Um caça F-22 lidera uma formação com caças F-7 da Força Aérea Paquistanesa durante um exercício realizado no Paquistão.

Um alto comandante da Força Aérea dos EUA abriu a oportunidade para realização de mais operações conjuntas com a coalizão usando seus caças furtivos F-22 Raptor. Falando na Conferência Internacional de Caça organizada em Londres pelo IQPC, o major-general Larry Wells, comandante da Nona Força Aérea dos EUA, disse: “Nós precisamos envolver nossos parceiros nos exercícios com os caças F-22.”

Até agora, o nível de classificação de segurança ao redor do interceptador mais moderno da USAF tem impedido uma cooperação significativa com as forças aéreas aliadas. Mas Wells observou que a frota de aviões furtivos dos EUA não é grande o suficiente para realizar sozinha as operações principais de ataque. “Devemos integrar as frotas de aeronaves de quarta e quinta gerações”, disse ele.

Caças F-16 e F-15 já vem realizando uma série de exercícios com os F-22, tanto nos EUA como no exterior. (Foto: Mass Communication Specialist 3rd Class Jacob D. Moore / U.S. Navy)

Wells disse que os exercícios com caças F-15 e F-16 da Força Aérea dos EUA já foram intensificados. Atualmente, os pilotos dos F-22 podem se comunicar com outras aeronaves somente pela voz, mas a funcionalidade link 16 será instalada nos Raptors no próximo ano, revelou Wells. Ele disse que caças F-22 “passam um monte de dados de alta fidelidade entre eles” através do seu link de dados único, mas não podem se comunicar até mesmo com outras aeronaves stealth dos EUA, como o B-2 ou o F-35. Mas o MADL (multifunction advanced datalink) do F-35 acabará por fornecer essa capacidade, acrescentou Wells.

Wells também revelou que um esquadrão de caças F-22 já foi equipado para lançar a SDB (Small Diameter Bomb) de 250 libras. Isto aumenta a capacidade ar-superfície da aeronave, que já inclui a capacidade de lançar JDAM (Joint Direct Attack Munitions) de 1.000 libras em voo subsônico.

A maioria das restrições de operação impostas após os bem divulgados problemas de abastecimento de oxigênio aos pilotos já foram retiradas, relatou Wells. “Nós recentemente realizamos duas importantes implantações para a Ásia Oriental e o Sudoeste da Ásia, sem incidentes”, disse ele. Soluções para os problemas incluem filtros de carvão no fornecimento de oxigênio; uma fonte de oxigênio de back-up, e modificações no regulador de pressão para o traje “Combat Edge” do piloto.

Fonte: AIN Online – Tradução: Cavok

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta
Anúncios

41 COMENTÁRIOS

  1. Onde se escondem os histéricos críticos do F-22 e de tudo o que é "Made in USA" nessas horas?

    • Não tem NINGUÉM escondido meu garoto…

      O post aí em cima só RATIFICA vários "histerismos" meus que você se recusava a creditar…

      Como a incapacidade de comunicação (SÓ VOZ no sec. 21 ???) e aguardando o Link 16…

      Delicioso o trecho:

      "Mas Wells observou que a frota de aviões furtivos dos EUA não é grande o suficiente para realizar sozinha as operações principais de ataque. “Devemos integrar as frotas de aeronaves de quarta e quinta gerações”, disse ele."

      • Como sempre você interpreta de modo enviesado com o fim de dar alguma coerência aos seus argumentos. O argumento ora lançado pelo General, muito pertinente por sinal, expõe que determinadas missões não precisam necessariamente ser cumpridas por aparelhos de 5ª geração posto ser o atributo da furtividade mais adequado para cenários de alta intensidade, com defesas aéreas muito fortes. Um exemplo evidente foi na primeira guerra do golfo onde o sistema de defesa aéreo iraquianos, que era extremamente poderoso, não conseguiu deter o F-117 em suas missões de ataque. Retroceder no avanço em busca de novas tecnologias, que é o que você sugere, é burrice.

  2. É engraçado ver o F-22 (mesmo sem ter o link 16!) acompanhado de dois genéricos do MiG-21… 😀

  3. Coitado dos Paquistaneses, quem deram se eles fossem putência como nós! ahahahha

  4. Vendo essa foto (a 1ª) dá para entender porque a Índia não quis ir de F-18E ou F-16E…. hehehe 🙂

    []'s

    • depois de torrarem tanta grana nele, e depois de 20 anos, não passa de mera obrigação essa coisa conseguir fazer isso que vc está dizendo.

      Bilhoes e bilhoes de dolares e só agora consegue fazer certas coisas…

      Esse projeto é de 87, voou em 92 !!

      Se os USA tivessem problemas de quase desintegração na decada de 90 tipo a Russia, concordo, da-se um desconto, mas com a prosperidade e orçamento deles…

      • Caro Wagner,

        O problema é que o F-22 foi projetado para superar os Flankers que na época ameaçavam a supremacia do F-15. E conseguiram. Mas quando conseguiram, a URSS foi à falência. Ae a existência de 600 F-22 deixou de ser justificada, foi reduzida para 400 e por fim resolveram terminar na célula 187. Uma pena. Acredito que o número mínimo de F-22 devia girar por volta de 300.

        []'s

        • PENA que este teu argumento foi FULMINADO pela própria fala do major-general Larry Well quando afirma que como a frota de F-22 não pode dar conta de todas as missões de ATAQUE ele precisa de mais coordenação com as demais aeronaves.

          Só para esclarecer o projeto F-22 foi designado pela USAF como projeto de 5ª geração para SUBSTITUIR o F-15 que começava a perder algum terreno para os Flankers.

          NINGUÉM discute que o F-15 STRIKE Eagle além de interceptador é igualmente uma aeronave de ataque ao solo.

          Porque TODO Fanboy USA adora esta desculpa do F-22 SÓ interceptador ar-ar ???

          Só para encobrir a INÉPCIA da Lockheed Martin ???

          Sabe quando o Raptor vai substituir INTEIRAMENTE o F-15 Strike Eagle ???

          NEVER, NUNQUINHA, NIENT , JAMAIS…

          E o Pentágono JÁ percebeu esta REALIDADE…

          Por isso sua produção foi interrompida, a USAF elabora um plano F-15 forevis para manter a frota voando por mais 15 anos e o DoD colocou na agenda de "TO DO" (à fazer) o planejamento inicial de um novo projeto de caça de 5ª geração para REALMENTE substituir o Raptor???

          NÃO o F-15 STRIKE Eagle…

          • Meu caro colega, assim como o F-22, o F-15 foi inicialmente projetado como caça interceptador e de superioridade aerea, tendo "somente" a função ar-ar. A capacidade que vemos hoje no F-15 foi acrescentada a ele somene na versão E , o Strike Eagle. Então nada mais natural que o mesmo processo de evolução aconteça com o F-22. E se não fosse o reduzido número de aeronaves, com certeza o F-22 seria um sucessor a altura dos F-15. Apesar de não ser comum, a capacidade total de armamentos pode chegar a cerca de 8 toneladas se forem usados os cabides externos. O desempenho do F-22 também é ligeiramente superior ao F-15.

          • giltiger,

            A função básica do F-22 é interceptação… Ele nasceu pra isso. As funções de ataque ao solo jamais seriam delegadas ao F-22 a princípio. Logo, a frota de F-22 não tem que dar conta de todas as missões de ataque, visto que essa é a função primária de outras aeronaves, como o F-35, B2 ( num plano estratégico ), F-15E e F-16.

            Sobre o desenvolvimento de uma outra aeronave de quinta geração, acho pouco provavel por parte dos EUA. E por um simples motivo: seria perda de dinheiro, ainda mais observando-se que já se trabalha no seria a sexta geração… Fora o fato de que se constituiria num imenso prejuizo dar baixa em aeronaves praticamente novas, como os Raptores.

            No mais, o argumento do Nick tem todo o fundamento sim, pois com o fim da URSS os motivos para os grandes orçamentos do passado simplesmente desapareceram. Isso sem contar as projeções atuais para possíveis conflitos num futuro previsível, que projetam guerras de baixa intensidade e conflitos assimétricos. Logo, não há lógica em conservar uma força de 600 Raptores se as necessidades apontam para pouca coisa além de bombardear guerrilheiros…

            • RR, a função principal do F-22 é a de supremacia aérea, tanto no teatro defensivo como no de ataque fora de suas "fronteiras"… quando se fala em interceptador, se fala em caça de nascente proeminente defensiva, sendo em "casa" ou em "áreas dominadas", mas que o inimigo ainda está presente e ameaçador… certo que o F-22 reúne características para tal função, mas não a principal em seu projeto, que seria a alta velocidade super "sustentada", mesmo com supercruise, ele precisaria sustentar velocidades de mach 2, ou acima, por quase todo o percurso (90%??), ter uma autonomia considerável… um exemplo de interceptador potencial, nato, é o Mig-31… enfim…

              • Francisco AMX,

                Vou concordar com o amigo.

                De fato, o próprio termo pode ser considerado obsoleto, visto que interceptadores puros virtualmente não existem hoje, salvo os brutos como o Mig-31 ( e mesmo esse já teve planos de ser utilizado em outras funções ).

                Contudo, veja que o F-22 tem a missão primaria de defender o espaço aéreo dos EUA. É para tanto que mesmo hoje os desdobramentos para páises amigos são raros. E suas primeiras operações foram justamente nessa função: interceptação.

          • Caro Gilberto,

            Os EUA cancelaram cedo demais a produção do F-22, ponto. Tanto é que estão obrigados a formar "duplas" de F-22 com F-15 modernizados com AESA, para multiplicar seus caças de Dominância Aérea de 5ªgeração. Provavelmente se a Russia e a China tivessem lançados seus caças de 5ª geração mais cedo, o F-22 não teria sido cancelado.

            O F-22 não é SÓ um caça de Dominância Aérea, caro Gilberto. Ele é O CAÇA DE DOMINÂNCIA AÉREA. Mas possui uma capacidade de ataque com JDAMs e agora os SDBs. E mais, o F-22 Não foi feito para substituir um F-15 E. Quem deverá fazer isso, é o F-35. Lembre-se do código do projeto do F-35: JSF(Joint STRIKE Fighter).

            []'s

          • Giba:

            Como de costume e conforme um amigo meu sempre diz com muita sabedoria, suas proposições não são coerentes nem com elas mesmas. Como já dito centenas de milhares de vezes, e provado à exaustão também centena de milhares de vezes, o F-22 foi projetado como caça de superioridade aérea. Caso você não saiba do que se trata, é um aparelho destinado a adentrar em espaço aéreo inimigo e destruir os caças da força aérea adversária. E o F-22 possui todos os atributos para tal: Supercruzeiro, excelente alcance, razão empuxo peso de 1:43 (a maior de todos os caças), um excepcional radar e um compartimento de armas capaz de levar até 6 AIM-120 + 2 AIM-9. E fica a pergunta à você: Quantos caças levam oito mísseis ou mais? lembrndo que os autodenominados Omniroles da vida levam seis, e ainda ao custo de aumento do RCS. Ocorre que o compartimento de armas do Raptor, projetado para armas ar-ar, possui limitações quanto ao emprego de armas ar-superfície, tanto que o compartimento do F-35 é sensivelmente mais profundo e largo justamente para isso. E também foi uma das razões pela qual a versão Strike Raptor foi cancelada.

            Torno a dizer a você: "tente outra vez"

            • HMS, vou discordar do amigo, assim como já discordei de outros foristas sobre… acho que este negócio de "capacidade principal" do caça está sendo usado para amenizar a pouca capacidade do F-22 em desempenhar ataque aéreo, e falo pouca considerando os novos "addons" que lhe garantirão a capacidade inicialmente projetada de atacar alvos em terra com armas inteligentes (pois caso contrário ele seria um avião da "guerra do Vietnã"), inclusive algumas armas projetadas para ele, então, mesmo não desempenhando esta tarefa como um F-15SEagle, ele tem e sempre teve em seu conceito ser um avião de multitarefa, ao que pese a enorme capacidade, discrepante, de supremacia aérea! volto a dizer, o F-22 deveria ter sido o 1º caça multipropósito de 5ª geração… se não foi/é, não foi por falta de conceito!
              Sobre o Rafale, o amigo sabe que não é verdade, ele pode levar 10 Micas ou 6 Micas e 4 Meteors… além de 2 tanques subalares internos, supersônicos!
              aliás, como o termo "Ominirole" lhe incomoda nao é?! rsrsrs

              • Broe!

                Não é que me incomode, mas é que se trata de puro marketing. O Rafale é um caça multirole. Claro que, se considerarmos o F/A-18 legacy hornet (e não a Super Vespa) como o primeiro aparelho desde o início pensado para ser multirole, é inegável que o Rafale é uma grande evolução do conceito. Mas ainda assim é um multirole. O que me incomoda é uns e outros fazerem da expressão uma vaca sagrada.

                Quanto ao F-22 Broe, ele foi projetado como caça de superioridaed aérea bem ao estilo da guerra fria. E uma vez que a furtividade foi elevada condição prioritária, terminou por influir em muitas carcteristicas do projeto dentre elas os compartimentos não muito adequados a armas ar-superfície.

                Quanto à capacidade de mísseis do Rafale, desconhecia essa informação Broe!

                • Questão Broe é que a GBU-39, como o próprio nome diz, é uma arma pequena, e os compartimentos do Raptor não possuem a profundida necessária para armas do porte de uma JDAM de 2.000 lbs, o que não acontece com o F-35, que possui compartimento de armas mais profundo.

                • mas o pay-load, este que estou falando! o F-22 pode carregar sob as asas o que um F-35 não pode! o o que tem de desabonador nisso?!

                • Mas aí, levando armas sob as asas, o F-22 perde sua principal virtude, que é a furtividade Broe…

          • "Sabe quando o Raptor vai substituir INTEIRAMENTE o F-15 Strike Eagle ???

            NEVER, NUNQUINHA, NIENT , JAMAIS…

            E o Pentágono JÁ percebeu esta REALIDADE…"

            giltiger, é incrível a sua capacidade de escrever coisas erradas, por isso em outros blogs fazem piadas sobre seus comentários! Nunca houve a intenção de substituir todos os F-15 por F-22. Desde o começo do projeto ficou bem claro que o Raptor substituiria apenas os F-15CCCCC deixando as missões de ataque para outras plataformas. O pentágano sabe muito bem que o F-22 não substituirá todos os F-15 pq é isso mesmo que eles desejam.

            "Por isso sua produção foi interrompida"

            A produção foi interrompidada pelo mesmo motivo que a produção do Rafale foi cancelada na França. Foi por falta de necessidade! Isso já foi mais do que esclarecido, só você não enxerga.
            você goste ou não o Raptor é muito superior aos caças de 4,5 incluindo o seu favorito.

          • é mesmo??? JPC, na verdade não é o Gil o cara digno de risadas por aqui…!
            http://www.globalsecurity.org/jhtml/jframe.html#h

            aqui tu tens uma idéia da capacidade de carga interna do F-22 frente ao F-35…
            http://www.ausairpower.net/APA-JSF-Analysis.html

            Negar que o F-22, que deveria ter vendido mais de 700 unidades, teria a função de, paulatinamente, substituir o Eagle em superior "qualidade", já prevendo a redução de unidades mas sem perder a capacidade superior, é coisa de gente que não quer ver a realidade, estes sim dignos de boas risadas!
            diz aí qual a quantidade de F-35 seria comprada pela USAF? a mesma de F-16 e F-15 atual??? ora meu caro, todos sabem que a redução de unidades em detrimento da superioridade técnica, nas linhas americanas, já era previsto em meados dos anos 80, mesmo antes da derrocada soviética, e continua nos dias de hoje! observe o número de F-35 para a USAF!…
            Não é pq o F-22 não "aconteceu" como deveria que vcs podem mudar a História ao seu bal prazer… este papinho de F-22 não ser concebido para substituir o F-15 é manjado argumento de fã-boy… o F-15, até meados dos anos 80, quando apareceu o F-15E, era um F-22.. simples assim! e nesta época já se almejava o F-22 e o seu conceito!
            o que vcs tentam fazer crer é que o F-22 voaria eternamente ao lado de F-15, ambos sendo produzidos… ah, não força a barra! se o F-22 tivesse emplacado de fato, hoje ele estaria substituindo todos os F-15, incluindo os Es! mas a realidade dos custos do F-22 calou este primário desejo!

            • Para o cara que diz que o Raptor é multirole:

              Não, o Raptor não projetado para sustituir todos o F-15 ao contrário de que você está dizendo! Tanto que muitas das capacidades que o F-15 o Raptor nunca vai ter. Não tem nada a ver com ser fã ou não, e mesmo que tivesse você não é ninguém para falar pois defende o Rafale cegamnete ignorando vários fatores imrportantes.

              "o que vcs tentam fazer crer é que o F-22 voaria eternamente ao lado de F-15, ambos sendo produzidos… ah, não força a barra!"

              Da onde você tirou isso? Eu disse que novas plataformas seriam criadas para missões de ataque.

              "F-22 tivesse emplacado de fato, hoje ele estaria substituindo todos os F-15, incluindo os Es"

              Isso é só a sua opinião pois não tem fundamento em nada que você tenha lido como de costume!

              Quanto ao raptor emplacar, não se esqueça que existem mais Raptors do que Rafales e que o Low francês também foi cancelado além de perder várias concorrências. PQ dois pesos e duas medidas?

              Ah também lembrado, o Raptor joga bombas e não está incompleto como afirmou erradamente alguns dias atrás! Realmente o entendido aqui é você.

              • JPC, vamos lá…

                Sobre eu ter dito que o F-22 é multirole, vc, na sua falta de compreensão entendeu isso, fazer o que… não vou mais falar para um pedra a mesma coisa…

                Sim, o F-22 deveria ser o F-15 e o F-35 o F-16, mas não deu! simples assim! um Hi e um Low, decerto que fizeram mudanças drásticas no F-35 depois que perceberam os problemas do F-22, daí sua demora e rombos no orçamento!

                O F-15E nasceu para cobrir uma lacuna latente, não era para ser, concorreu com o F-16XL, e levou a melhor, foi uma "adaptação" ao todo… porém se o F-22 tivesse emplacado de fato, se fosse viável, este estaria a substituir, paulatinamente, todos os F-15, será que é difícil de entender isso??? qual o sentido de ficar produzindo um avião menos capaz em detrimento de um mais capaz, que, como vcs esquecem, também pode carregar armas externamente, como são todos os F-15… olha, nascer burro é carma, mas pq se fazer de burro??? (turrão)…

                Bom… o Raptor era para ter mais de 750 unidades produzidas inicialmente, com opção para mais unidades ainda… fecharam sua produção sabia? mas tudo bem… continua afirmando que foi um sucesso!
                "o low francês foi cancelado"… do que tu tá falando? tá falando do Rafale? do Mirage 2000? que tem mais de 700 unidades produzidas e venceu muitas peleias comerciais e em batalha? ou tu bebeu alguma coisa agora?

                O Raptor, ainda, não pode lançar suas bombas, ainda… mas está a caminho o sistema/software… fica tranquilo! rsrsrs

              • JPC,

                Que eu saiba, haviam planos de cancelar a produção do Rafale no final do ano passado… Contudo ( o amigo pode me corrigir se eu estiver errado ), a produção continua. O que ocorreu foi uma redução das encomendas francesas. Salvo engando, inicialmente seriam 250 Rafales para a força aérea e 86 para a marinha, mas fechou-se a conta em 212 e 60, respectivamente.

                É bem verdade que o Raptor já tem incorporada uma certa capacidade de ataque ao solo, e é evidente que será multitarefa até a segunda metade dessa década. Também é fato, como salientado pelos demais colegas, que o Raptor nasceu como uma aeronave de superioridade aérea, de modo que não tem como prioridade em seu projeto as funções de ataque. Contudo, está sim previsto desde o início a incorporação de todos os pormenores que o tornem um multifuncional. Logo, como ele ainda não integrou todos os iténs que o tornem como tal, pode-se afirmar que ele ( nos dias de hoje ) ainda é incompleto.

                A grosso modo, o programa do Raptor segue, mais ou menos, em passos similares ao do programa Rafale. No caso deste último, primeiro foi incorporada a capacidade de defesa aérea ( F1 ), seguida pela capacidade de ataque ( F2 ), e por fim a multifuncionalidade com o F3. Ou seja, a incorporação das qualidades do Raptor está se dando de maneira gradual, sem atropelos, e respeitando a complexidade única da máquina que é o Raptor.

            • Caro Chicão,

              O F-15E Strike Eagle é relativamente novo.

              Se existiu um F-22 que substituisse o F-15E Strike Eagle, este foi um estudo chamado FB-22 Strike Raptor. Teria mais alcance e carga paga, além de ser mais furtivo. Mas, o F-15E ainda é um programa novo, o primeiro modelo operacional voou somente em 1986. Projetando 30 anos de serviço, irá voar ate 2030 ou mais, com esses retrofits.

              Os Raptors começaram a voar em 2005. Devriam sim substituir todos os F-15 (menos os E). Mas isso não vai acontecer. Por questões de custos, optaram pelo Pato voador F-35. No meu entender, um erro. 🙂

              []'s

            • Talvez você não tenha lido direito seu próprio link mas não cabe uma paveway nas baias do F-22.

              Inclusive o link só mostra bombas de 1000lbs ao contrário do F-35 que permite JDAMs de 2000lbs.

              E se eu fiz algum comentário errado, nã vejo problema nenhum em admitir meu erro, ao contrário de você que nega o que escreveu.

              • tu tá falando em arranjo, eu estou falando em capacidade de carga "pay-load"… só para te dar uma dica: quanto é 8×250? seria 2000? pois é… soma-se mais 2 AIM9 e tem-se maior pay-load…

              • Não estou falando de arranjo! Estou falando de volume 8 SDBs lado a lado não ocupam a mesma profundidade de uma paveway e nem um JDAM de 2000 lb, não da para perceber.

                O compartimento interno do Raptor não projetado para armas muito volumosas e você denovo não está conseguindo provar o contrário.

          • Inveja mata sabia, mas não te preocupa o 5g russo um dia sai, não perde a esperança não, só torce para que a taxa de produção não tenha a mesma velocidade dos SUs, porque ai não vai dar pra comparar, o raptor já vai estar aposentado, os 6Gs vem ai.

  5. Francisco

    "Sim, o F-22 deveria ser o F-15 e o F-35 o F-16, mas não deu! simples assim! um Hi e um Low, decerto que fizeram mudanças drásticas no F-35 depois que perceberam os problemas do F-22, daí sua demora e rombos no orçamento"

    Isso é uma suposição sua, nada mais!

    Você leu isso em algum lugar? claro que não.

    Ao contrário de todos os livros e todas as fontes o cidadão faz afirmações que ele nem sabe e tenta empurrar para os outros à força! Custa muito entender que o raptor não foi projetado para ser um novo F-15? Que as especifícação são diferentes? Isso é apenas um pensamento seu e do Giltiger!

    Raptor foi cancelado por motivos mais do que esclarecidos, essa conversa de que é um fracasso por motivos de custo é trolagem. Tanto que nunca foi apresentada uma prova disso, o rafale teve a produção cancelada pelas mesmas razões e todo mundo sabe.

    ninguém disse que o raptor é um sucesso, o que está sendo dito é que ele funciona e no combate aéro supera largamente todos os outros caças. Inclusive o Rafale que não é superio nem mesmo a um F-15 dos anos 70 com AESA.

    Na boa suas, conclusões estão erradas e você não vai prova o que está dizendo.

    • sim JPC, é suposição minha, analisando os fatos, experimente! usa a caxola!

      Ah meu Deus! quando o Rafale teve a produção cancelada!??? isso tá nos "teus" livros também!?

  6. Algum expert ai pode me dizer que caça vence o F22 na atualidade?????Na ultima Red Flag os pilotos adversários do raptor foram taxativos:acima de 20 milhas não dá pra ver o F22. Ou seja: alguem viu a placa da carreta que passou por cima de mim?

Comments are closed.