Há 45 anos a Força Aérea Brasileira recebia o seu primeiro Northrop F-5.

Para ser exato, no dia 28 de fevereiro de 1975 a Northrop “entregava as chaves” dos três primeiros F-5 Tiger II, que eram da variante “B”, que foram transladados em voo dos EUA para o Brasil, no que ficou conhecido como Operação Tigre.

O primeiro pouso de um F-5 em solo pátrio deu-se no dia 6 de março do mesmo ano, na base aérea de Belém.

O comando da FAB selecionou o F-5E em 1973 após analisar as seguintes aeronaves:

  • Douglas A-4F Skyhawk
  • Aermacchi MB.326K
  • Harrier Mk.50 (versão de exportação do Harrier GR.1)
  • FIAT G.91Y
  • SEPECAT Jaguar.

Além de substituir a frota de Lockheed AT-33A , o F-5E apoiou o Mirage IIIEBR nas missões de defesa aérea, interdição e superioridade aérea.

Northrop F-5E Tiger II

O primeiro lote consistia de 36 aeronaves, sendo 30 F-5E e seis F-5B, além de peças de reposição e outros componentes. Os F-5E da FAB distinguiam-se dos modelos norte-americanos por apresentaram uma quilha dorsal, à frente da deriva, contendo uma antena ADF, bem como uma antena VHF no dorso da fuselagem.

O F-5E foi a primeira aeronave da FAB com capacidade de reabastecimento em voo (REVO).

Pilotos brasileiros voariam com os F-5M enquanto operações na Argentina. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)
Brasil

Os F-5B foram desativados em 1996. O F-5F só chegou à FAB em 1988, quando a Força adquiriu um segundo lote (usado). Como fato curioso, o primeiro F-5E fabricado pela Northrop, atualmente voa com a Força Aérea Brasileira, sob a matrícula 4856.

Em 2005 a FAB deu o sinal verde para o programa F-5M, que modernizou o Tigre.

A partir de 2021, após passar inspeção geral no PAMA-SP, toda célula que alcançar 1.200 horas será desativada. Acredita-se que o ultimo F-5M seja retirado de serviço em 2025.

Feliz Aniversário!


FONTE de pesquisa: Rudnei Cunha; Força Aérea Brasileira


Para saber mais sobre o F-5, clique aqui.


Afinal, o F-5 foi uma boa escolha pela FAB? Para saber a resposta, clique aqui.

Anúncios

9 COMENTÁRIOS

  1. É uma belíssima máquina, 45 anos e ainda voando na primeira linha de defesa no Brasil.
    Baita projeto.. Sou fã.
    Excelente, mas tudo tem seu tempo, agora os tigers merecem uma aposentadoria e um belo lugar na história da aviação de caça do Brasil.