A Força Aérea da Índia disse que a remotorização de seus jatos de combate Jaguar é importante para manter a capacidade de ataque do país.

Com o objetivo de manter os níveis de força e aumentar seu poder de fogo, a Força Aérea Indiana (IAF) está ampliando seu esforços para atualizar as capacidades da aeronave de ataque Jaguar, equipando-os com novos motores sob um acordo que anda travado por mais de seis anos.

O acordo deve ser crucial para a IAF manter seus padrões na próxima década, pois a força de esquadrões deve diminuir devido à indecisão do governo indiano em adquirir novos aviões de combate para o serviço, um projeto que vem sendo discutido desde 2004.

A força sancionada da IAF para esquadrões de caça é de 42, mas está operando em uma força muito menor devido a atrasos na aquisição de substituições para seus MiG-21s e atrasos na decisão sobre a nova frota de aeronaves de combate multimissão.

Um SEPECAT Jaguar indiano com o motor Honeywell F125.

Atualmente a Índia tem 32 esquadrões. A IAF tem cinco esquadrões de aviões Jaguar, que devem ser mantidos, equipando-os com novos motores da empresa americana Honeywell para manter os atuais níveis de potência.

“O projeto travado está sendo revivido e pressionado pela Força Aérea Indiana. Uma série de problemas com a Honeywell foram resolvidos e espera-se que haja algum movimento no mercado em breve”, disse um alto funcionário do governo.

De acordo com o programa, a Força Aérea indiana reabastecerá cerca de 100 de seus aviões Jaguar implantados em Jamnagar, Gorakhpur e Ambala com novos motores da Honeywell.

Os jatos Jaguar estão atualmente equipados com motores Rolls-Royce Adour 804/811 que devem ser substituídos pelo motor F-125N da Honeywell. Os novos motores devem fornecer quase 1,5 vezes a potência que os motores existentes fornecem à aeronave.

No dia 19 de dezembro de 2011, o governo indiano havia declarado no Parlamento que a atualização da Jaguar seria concluída até dezembro de 2017, mas esse prazo expirou no domingo e, ainda assim, nenhuma decisão foi tomada sobre o assunto.

Funcionários da IAF disseram que os aviões têm quase três décadas de idade, mas ainda há muita vida neles e ajudarão a Índia a manter níveis de força em tempos críticos.

De acordo com as projeções da IAF, o Su-30MKI seria seu principal jato de combate nos próximos anos. A Índia terá 13 esquadrões desses aviões enquanto retirará de operação todos seus MiG-21s e MiG-27s nos próximos anos.

“Se atualizado e remotorizado, o Jaguar pode servir como um jato de combate poderoso, enquanto o governo pode decidir decidir novas aeronaves para serem adquiridas para a força aérea”, disse uma fonte.

Recentemente, o Ministro de Defesa Subhash Bhamre disse no Parlamento: “A IAF terá 32 esquadrões de combate e 39 esquadrões de helicópteros em 2020.” A Força Aérea atualmente possui 32 esquadrões, mas, como afirmou o ministro, “três esquadrões de aeronaves MiG-21 serão eliminados até 2020”.


Fonte: India Today

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Eu sempre achei o Jaguar um avião muito bom e certamente ele foi desativado da RAF e do AdAir por questões orçamentárias visto que essas forças estavam ( e estão) incorporando o Rafale e o Typhoon (e os britânicos o F-35). Mas os indianos, pelo visto, não querem se desfazer dos seus tão cedo tanto que tencionam equipá-los não apenas com um novo motor como também com um radar AESA.

Comments are closed.