A Força Aérea da Espanha colocou em operação mais 12 caças Eurofighters, que foram armazenados logo depois da entrega. (Foto: Eurofighter)

Nos últimos dias de 2016, a Força Aérea espanhola finalmente colocou em serviço uma dúzia de aeronaves de combate Eurofighter que foram armazenadas na base aérea de Albacete imediatamente depois de terem sido entregues, devido a falta de fundos para pagar por eles.

As aeronaves, uma mistura de aeronaves Tranche 2 e Tranche 3, foram incorporadas na 11ª Ala da Força Aérea, estacionada na base aérea de Moron, em Sevilha, graças ao que a Defensa, o site espanhol que primeiro relatou a transação, chama de “regularização administrativa-econômico”. Estas aeronaves adicionais elevam a frota Eurofighter da Espanha para 60 aeronaves operacionais.

Estes Eurofighters foram montados pela Airbus Defence and Space em Getafe, perto de Madri, e oficialmente entregues à NETMA, a Agência de Gestão Eurofighter e Tornado da OTAN, que os armazenou em Albacete enquanto se aguardava o reenvio para a Força Aérea Espanhola. A Força Aérea, entretanto, foi informada de que não poderia aceitá-los por causa de “problemas administrativos de pagamento que o impediam de aumentar o déficit orçamentário” – ou seja, gastar o dinheiro para pagar a aeronave excederia o déficit orçamentário autorizado pela Espanha.

Um acordo entre a NETMA e a Força Aérea espanhola permitiu que as aeronaves fossem mantidas pela 14ª Ala de Albacete enquanto este nó burocrático estava sendo resolvido e cada avião voava a cada 20 dias para manter suas capacidades operacionais e manter seu certificado de aeronavegabilidade atual.

A entrega final, no final de dezembro, criou um grande volume de trabalho administrativo inesperado para os Grupos de Material da Força Aérea, que estão tentando acelerar a incorporação das aeronaves em quatro esquadrões da força aérea que já operam o Eurofighter.

A Espanha inicialmente planejava comprar 87 Eurofighters, mas finalmente decidiu levar apenas 73, dos quais dois (um biplace em agosto e um monoplace em junho de 2014) diminuíram os estoques após acidentes que mataram dois pilotos.

A entrega das 13 unidades finais está prevista para 2017 e 2018, mas a Força Aérea não exclui que as entregas finais possam deslizar para 2019. Todas estas aeronaves pertencem ao último padrão da Tranche 3.

Paralelamente, o Centro Logístico de Armamento e Experimentação (CLAEX) da Força Aérea e o Comando de Apoio Logístico estão trabalhando para atualizar todas as aeronaves Tranche 1, para lhes dar algumas das capacidades dos padrões posteriores.

Fonte: Defense-Aerospace

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Até que a diferença do planejado para o adquirido (mesmo com os problemas administrativos) não foi tão grande.

Comments are closed.