Atualmente a Força Aérea Indiana conta com aeronaves Il-78 Midas para capacidade de reabastecimento aéreo.

A Força Aérea Indiana (IAF) está considerando, pela primeira vez, alugar aviões-tanque de reabastecimento aéreo para estender o alcance de seus jatos de combate, em vez de uma compra direta no contexto de tentativas anteriores fracassadas de comprar novos aviões-tanque.

As portas para o aluguel de equipamentos militares foram abertas pela primeira vez na semana passada, com o governo divulgando um projeto de política de aquisição de armas que permite que as forças armadas aproveitem a capacidade alugada para reduzir os custos associados à compra de armas e sistemas, de acordo com dois oficiais familiarizados com o movimento sob condição de anonimato.

“A IAF fez duas tentativas de comprar aviões-tanque durante a última década e meia. Nas duas ocasiões, estávamos perto de assinar o acordo, mas as coisas fracassaram por causa do alto custo de aquisição. O leasing é uma boa opção para preencher a lacuna de capacidade”, disse um dos oficiais citados acima.

A IAF opera uma frota de seis aviões-tanque Ilyushin-78 de origem russa, afetados por problemas de manutenção e a força precisa urgentemente de pelo menos mais seis.

A aeronave Airbus A330 MRTT já havia sido selecionada em uma competição anterior.

“Estamos finalizando os requisitos para o arrendamento proposto de aviões-tanque para aumentar nossas capacidades de reabastecimento a bordo. Estamos analisando aspectos como se devemos optar por um wet-leasing (o arrendador fornece tripulação e manutenção) ou um try-leasing. O leasing será uma opção melhor, pois nosso orçamento está sob pressão”, afirmou um segundo oficial.

O leasing foi introduzido no rascunho do Procedimento de Aquisição de Defesa (DPP)-2020 como uma nova categoria para aquisição, além das opções “Comprar” e “Fabricar” existentes, a fim de substituir grandes despesas iniciais de capital por pagamentos periódicos de aluguel.

O leasing é permitido em duas categorias – onde o arrendador é uma entidade indiana e é o proprietário dos ativos e onde o arrendador é uma entidade global. O fornecimento de leasing no rascunho do DPP governa o equipamento militar que não é utilizado durante a guerra – frotas de transporte, treinadores e simuladores.

“Os reabastecedores são um multiplicador de forças e a IAF vem pressionando por mais induções nos últimos 15 anos. Finanças tem sido e é ainda o problema. Leasing é uma boa opção. Isso poupará as horas de voo das aeronaves-tanque de reabastecimento aéreo pertencentes à IAF para as guerras, com os alugados realizando a tarefa muito substancial de treinamento e longos translados para exercícios no exterior”, disse o vice-marechal aéreo (aposentado) Manmohan Bahadur, diretor geral do Centro de Estudos de Poder Aéreo.

De acordo com um relatório de agosto de 2017 da Controladoria e Auditoria Geral da Índia, a capacidade de manutenção desejada da frota Il-78 deveria ter sido de 70% pelos próprios padrões da IAF, mas ficou em 49% durante 2010-16 – quase metade dos aviões estava disponível para missões a qualquer momento durante esse período.

Os contratados militares americanos (Boeing KC-46A), russos (Il-78) e europeus (A330 MRTT) esperavam que a IAF fizesse uma licitação global para mais aviões-tanque. O Grupo Bedek Aviation das Indústrias Aeroespaciais de Israel também estava olhando para participar do concurso com seu avião de transporte multimissão Boeing 767-200 – uma conversão da aeronave Boeing pela Bedek Aviation.


Fonte: Hindustan Times

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Será que teríamos alguma chance de alugar pra eles o nosso KC 390, seria uma ótima oferta pois seria aviões novos e poderia ser colocado no contrato a possibilidade de aquisição deles futuramente por um valor menor já que seriam usados e eles já teriam experiência com a aeronave, quem sabe a FAB da uma força para a realização da negociação. O que vocês acham pessoal nós teríamos como entrar nesta disputa?