Helicóptero de ataque T129 ATAK da Turkish Aerospace Industries.

O grupo de trabalho técnico da Força Aérea das Filipinas identificou os novos helicópteros utilitários e de ataque que atendam aos seus requisitos para atender às suas demandas de capacidade. Serão adquiridos 16 Black Hawks e 8 T129 ATAKs.

Em uma entrevista na sexta-feira, o secretário de Defesa Delfin Lorenzana disse que a Força Aérea das Filipinas recomendou a compra dos Sikorsky UH-60 Black Hawk da Lockheed Martin para missões utilitárias, enquanto o T129 ATAK da Turkish Aerospace Industries foi selecionado para seu projeto de helicóptero de ataque.

“O grupo de trabalho técnico da Força Aérea apresentou a recomendação de que o Black Hawk é a melhor opção que eles vão comprar, então vamos buscá-lo”, disse ele a repórteres.

No início deste ano, o presidente Rodrigo Duterte cancelou o contrato para adquirir 16 helicópteros Bell 412 EPI da Canadian Commercial Corporation depois que Ottawa ordenou uma revisão da aquisição, já que os helicópteros poderiam ser usados para operações ofensivas em vez de missões de transporte.

O chefe da defesa disse que a Força Aérea das Filipinas queria substituir os Bell 412 EPI do acordo pelo mesmo número de helicópteros e foi o Black Hawk que atendeu às suas exigências. O país decidiu comprar 16 helicópteros Black Hawk dos EUA sobre os Mi-171 russos mais baratos, citando a ameaça de cair nas sanções dos EUA sob o CAATSA*.

Serão adquiridos 16 helicópteros Black Hawk via FMS.

“Nós temos dinheiro limitado para isso. Nós temos apenas US$ 240 milhões e pelos preços originais para essas aeronaves, com o Bell 412 podemos obter somente 16. Inicialmente, com o Surion poderíamos comprar 10. Já com o Black Hawk poderíamos comprar 10, mas com uma oferta via FMS, eles nos darão 16”, disse ele a repórteres. Outro helicóptero que competia era o AW139 da Leonardo.

Lorenzana disse que os helicópteros, em um acordo que pode ser assinado no início de 2019, poderão ser armados com metralhadoras, mas serão usados principalmente para o transporte de tropas e suprimentos.

Para o projeto de helicópteros de ataque, Lorenzana disse que o grupo de trabalho da Força Aérea expressou sua preferência com o T129 ATAK, mas eles só poderão adquirir “menos de 10” unidades com seu orçamento.

* A Lei de Sanções Contra Adversários da América (CAATSA), que foi assinada em agosto de 2017, tem como alvo as exportações militares russas, ameaçando impor sanções secundárias contra países que adquirem equipamento militar russo.

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde Senhores!

    Uma excelente composição. Quem sabe após o recebimento o EB poderia fazer sondagens e ver o comportamento do ATAK nas condições tropicais das Filipinas.

    Achei muito interessante mesmo a composição.

    CM

  2. caudilho duarte poderia ter comprado + baratos do chinas, mas as FFAA não gostar da amizade dele com Pequim. os EUA poderiam doar mais aeronaves do estoque deles para impedir a dependência da china

Comments are closed.