Caça F-35A da Força Aérea Norueguesa.

A Força Aérea Norueguesa declarou no dia 6 de novembro a capacidade operacional inicial (IOC) dos seus caças F-35A Lightning II.

O Chefe da Força Aérea da Noruega, o brigadeiro general Tonje Skinnarland, declarou operacionais os caças F-35As noruegueses depois de concluir uma implantação em novembro, para validar que eles são capazes de operar longe de suas bases da Noruega. O evento ocorreu na Estação Aérea Principal de Ørland.

O ministro da Defesa da Noruega, Frank Bakke-Jensen, o coronel L. Ståle Nymoen (chefe do esquadrão do F-35) e a major-general da Força Aérea da Noruega Tonje Skinnarland, quando a Noruega declarou a IOC do F-35 em 6 de novembro de 2019.

A Noruega se torna o terceiro país europeu a declarar o COI, depois do Reino Unido e da Itália. – Gostaria de felicitar as Forças Armadas da Noruega por declararem o COI com o F-35. Este é um grande dia para todas as forças armadas, diz o ministro da Defesa da Noruega, Frank Bakke-Jensen.

Com mais de 455 aeronaves operando em 20 bases em todo o mundo, o F-35 está desempenhando um papel crítico no ambiente de segurança global de hoje. Mais de 955 pilotos e 8.485 mantenedores foram treinados, e a frota do F-35 ultrapassou mais de 230.000 horas acumuladas de voo. Nove nações têm F-35s operando a partir de uma base em sua terra natal e oito Serviços declararam Capacidade Operacional Inicial.

A Noruega declarou a IOC do F-35A em 6 de novembro de 2019, na Base da Força Aérea de Rygge, perto de Oslo. (Foto:: Torbjørn Kjosvold, Forças Armadas da Noruega)

Nos últimos dois anos, a Força Aérea Norueguesa realizou intensivos testes e avaliações operacionais (OT&E) de condições especiais da Noruega, como operações de inverno, operações nas áreas do norte e cooperação com o Exército, a Marinha e as Forças Especiais da Noruega.

Para concluir o período de teste, as Forças Armadas da Noruega passaram vários dias transferindo aeronaves e equipamentos da Estação Aérea de Ørland para a Estação Aérea de Rygge (perto da capital Oslo). A implantação do sistema de aeronaves de combate da Rygge inclui técnicos e outras pessoas importantes, além do equipamento necessário para treinar e praticar as operações a partir daí. Foi a primeira vez que as aeronaves de combate foram operadas a partir de uma base que não a Estação Aérea de Ørland.

No próximo ano, os F-35 da Noruega serão enviados à Islândia para realizar esforços de policiamento aéreo em nome da OTAN. Finalmente, até 2022, a Força Aérea Norueguesa terá em operação F-35, pilotos e mantenedores suficientes no país para permitir que a frota assuma a missão de “alerta de reação rápida” (QRA), que exige que os operadores permaneçam em alerta 24 horas por dia, todos os dias da semana, se necessário, para interceptar aeronaves que voam perto do espaço aéreo norueguês. Esses F-35 estarão prontos para o policiamento aéreo em Evenes, norte da Noruega.

A Noruega planeja comprar 52 F-35As. Devem basear-se na Estação Aérea de Ørland (localização principal) e, a partir de 2022, também na Estação Aérea de Evenes (para o policiamento aéreo da OTAN).

Anúncios