favoritos, porque ela será atualizada conforme mais material for publicado.

  4. O conflito foi uma 'fratura exposta' da soberba argentina. E pouco aprenderam com esse erro histórico. Continuam comendo 'xuxú e arrotando perú'.

  5. Acredito ser o maior acervo em língua portuguesa sobre Falklands / Malvinas. Sensacional. Uma sugestão é uma reportagem sobre o uso dos C130 Argentinos como bombardeiros…

Comments are closed.