USAF mandará 17 bombardeiros B-1 para o deserto no Arizona.

O cemitério de aeronaves da Força Aérea dos EUA está prestes a ficar um pouco mais lotado, pois o serviço planeja desativar mais de 100 aviões em suas frotas de bombardeiro, transporte aéreo, reabastecedores e drones em sua solicitação de orçamento fiscal de 2021 aos legisladores.

As autoridades estão solicitando um total de US$ 207,2 bilhões, incluindo dólares “não azuis”, que são categorizados para Força Aérea dos EUA, mas não são gerenciados pelo serviço. Desse total, supervisionaria US$ 169 bilhões, o que inclui dinheiro para a Força Espacial dos EUA, de acordo com os documentos de solicitação de orçamento do serviço revelados na segunda-feira.

Mas a Força Aérea dos EUA está programada para cortar 17 bombardeiros B-1B Lancer não nucleares na última proposta, reduzindo a frota para apenas 44. Também planeja retirar 44 aeronaves missionárias de apoio aéreo aproximado A-10 Thunderbolt II; aproximadamente 30 reabastecedores KC-135 Stratotanker e KC-10 Extender do modelo mais antigo; 24 drones RQ-4 Global Hawk, alguns usados ??como um nó de comunicação em rede Battlefield Airborne Communications, ou BACN; bem como 24 C-130H Hercules – o modelo mais antigo que resta no inventário de cargueiros, dizem os documentos.

Cemitério de aeronaves no AMARG, em Tucson, Arizona.

Embora o serviço tenha enfatizado sua necessidade de aumentar a prontidão e a capacidade da missão, o total de horas de voo dos pilotos, incluindo as que apoiam o combate no exterior, diminuirá de 1,33 milhão em 2020 para 1,24 milhão em 2021. A Força Aérea dos EUA também reduzirá o número de patrulhas aéreas de combate realizadas pelos MQ-9 Reapers em todo o mundo de 70 a 60 por dia.

“Acreditamos que vencer no futuro exigirá investir nas novas capacidades certas agora”, disse uma porta-voz da Força Aérea dos EUA na segunda-feira. “Dentro do orçamento alocado, isso significa negociar parte do antigo em favor do novo.”

As reduções ocorrem quando o serviço procura obter ganhos em outros lugares.

Apesar de reconstruir a força com mais de 3.000 aviadores nos últimos dois ciclos orçamentários, após anos de cortes no orçamento e pela restrição ornamentaria, a Força Aérea dos EUA espera adicionar apenas 1.500 novos aviadores em sua força no pedido do ano fiscal 2021, diz o orçamento.

Aeronaves A-10 Thunderbolt II armazenadas em Tucson.

O serviço ainda aumentaria seu componente de serviço ativo em 900 aviadores, aumentando sua força final para 333.700, de acordo com os documentos. Além disso, o serviço quer 600 aviadores em toda a sua força de reserva (400 na Guarda, 200 na reserva). O crescimento marginal ocorre quando a Força Aérea dos EUA transfere 6.400 pessoas para a Força Espacial; o sexto e mais novo ramo militar, pertencente ao Departamento da Força Aérea.

É importante notar que as autoridades propõem dedicar mais de US$ 1 bilhão ao programa Next Domination Air Dominance, conhecido como NGAD, que explora a aparência de futuras operações de aviões de combate; e mais de US$ 300 milhões – mais que o dobro do financiamento prometido no ano passado – US$ 144 milhões – no novo Sistema Avançado de Gerenciamento de Batalha (ABMS), um programa de ponta que se concentra na fusão de dados de sensores de inteligência, vigilância e reconhecimento em todo o mundo. Ambos os programas são financiados pelo orçamento de pesquisa, desenvolvimento, teste e avaliação da Força Aérea (IDT&E).

Além dessas iniciativas futuras, a Força Aérea ainda está despejando dinheiro em várias frotas de aeronaves ultrapassadas.

Por exemplo, o bombardeiro B-1 sofreu desgaste estrutural significativo ao longo dos anos devido à implantação constante. Algumas aeronaves estão apenas mostrando sua idade; o Stratotanker, por exemplo, remonta à década de 1950.

Ao demolir aeronaves mais antigas antes do planejado, a Força Aérea dos EUA poderá liberar US$ 4,1 bilhões nos próximos anos para o programa de defesa, ou os próximos cinco anos de gastos planejados pelo Pentágono, disse a porta-voz da Força Aérea, que financiará “muitos dos investimentos críticos em tecnologia e capacidade nesse orçamento”, afirmou.

Além disso, a retirada dos B-1 menos capazes permitirá que os mantenedores de toda a força se concentrem nos bombardeiros restantes, o que “aumentará a prontidão da frota até que o B-21 [Raider] possa substituir esses bombardeiros antigos no meio do período de 2020”, disse o major-general da Força Aérea John Pletcher, vice-secretário adjunto de orçamento do Gabinete da Força Aérea do subsecretário de Gerenciamento Financeiro e da Controladoria no Pentágono.

Embora as forças de mobilidade tenham sugerido que o serviço retardasse a retirada dos KC-10 e KC-135 mais antigos, a fim de evitar lacunas nas missões de reabastecimento, Pletcher observou que o serviço precisa se arriscar, pois aguarda mais aviões-tanque KC-46 Pegasus para preencher suas linhas de voo. A Força Aérea dos EUA aceitou seu mais novo avião-tanque, fabricado pela Boeing, apesar de várias deficiências que precisavam de ajustes.

“Para tentar garantir que temos as capacidades necessárias no futuro, teremos de correr alguns riscos”, afirmou ele. “Não podemos continuar financiando tudo o que fazemos hoje, sem ter que fazer algumas escolhas difíceis”, disse Pletcher.

A Força Aérea dos EUA aumentará seu inventário de caças com 48 novos caças F-35A Joint Strike Fighters e 12 F-15EXs – uma aeronave híbrida que substituirá os modelos F-15C/D Eagle mais antigos, mostram os documentos.

No ano passado, o Pentágono pediu oficialmente aos parlamentares que financiassem oito caças F-15EX de quarta geração mais novos, iniciando seu primeiro programa de caças de quarta geração em mais de 20 anos.

Outras substituições incluem o novo helicóptero MH-139, configurado para substituir o antigo UH-1N Huey. O serviço quer financiamento para seus oito primeiros helicópteros, apelidados de “Gray Wolf”, de acordo com os documentos.


Fonte: Military.com

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

    • Marcelo, isto também me causou estranheza num primeiro momento, mas agora desconfio que seja uma "aposentadoria provisória". Os americanos fazem muito esse tipo de procedimento; estocam aeronaves no deserto por longos anos (por motivos muitas vezes orçamentários) e depois recuperam-nas para o serviço ativo novamente!

      Suponho que, em relação ao Global Hawk, seja este o cenário mais provável.

      Cordial abraço

  1. Sonho do dia: trazer 12 desses bombardeiros B-1 Lancer pra FAB.

    Contra nossos vizinhos nem teria tanta utilidade, mas para patrulhas de longo alcance sobre o Atlântico Sul seriam interessantes! Carregados de mísseis anti-navio internamente, voando bem alto e patrulhando as águas por onde passam 95% do nosso comércio internacional.

    Nem percam tempo criticando-me. Já estou sonhando muito profundamente agora…. HAHAHAHAHAHA #brincadeira

    Boa tarde a todos! 🙂